terça-feira, 22 de novembro de 2016

É Apenas o Fim do Mundo

título original: Juste la fin du monde
gênero: Drama
duração: 01h 37 min
ano de lançamento: 2016
estúdio: Sons of Manual
direção: Xavier Dolan
roteiro: Xavier Dolan, Jean-Luc Lagarce
fotografia: André Turpin
direção de arte: Colombe Raby

TEXTO PRODUZIDO PARA CENTRAL 42


Após 12 anos sem voltar para a casa da família, o escritor Louis retorna para contar a seus parentes que está para morrer. Porém, assim que chega todos os problemas do passado voltam a tona.

A sinopse do filme prometia, a problemática familiar é um tema que pode ser muito aprofundado sem se tornar repetitivo, mas ao pecar no exagero ele acaba perdendo a mão. Explanarei.

Esse núcleo familiar é praticamente composto por quatro pessoas que não aguentam mais conviver uma com a outra e um quinto elemento que acabou se tornando um estranho a todos. Ao procurar terminar sua vida em paz com seus familiares, Louis acaba se deparando apenas com os motivos que o levaram embora.

Há uma saturação no relacionamento entre essas pessoas tão grande que até mesmo o personagem principal parece não aguentar mais, mesmo os tendo reencontrado durante um único dia.

Digo mais, parece até mesmo que o elenco está saturado. Nathalie Baye parece apática durante todo o filme; Marion Cotillard, no papel de uma mulher oprimida pelo marido, não parece confortável em viver seu personagem e suas falas são mal construídas, na intenção de mostrar seu retraimento parece mais que ela não decorou corretamente o texto e deixaram por isso mesmo; Léa Seydoux e Gaspard Uillel também não parecem estar vivendo um reencontro tão intenso, o último inclusive me parece mais um espectador da crise do que um participante. Por fim, Vincent Cassel está em um papel que acredito ser um de seus mais odiosos, sim se trata de um cara estúpido e agressivo e ele impressiona em algumas cenas, mas parece que o ator pegou toda a responsabilidade para si de representar o sentimento que deveria ser expresso por todo o elenco e seu trabalho acaba ficando exagerado.

Claro que filmes hollywoodianos que trabalham temáticas parecidas tendem ao clichê e ao perdão, o que é uma forma errônea de se retratar o relacionamento em família, o deixando raso. Mas nesse trabalho Xavier Dolan quis intensificar tanto os problemas familiares comuns que os deixou fora de órbita.

Para mostrar ainda mais essa intimidade e seus sentimentos o diretor optou por fazer quase o filme todo em close nos artistas e com monólogos intermináveis. Isso deixa o filme tão cansativo que sua duração, de pouco mais de 1h30, parece chegar a 3 horas.

Ainda assim tenho pontos a elogiar sobre o filme, a iluminação é delicada e me parece namorar com álbuns e vídeos de família. Outro ponto alto é a trilha sonora que contrapõe o ritmo do filme em muitos momentos e com escolhas de músicas bem interessantes.

No final só chego a duas conclusões: não é porque ganhou o Grand Prix du Júri em Cannes que é bom e como já diria Guimarães Rosa em Grande Sertão Veredas - "Parente não é o escolhido - é o demarcado."

CLASSIFICAÇÃO: PÉSSIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.