sexta-feira, 31 de julho de 2015

Boa Sorte

gênero: Drama
duração: 89 min 
ano de lançamento: 2014 
estúdio:  Globo Filmes
direção: Carolina Jabor
roteiro: Jorge Furtado, Pedro Furtado

João é uma adolescente que se sente invisível e fica viciados nos remédios da mãe. Ao ser internado em uma clínica de reabilitação conhece Judite, uma mulher que não tem mais muito tempo de vida. Eles se apaixonam e acabam transformando um a vida do outro.
Fiquei impressionada com a transformação de Debora Secco e todo o elenco cumpre seu papel de maneira muito convincente.
Porém o roteiro é daqueles que se espera que faça o telespectador derramar lágrimas. Afinal, estamos falando de uma personagem principal destinada a morrer. Pode até parecer clichê, mas sempre funciona, não há como não se emocionar.
Mas é aí que entra o problema, não senti nada. Não me deu nem tristeza. Criei empatia pelos personagens, mas seus finais não mexeram comigo e por isso sinto que a construção da história falhou.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Arizona Nunca Mais

título original: Raising Arizona
gênero: Policial, Comédia
duração: 94 min 
ano de lançamento: 1987
estúdio:  Circle Films
direção:  Joel CoenEthan Coen 
roteiro: Joel CoenEthan Coen
fotografia: Barry Sonnenfeld
direção de arte: Jane Musky

Um ex-ladrão de lojas de conveniência, prometendo andar na linha, casa-se com uma policial. A vida do casal vai muito bem até  dia em que descobrem que ela não pode ter filhos; ao verem que um magnata da cidade teve quíntuplos eles resolvem sequestrar um dos bebês.
O ritmo de filmagem é frenético e beira o histérico, assim como todos os seus personagens. Nicolas Cage está em uma das melhores formas que já o vi, completamente entregue ao personagem.
É tudo tão absurdo que não tem como não se divertir com as trapalhadas, a ação, as atitudes errôneas.
No final das contas, você se envolve tanto com a trama e os personagens que acaba torcendo para que tudo de certo para eles.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 29 de julho de 2015

As Três Noites de Eva

título original: The Lady Eve
gênero: Comédia Romântica
duração: 94 min 
ano de lançamento: 1941
estúdio:  Paramount Pictures
direção: Preston Sturges
roteiro: Preston Sturges, Monckton Hoffe
fotografia: Victor Milner

Após anos estudando cobras na Amazônia, Charles volta para casa. No cruzeiro de volta se apaixona por Jean, uma golpista. Quando descobre quem ela é realmente se separam. Mas, decidida a reconquistá-lo, Jean se passa por uma dama inglesa.
Filme que trabalha a guerra dos sexos, a femme fatale. Bem romântico, muito água com açúcar.
Para aproveitar esse passa tempo divertido e fofo é sempre bom entrar no clima "anos 40", afinal o personagem de Henry Fonda é digno da época: um homem que extrapola a bondade e inocência.
Os diálogos são rápidos, inteligentes e à frente de sua época.

CLASSIFICAÇÃO: BOM


Poster e Ficha Técnica: IMDb


terça-feira, 28 de julho de 2015

W.

título original: W.
gênero: Drama
duração: 129 min 
ano de lançamento: 2008 
estúdio:  Lionsgate
direção: Oliver Stone
roteiro: Stanley Weiser
fotografia: Phedon Papamichael
direção de arte: Derek R. Hill

Filme retrata a trajetória de George W. Bush desde a adolescência até se tornar o presidente dos EUA.
Eu sabia que Bush não tinha sido um rapaz "exemplar" , mas o que vi foi um playboy mimado e inconsequente. Nunca fui muito com a cara desse senhor, depois do filme tive mais justificativas.
Quando a produção em si, achei um tanto quanto arrastada e sem empatia alguma. Talvez a culpa seja do personagem principal, que não faz o estilo anti-herói que algumas vezes pode agradar, simplesmente não é nada carismático.
A trama parece seguir uma linha contínua do começo ao fim, não há nenhum momento que diria ser um clímax, nem mesmo quando chega a presidência.
Ponto positivo fica com Josh Brolin, que incorporou muito bem o papel e que a caracterização ficou muito boa 

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Entre Irmãos

título original: Brothers
gênero: Drama, Guerra
duração: 105 min 
ano de lançamento: 2009
estúdio:  Lionsgate
direção:  Jim Sheridan 
roteiro:  David Benioff , Susanne Bier, Anders Thomas Jensen
fotografia: Frederick Elmes
direção de arte: Tony Fanning

Sam vive dividido entre a família e sua carreira militar. Seu irmão vive criando problemas com a lei. Após ser enviado para uma missão no Afeganistão, Sam some e sua família passa a receber apoio do irmão que nunca foi visto com bons olhos.
Quando comecei a assistir achei que seria algo parecido com "Coisas que perdemos pelo caminho" e me deu uma desanimada por pensar que veria figurinha repetida. Mas não foi o que aconteceu.
Há semelhanças, mas aqui estamos tratando mais da relação do militar com a guerra, como isso o afeta e acaba afetando sua família também. O sofrimento interno e externo daqueles que vivem com a vida por um fio.

Os sentimentos são tão densos que quase se dá para cortar com uma faca.
A única coisa que me incomodou um pouco aqui foi Tobey Maguire fazendo um papel de um homem já pai de meninas grandes, por mais que ele já tenha 40 anos o acho com cara de adolescente. Mas sua transformação pós guerra é digno de palmas. 

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Matadores de Velhinha

título original: The Ladykillers
gênero: Suspense, Comédia
duração: 104 min 
ano de lançamento: 2004
estúdio:  Touchstone Pictures
direção:  Joel CoenEthan Coen 
roteiro: Joel CoenEthan Coen, William Rose
fotografia: Roger Deakins
direção de arte: Dennis Gassner

Um professor aluga um quarto na casa de uma senhora para, junto de seus comparsas, poder executar um assalto em um cassino.
Cheio de personagens peculiares, a história se desenvolve desde o começo prevendo que algo vai dar de errado, mesmo tendo essa expectativa e suspense durante todo o filme, dependendo do seu humor no dia a trama pode parecer um pouco arrastada.

É um filme de humor, mas não tradicional. Você não vai dar gargalhadas, no máximo aquela risada interna. Principalmente porque em alguns momentos o filme brinca com assuntos talvez delicados.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Mad Max

título original: Mad Max
gênero: Ação, Ficção Científica
duração: 88 min 
ano de lançamento: 1979
estúdio:  Kennedy Miller Productions
direção: George Miller
roteiro:  James McCauslandGeorge Miller, Byron Kennedy
fotografia: David Eggby

Em um futuro não muito distante, gangues de motociclistas dominam as estradas e a força policial não consegue controlá-los. Mas ao mexerem com  a família e amigos de um dos tiras, Max, eles descobrirão uma força avassaladora: a vingança!
A história pode parecer arrastada e até mesmo um pouco enfadonha até depois da metade, mas acredite, a última meia hora do filme faz valer o todo e a não-ação até ali é completamente compensada.
O filme se passa num futuro que beira o apocalítico, o bacana é que estamos acostumados a ver filmes que já se passam quando a mudança ocorreu por completo, mas aqui não: vemos o princípio da decadência.
O mais interessante aqui é observar um filme feito com um orçamento muito baixo e que mesmo assim conseguiu uma produzir algo que chama atenção. Mais legal ainda é ver um Mel Gibson desconhecido, e quase irreconhecível de tão novo, começando a despontar nas telonas. 

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Gladiador

título original: Gladiator
gênero: Épico, Ação, Drama
duração: 155 min 
ano de lançamento: 2000 
estúdio:  DreamWorks SKG
direção: Ridley Scott
roteiro:  David Franzoni, John Logan, William Nicholson
fotografia: John Mathieson
direção de arte: Arthur Max

O imperador Marcus Aurelius resolve deixar o trono para o comandante do exército, Maximus, na intenção que esse devolva o poder ao povo. Porém seu filho, Commodus, revoltado mata o pai, toma a coroa e ordena a morte de Maximus. Esse foge, se torna escravo, gladiador e reencontra uma chance de acertar as contas com o novo imperador.
Como épico é uma produção incrível, toda a fotografia - principalmente nos momentos em que Maximus relembra da família - é muito bem construída e preocupada com os mínimos detalhes.
O roteiro entretém e constrói uma linha de desenvolvimento que prende a atenção.
Porém, os erros me incomodaram um tanto. Assumo que não vi todos que estão listados, mas principalmente o fato de o chamarem de espanhol, sendo que tal região só foi unificada quase mil anos depois. Acho que a coerência história tem que ser fator primordial em filmes históricos/épicos e isso fez com que perdesse muitos pontos como obra para mim, como entretenimento é um prato cheio.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 21 de julho de 2015

Amadeus

título original: Amadeus
gênero: Drama
duração: 160 min 
ano de lançamento: 1984
estúdio:  AMLF
direção: Milos Forman
roteiro: Peter Shaffer
fotografia: Miroslav Ondrícek
direção de arte: Patrizia von Brandenstein

Adaptação sobre a vida de Mozart. A história é contada do ponto de vista de Salieri, um músico contemporâneo que admirava  e invejava o talento de Mozart, questionando Deus por ter dado tal talento a uma pessoa vulgar e não tão dedicada quanto ele.
Filmaço. Quase 3 horas de duração que parecem passar em menos de 1 hora.
Tom Hulce cria um personagem tão carismático, genial e genioso, beirando o infantil, que não tem como não se encantar com tal figura. Sem sombras de dúvida a risada mais marcante do cinema. Não entendo como depois de um papel tão incrível ele praticamente caiu em esquecimento fazendo filmes de segunda.
Mas voltando, ele junto a F. Murray Abraham - que inclusive está amargamente incrível - criam uma interatividade perfeita, diria que são complementares, o filme não seria tão dinâmico se não houvesse um ou outro da forma como estão.
Cenografia, fotografia e principalmente trilha sonora casam como tudo de forma espetacular.
Obrigatório.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 20 de julho de 2015

O Vingador do Futuro

título original: Total recall
gênero: Ação, Ficção Científica
duração: 113 min 
ano de lançamento: 1990
estúdio:  Carolco Pictures
direção: Paul Verhoeven
roteiro: Philip K. Dick, Ronald Shusett, Dan O'Bannon, Jon Povill, Gary Goldman
fotografia: Jost Vacano
direção de arte: William Sandell

No futuro, ao comprar férias virtuais, Douglas - um operário - descobre que sua memória  foi alterada. Ele passa a ser perseguido e a única chance de descobrir o que está acontecendo é ir para Marte.
Assumo que só assisti por estar no livro "1001 filmes para ver antes de morrer", mas tive uma boa surpresa.

Mesmo não gostando muito de Arnold Schwarzenegger a trama é tão bem construída que acaba te envolvendo de uma maneira ou outra.
O roteiro trabalha muito a questão da identidade, realidade e mundo virtual, memória plantada e afins. Até o final ainda há a dúvida do que ali é verdade ou não.

Além disso ainda tem os mutantes que dão um toque de exótico e bizarro a mais.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Moonrise Kingdom

título original: Moonrise Kingdom
gênero: Drama, Aventura, Comédia
duração: 94 min 
ano de lançamento: 2012 
estúdio:  Indian Paintbrush
direção: Wes Anderson
roteiro: Wes AndersonRoman Coppola
fotografia: Robert D. Yeoman
direção de arte: Adam Stockhausen

 Anos 60, em uma ilha da costa da Inglaterra, Sam e Suzy se sentem deslocados em relação às pessoas a sua volta. Certo dia resolvem fugir juntos, o que não esperavam é que todos aqueles com que não se davam resolvem reencontrá-los.
Como todo filme de Wes Anderson esse também tem aquele ar lúdico e uma fotografia marcante, característica e de deixar todo mundo de boca aberta.
O ponto fraco aqui é o roteiro, de todos que já vi do diretor esse pra mim foi o menos interessante. O roteiro sobre um primeiro amor é lugar comum e - ao contrário do que esperava - não foi trabalhado de forma muito inovadora (apesar dos personagens principais terem aquele perfil esquisitão que costuma-se ver nos filmes do diretor).
Além disso, achei algumas cenas de beijo e carícias um pouco pesadas levando-se em conta que os atores eram menores de idade.
Vale para conhecer, mas quem admira o diretor pode ser um pouco frustrante.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 16 de julho de 2015

E aí, meu irmão, cadê você?

título original: O Brother where art thou?
gênero: Aventura, Comédia
duração: 106 min 
ano de lançamento: 2000
estúdio:  Touchstone Pictures
direção:  Joel CoenEthan Coen 
roteiro: Homer, Joel CoenEthan Coen
fotografia: Roger Deakins
direção de arte: Dennis Gassner

Três prisioneiros fogem da cadeia em busca de um tesouro escondido. Durante essa grande aventura enfrentarão várias situações e conhecerão pessoas bem estranhas.
Uma releitura cômica de Homero. Mas acredito que o foco maior aqui seja retratar uma parcela característica dos americanos: os interioranos caipiras.
Os diretores têm uma fama de serem meio excêntricos em suas produções; essa acredito que foi a mais "comercial" que vi até hoje. O trama roda num ritmo bom, o roteiro tem elementos que prendem a atenção, o elenco é de primeiro, a fotografia acompanha o estilo total e - se até aqui você ainda não se convenceu - a trilha sonora é daquelas que dá vontade de ouvir pra sempre.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Nebraska

título original: Nebraska
gênero: Drama
duração: 115 min 
ano de lançamento: 2013 
estúdio: Paramount Vantage
direção: Alexander Payne
roteiro: Bob Nelson
fotografia: Phedon Papamichael
direção de arte: J. Dennis Washington

Após receber uma propaganda, um idoso acredita ter ganhado US$ 1 milhão. Decidido a ir buscar, cisma em ir mesmo que seja a pé. Percebendo a teimosia do pai, filho resolve levá-lo de carro. Durante a viagem o pai sofre um acidente, precisando descansar passam uma semana na casa de parentes, onde o boato de que ele estaria  milionário se espalha trazendo problemas a eles.
Quando esse filme concorreu ao Oscar, tudo o que vi e li sobre não me estimulavam muito a assisti-lo. Porém, resolvi dar uma chance quando vi que ia passar na Tv e tive uma grata surpresa.
A fotografia em preto e branco e a maneira como a trama se desenvolve podem não agradar muito. Essas características deixam o filme mais longo do que realmente é.
Mas o tema abordado faz valer cada segundo. A velhice, a maneira como se vive ela, os problemas que ela traz. 
Pode parecer apenas a história de uma família comum, mas é muito mais que isso. Cada personagem tem uma personalidade muito marcante, distinta e importante para a construção do filme como um todo.
Para ver e rever suas prioridades e suas atitudes com quem está a sua volta.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 14 de julho de 2015

Rebeldia Indomável

título original: Cool Hand Luke
gênero: Policial, Drama
duração: 126 min 
ano de lançamento: 1967 
estúdio: Jalem Productions
direção: Stuart Rosenberg
roteiro:  Donn Pearce, Frank Pierson, Donn Pearce
fotografia: Conrad L. Hall

Luke é um prisioneiro durão; ao recusar-se obedecer as regras da prisão ganha o respeito dos outros prisioneiros e o ódio dos guardas.
A trama pode ser um pouco arrastada para alguns, afinal se passa quase o tempo todo em um mesmo ambiente.
Mas a personalidade do personagem principal ganha a atenção de qualquer um. Paul Newman constrói um anti-herói, bad boy, rebelde sem causa, ou qualquer outra forma que prefira chamar, tão profundo, errado e cativante que não tem como não acabar criando um carinho pelo filme em um todo.

Ao mesmo tempo que você torce para que ele se recupere e se torne uma pessoa melhor, também deseja que ele consiga fugir e burlar a lei.
Esse conflito com o sistema, " a falta de comunicação" como é dito em certa parte do filme, me lembrou um pouco "Um Estranho no Ninho", ambos dignos de admiração.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 9 de julho de 2015

A Espuma dos Dias

título original: L'écume des jours
gênero: Drama, Fantasia
duração: 94 min 
ano de lançamento: 2013 
estúdio: Brio Films
direção: Michel Gondry
roteiro: Michel GondryLuc Bossi, Boris Vian
fotografia: Christophe Beaucarne
direção de arte: Stéphane Rosenbaum

Colin é um homem muito rico e sem jeito com as mulheres. Em uma festa é apresentado a Chloe, apesar do primeiro encontro desastroso, eles se apaixonam e se casam. Tudo vai bem até a descoberta que ela tem uma doença rara.
O roteiro, em si, é simples. Uma história dramática de amor. Mas esse não é o foco desse filme.
O principal é a maneira como um tema - de certa forma batido - é reinventado e retratado de forma inovadora.
Michel Gondry, já muito conhecido pelo trabalho incrível que fez em "Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças", consegue trabalhar de forma mais profunda ainda sua veia surrealista nesse trabalho.
Vi uma certa referência a Luis Buñuel, mas é difícil não enxergá-lo em produções assim, mesmo não tendo a intenção.

No começo pode ser um pouco difícil se encaixar no que está acontecendo, aceitar os absurdos, mas assim que entra no ritmo vira uma experiência fora do comum.
E o casamento da fotografia com o desenvolvimento da história dá um toque de charme a mais. Conforme a alegria dos personagens vai se transformando em tristeza o filme vai gradativamente passando de cores saturadas, para tons pastéis, até chegar no preto e branco. Isso tudo é tão sutil que você só se dá conta ao final.

Jean Paul-Sartre transformado em Jean Saul-Partre - capaz de ter seu material usado como alucinógeno extremamente vicioso, as pernas dos personagens ao dançarem, o corpo de Chloe por dentro; cada mínimo detalhe da produção é muito precioso.
Não é um filme de entretenimento, mas sim uma obra de arte deliciosa de ser observada.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Déjà Vu

título original: Deja Vu
gênero: Ação, Ficção Científica
duração: 126 min 
ano de lançamento: 2006 
estúdio:   Touchstone Pictures
direção: Tony Scott
roteiro: Bill MarsiliiTerry Rossio
fotografia: Paul Cameron
direção de arte: Chris Seagers

Doug é um policial que trabalha na Agência de Tabaco, Álcool e Armas de fogo. Ele é requisitado para ajudar na investigação de uma barca que foi explodida em um ato terrorista. Junto a equipe do FBI ele utiliza um método de investigação inimaginável para a mente da maioria das pessoas.
No começo do filme, quando pensava se tratar apenas de um filme de ação, achei um pouco forçado a capacidade do personagem principal em descobrir substâncias apenas de cheirar ou lamber. Depois, quando percebi se tratar de um sci-fi, deixei minha mente mais aberta a possibilidades absurdas. 
E fica aqui a dica: para aproveitar esse filme totalmente é bom se desprender das amarras da realidade.
Mesmo assim, o raciocínio em relação a viagem no tempo tem uma lógica crível e é explicada de maneira fácil ao telespectador. O que de certa forma pode acabar te fazendo descobrir o final antes da hora, como foi meu caso.
No resto, o desenvolvimento é dinâmico, atuações dentro do esperado e uma ótima opção de entretenimento.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 7 de julho de 2015

O Homem Que Copiava

gênero: Comédia, Policial
duração: 124 min 
ano de lançamento: 2003
estúdio:  Globo Filmes
direção: Jorge Furtado
roteiro:  Jorge Furtado
fotografia: Alex Sernambi

André, uma rapaz de 20 anos, mora com a mãe e trabalha como operador de fotocopiadora. Ele se apaixona por Silvia, uma vizinha que costuma observar pelo binóculo, e decide conhecê-la melhor, para isso ele precisa arranjar dinheiro.
Taí um filme que não esperava quase nada e me surpreendeu. O roteiro namora com o cômico, mas vai criando aos poucos uma trama envolvente que te deixa com uma pulga atrás da orelha pensando como eles vão resolver as encrencas que acabam virando um emaranhado de problemas.
A qualidade da produção ainda estava naquela fase programa de TV, o que pode desvalorizar um pouquinho o todo.
O elenco está em sintonia, mas o sotaque não convence nem um pouco.
A história se desenvolve de maneira um pouco arrastada, o que pode desanimar parte dos espectadores.
Por fim, tudo ia muito bem até chegar o final. A história, que até então ia como uma aventura cômica, após o clímax passa a namorar com um drama envolvendo temas pesados, o que achei que foi um balde de água fria. 
Mesmo assim, dá pra entreter.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Mar adentro

título original: Mar adentro
gênero: Drama
duração: 125 min 
ano de lançamento: 2004
estúdio:  Sogepaq
direção: Alejandro Amenábar
roteiro:  Alejandro AmenábarMateo Gil
fotografia: Javier Aguirresarobe
direção de arte: Benjamín Fernández

Rámon Sampedro sofreu um acidente na juventude que o deixou tetraplégico. 28 anos depois, lúcido e preso a uma cama ele luta pelo direito de morrer.
O estilo de narrativa e direção me lembrou de certa forma "O Escafandro e a Borboleta", além da temática obviamente. Mas cada um tem seus méritos e particularidades.
O roteiro mostra bem várias visões sobre o assunto, claro que tendendo mais ao posicionamento do personagem principal, mas seu debate com um padre também tetraplégico agrega muito a discussão.
Javier Bardem está quase irreconhecível, queria saber como fizeram para que seu corpo se assemelhasse ao de uma pessoa a tanto tempo presa a uma cama. 
Não é um filme fácil - emocionalmente - de assistir, não foi feito para passar o tempo. Você acaba de assistir parecendo que tem um Labrador sentado em seu peito. Mesmo assim vale cada minuto.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 3 de julho de 2015

O Solista

título original: The Soloist
gênero: Drama
duração: 117 min 
ano de lançamento: 2009 
estúdio:  DreamWorks SKG
direção: Joe Wright
roteiro: Susannah GrantSteve Lopez
fotografia: Seamus McGarvey
direção de arte: Sarah Greenwood

História baseada na vida de Nathaniel Ayers, músico prodígio que foi obrigado a deixar Juilliard por causa da esquizofrenia e se tornou sem teto.
Só fui descobrir que era baseado em fatos reais no final, o que agregou mais ao filme. Se já tivesse assistido sabendo talvez achasse um pouco piegas.
O roteiro é bom, mas se torna interessante de verdade com a atuação de Jamie Foxx, fica impossível tirar os olhos dele; as variações de humor, o olhar perdido, as alucinações; dá para ver que está entregue por completo ao personagem.
E o melhor de tudo, não mudaram o final para passar uma lição de moral ou qualquer coisa do tipo. Termina como deveria.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Vidas Ao Vento

título original: Kaze tachinu
gênero: Drama, Animação
duração: 126 min 
ano de lançamento: 2013
estúdio: Studio Ghibli
direção: Hayao Miyazaki
roteiro: Hayao Miyazaki, Mike Jones

Baseado na história de Jiro Horikoshi, designer de aviões que trabalhou durante a Segunda Guerra Mundial.
Enxerguei nesse filme a intenção de trabalhar sonhos e romance em forma de poesia - essa é passada através do desenho fantástico, a maneira como esse se desenvolve e cria um ambiente lúdico.
Porém, o desenvolvimento demasiadamente técnico da parte profissional da vida do personagem principal tira esse encanto e quebra um pouco o ritmo da história.
Pode se tornar um pouco arrastado em algumas partes, mas no todo é poesia para os olhos.


CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb