segunda-feira, 11 de julho de 2016

Sinédoque, Nova York

título original: Synecdoche, New York
gênero: Drama
duração: 02h 04 min 
ano de lançamento: 2008
estúdio: Sidney Kimmel Entertainment
direção: Charlie Kaufman
roteiro:  Charlie Kaufman
fotografia: Frederick Elmes
direção de arte: Mark Friedberg

Caden é um diretor de teatro frustrado e hipocondríaco. Quando ele recebe o primeiro prêmio de sua carreira resolve escrever uma peça a partir de sua própria vida, para isso arruma um galpão e começa a reconstruir tudo nos mínimos detalhes.
Provavelmente esse filme estava na minha lista do Netflix por ter Philip Seymour Hoffman. Ai se arrependimento matasse.

Supostamente o filme trata sobre a vida e a morte, a importância que damos as coisas, situações e até a nós mesmos, mas no fundo tudo e todos somos iguais. Não há o que entender da vida. 
Isso ficou bem claro no roteiro, porquê não há o que entender nesse filme.
Tudo é muito confuso, em alguns momentos a vida do personagem passa em segundos, em outros demora para passar. Ele fica doente, depois não se fala mais nisso; ele tem outro filho, esse some da trama; casa, separa, casa, separa.

Sem contar que não decidiram no final das contas se o filme seria surrealista ou não. A história segue normal até situações bizarras, como uma mulher morando dentro de uma casa que vive em chamas.
Lógico que existem filmes que nos fazem ficar tristes, pensativos, mas há a consciência e a necessidade disso. Esse apenas me pareceu carregado, arrastado e sem propósito.


CLASSIFICAÇÃO: RUIM



Poster e Ficha Técnica: IMDb


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.