segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Cisne Negro

título original:Black Swan
gênero:Suspense
duração:1 hr 43 min
ano de lançamento: 2010
estúdio: Protozoa Pictures / Phoenix Pictures / Cross Creek Pictures / Fox Searchlight Pictures
distribuidora: 20th Century Fox Film Corporation
direção: Darren Aronofsky
roteiro: Andres Heinz e Mark Heyman, baseado em história de Andres Heinz
produção: Scott Franklin, Mike Medavoy, Arnold Messer e Brian Oliver
música: Clint Mansell
fotografia: Matthew Libatique
direção de arte: David Stein
figurino: Amy Westcott
edição: Andrew Weisblum
efeitos especiais:Matt Kushner (coordenador de efeitos visuais)

Nina, uma bailarina que a muito tempo busca um papel de destaque em sua companhia, consegue o principal papel em Rainha dos Cines, após a  bailarina de destaque se aposentar. Com vários problemas interiores, com sua mãe e com a pressão feita pelo diretor da companhia, Nina passa a ver concorrência desleal em qualquer uma de suas colegas, principalmente em Lilly - uma bailarina bem diferente dos seus padrões.
Por onde começar a falar desse filme? de verdade, vai ser difícil, pois assisti sábado e hoje, segunda, ainda estou um pouco em êxtase.
Muitas pessoas estão considerando Natalie Portman em "mais um de seus papéis insossos". Eu não vejo por aí, muito pelo contrário, pra mim ela se superou de forma surpreendente. Em um papel que com certeza exigiu muito dela, não deixou nem um pouco a desejar. Ela está perfeita como Cisne Branco, Cisne Negro, menina mimada e esquizofrênica.
O roteiro mostra o ballet  Rainha Dos Cisnes acontecendo na vida. A dupla personalidade de Nina é nada mais que meio e fim, ato e consequência de seu personagem. Todo o começo de seus problemas, inclusive, acredito serem em parte culpa de uma mãe controladora, obsessiva e super protetora. Juro, se eu tivesse uma mãe que ainda me arruma, me veste, e corta minhas unhas, quando já adulta, também ficaria louca.
Nas últimas cenas, quando ela entra no palco para interpretar o Cisne Negro eu quase chorei de tão arrepiada que fiquei, a cena é linda!
Uma análise sobre criação opressiva, da super exigência que algumas pessoas fazem sobre si mesmas; é tanta coisa que acontece, psicologicamente falando, que acredito ser um prato cheio para psicólogos e afins.
Do fundo do meu coração: super recomendo assistirem! Eu assistiria mais algumas vezes. E, não sei quem são as outras atrizes concorrendo nem vi os outros filmes, mas acho muito justo Portman ganhar o Oscar desse ano como Melhor Atriz; enquanto sua personagem buscava a perfeição, ela conseguiu alcançar.

CLASSIFICAÇÃO: MARAVILHOSO

Poster e Ficha técnica: IMDb

UPDATE: Eu fui assistir de novo e tive as mesmas reações e sensações da primeira vez. definitivamente esse filme tem de entrar para os clássicos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.