quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Terra Em Transe

gênero: Drama
duração: 01h 51 min
ano de lançamento: 1967
estúdio: Mapa Filmes
direção: Glauber Rocha
roteiro: Glauber Rocha
fotografia: Luiz Carlos Barreto

Eldorado, o jornalista Paulo abandona a proteção política do senador Diaz para apoiar o populista Vieira; mas quando esse deixa de cumprir suas promessas e abafa uma revolta de camponeses, Paulo resolve retornar a sua vida antiga mas é convencido por sua amante, Sara, que ele deve ajudar a destruir Diaz.

Um filme produzido poucos anos após o golpe militar no Brasil e que, mesmo se passando em um país fictício, retrata bem a realidade da época. Tanto que teve problemas com a censura e foi proibido em todo território nacional por ser considerado subversivo. E não só no Brasil, foi proibido pela censura portuguesa até 1974. 
O mais interessante aqui é que ele não é só uma análise política, mas também poética, da sociedade; uma crítica pungente aos conservadores, aos populistas, à união entre políticos, empresários e mídias em função do poder.

Junte ainda a isso uma forma de dirigir e filmar experimental, trazendo cortes e sequências inovadoras. Tudo muito bem conduzido por uma trilha sonora que mistura samba, Villa-lobos e ópera.
Tudo isso muito bem amarrado com atuações de cair o queixo. Jardel Filho e José Lewgoy estão completamente entregues a seus personagens. Agora, Paulo Autran domina, se você ainda tinha alguma dúvida da qualidade desse ator - o que acho difícil - é aqui que há a confirmação de sua maestria. Não exagero quando digo que, em sua última cena nesse filme, me peguei o aplaudindo.
Se possível, assista com um caderninho do lado para ir anotando as suas frases e diálogos favoritos, só corre o risco de acabar anotando o roteiro todo.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.