sábado, 27 de junho de 2015

Os 12 Macacos

título original: Twelve Monkeys
gênero: Ficção Científica, Suspense 
duração: 129 min 
ano de lançamento: 1995
estúdio:  Universal Pictures
direção: Terry Gilliam
roteiro:  Chris MarkerDavid Webb Peoples, Janet Peoples
fotografia: Roger Pratt
direção de arte: Jeffrey Beecroft

2035, James Cole é enviado ao passado para tentar descobrir mais informações sobre o vírus mortal que dizimou a humanidade. Porém, ao chegar ao passado ele é tratado como louco, sua única esperança é uma psiquiatra.
O roteiro pode acabar de deixando em um looping eterno, talvez seja bom assistir mais de uma vez para entender completamente. Esse é daqueles filmes que confunde a cabeça e um minuto que não preste atenção te faz perder todo o fluxo.
A direção e fotografia encaixam perfeitamente com o tema, te inserindo mais ainda na atmosfera de loucura.
Bruce Willis e Brad Pitt estão fantásticos, vivendo completamente seus personagens.
Talvez, pra depois do meio do filme, você comece a sacar o final - e esse pode até parecer clichê - mas nada disso tira o mérito do trabalho. Vale cada minuto.

CLASSIIFCAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Lilo & Stitch

título original: Lilo & Stitch
gênero: Animação
duração: 85 min 
ano de lançamento: 2002
estúdio:  Walt Disney Pictures
direção:  Dean DeBloisChris Sanders
roteiro: Chris SandersDean DeBlois
direção de arte: Paul A. Felix

Lilo é uma garotinha havaiana de 5 anos que vive com a irmã e não consegue fazer amizades. Certo dia elas vão a um canil adotar um animal e levam Stitch para casa. Porém, ele é um alienígena perigoso que fugiu da polícia intergaláctica que, para se esconder, se passa por cachorro. Mas conforme vai convivendo com as irmãs cria um laço de amizade.
Sempre quis assistir a esse desenho, sempre tive medo de ser muito infantil. Que bela surpresa tive.
Estamos tratando aqui de duas irmãs, que perderam os pais em um acidente e onde a mais velha está para perder a guarda da mais nova para o conselho tutelar.
Não é algo que costumamos ver ser trabalhado em um desenho.
Sim, tem toda  aparte fantasiosa, exagerada, cheia de aventura e cômica. Mas na verdade é um filme sobre como o amor é importante e transforma.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 25 de junho de 2015

O Concerto

título original: Le concert
gênero: Drama, Comédia
duração: 119 min 
ano de lançamento: 2009 
estúdio:  Oï Oï Oï Productions
direção: Radu Mihaileanu
roteiro: Radu Mihaileanu, Alain-Michel BlancMatthew Robbins, Héctor Cabello Reyes, Thierry Degrandi
fotografia: Laurent Dailland
direção de arte: Christian Niculescu, Stanislas Reydellet

Andrei era o maior maestro da União Soviética, responsável pela Orquestra do Bolshoi. Porém após defender seus amigos judeus, foi demitido. Trinta anos depois, ele trabalha como zelador do Bolshoi. Sem querer acaba interceptando um convite para tocar em Paris, resolve então reunir os antigos amigos e irem no lugar da orquestra oficial.
Que roteiro bom! Divertido, engraçado, mas ao mesmo tempo com um toque de drama. É interessante como mesmo rindo com os desencontros, a tragédia por trás da trama te deixa curioso e emocionado.
As atuações são ótimas e de uma certa forma me lembrou os filmes argentinos.
A sequência final casa muito bem a solução dos problemas e uma apresentação de arrepiar.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Indiana Jones e o Templo da Perdição

título original: Indiana Jones and the Temple of Doom
gênero: Ação, Aventura
duração: 118 min 
ano de lançamento: 1984 
estúdio:  Paramount Pictures
direção: Steven Spielberg
roteiro: Willard HuyckGloria KatzGeorge Lucas
fotografia: Douglas Slocombe
direção de arte: Elliot Scott

Indy, seu peno parceiro e uma cantora de boate sobrevoam o Himalaia e acabam caindo em uma tribo na Índia. O povoado pede sua ajuda para recuperar uma pedra mágica e suas crianças e eles partem em busca do Templo onde rituais muito estranhos acontecem.
Por quê demorei tanto tempo para ver esse filme! Simplesmente genial.
Não, não espere algo para pensar ou uma obra prima da sétima arte. Não que esse último item o faça mal produzido, muito pelo contrário - afinal estamos falando de Steven Spielberg - mas não é algo produzido para ser considerado filme arte.
Temos aqui um roteiro que envolve todos os gêneros: ação, aventura, romance, comédia, drama, fantasia.
Há cenas aqui que irão ficar na sua memória provavelmente para sempre: do coração, dos insetos e do trole principalmente.
E Harrison Ford parece estar brincando enquanto atua; faz tudo tão naturalmente e bem feito que nem parece trabalho. Mesmo assim há cenas em que Jonathan Ke Quan rouba a cena.
É um filme pra quem quer rir, se espantar, se emocionar e principalmente, se divertir.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 23 de junho de 2015

Um Grande Garoto

título original: About a Boy
gênero: Drama, Comédia
duração: 101 min 
ano de lançamento: 2002 
estúdio: Universal Pictures 
direção: Chris WeitzPaul Weitz
roteiro: Nick HornbyPeter Hedges, Chris WeitzPaul Weitz
fotografia: Remi Adefarasin 
direção de arte: Jim Clay

Will é um homem egoísta e que não gosta de compromissos. Em certo momento decide inventar um filho para poder ir a reuniões de pais solteiros e conhecer novas mulheres. Em um de seus relacionamentos conhece Marcus, um menino cheio de problemas em casa e na escola. Eles acabam criando uma estranha amizade e percebendo que podem aprender muito um com o outro.
Gosto desse tipo de comédia, que flerta com o drama. Ou vice-versa. Não deixa a história cair  no melodramático nem no besteirol.
Nicholas Hoult está muito bem no papel de um típico menino que sofre bullying, Hugh Grant mais uma vez interpreta a si mesmo.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Bee Movie - A História de uma Abelha

título original: Bee Movie
gênero: Animação, Comédia, Aventura
duração: 91 min 
ano de lançamento: 2007 
estúdio: DreamWorks Animation 
direção: Steve HicknerSimon J. Smith
roteiro: Jerry SeinfeldSpike FerestenBarry Marder, Andy Robin, Chuck Martin, Tom Papa
direção de arte: Alex McDowell

Barry é uma abelha que acabou de se formar na faculdade e é empurrado para um trabalho no qual ficará o resto da sua vida. Não satisfeito com esse rumo, ele resolve sair da colmeia e conhecer o mundo, mas se põe em risco. Para sua sorte uma florista o salva, ele descobre que as pessoas consomem mel e resolve processar a raça humana.
Não é apenas um desenho de inseto, na verdade é uma ótima crítica aos formatos da sociedade, costumes e padrões- tudo de maneira bem humorada e com uma pitada de sarcasmo. Não dava pra esperar menos de um roteiro escrito por Jerry Seinfeld.
Mesmo tendo toda essa construção de metáforas, o final acaba sendo piegas demais e decepcionando algo que ia muito bem até aquele momento.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

domingo, 21 de junho de 2015

O Último Magnata

título original: The Last Tycoon
gênero: Drama
duração: 123 min 
ano de lançamento: 1976 
estúdio: Academy Pictures CorporationParamount Pictures
direção: Elia Kazan 
roteiro:  F. Scott FitzgeraldHarold Pinter
fotografia: Victor J. Kemper 
direção de arte: Gene Callahan

Década de 30, um obstinado produtor de Hollywwod lida duramente com seus diretores, roteiristas e atores temperamentais. Ao mesmo tempo ele se envolve com uma mulher que tem o mesmo temperamento que ele, o que faz com não seja visto com bons olhos.
Roteiro mostra o lado de dentro do cinema, o planejamento e os problemas.
Porém, todo o resto é bem sem graça. Diálogos longos e com intervalos imensos, tudo se desenvolve de forma arrastada. A história fica mais interessante quando Jack Nicholson aparece e seu debate com Robert de Niro traz mais energia à trama, mas assim que ele sai, passa.
A maneira como o produtor orienta seus empregados é encantadora e é toda a metalinguagem do filme que o valoriza. 
Se não fosse por esses  dois pontos, talvez se tornasse um filme dispensável.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sábado, 20 de junho de 2015

Coração Satânico

título original: Angel Heart
gênero: Terror, Suspense 
duração: 113 min 
ano de lançamento: 1987 
estúdio: Carolco International N.V.
direção: Alan Parker 
roteiro: William HjortsbergAlan Parker
fotografia: Michael Seresin
direção de arte: Brian Morris

Década de 50, um detetive particular é contratado por um sujeito misterioso  para investigar o sumiço de uma pessoa. Porém quanto mais investiga parece ficar mais confuso e estar entrando em um mundo místico.
A trama trabalha com magia negra e esse ponto na história é muito mais importante que o suspense da investigação, não se deixe enganar.

Robert De Niro está tenebrosamente ótimo no papel de um cara suspeito, que será revelado.
O final acontece meio do nada, me soou como se a trama não tivesse levado meu raciocínio àquilo. Mas nada que estrague a diversão.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Pixote: A Lei do Mais Fraco

gênero: Drama, Policial 
duração: 128 min 
ano de lançamento: 1981 
estúdio: Embrafilme 
direção: Hector Babenco 
roteiro: Hector BabencoJorge DuránJosé Louzeiro
fotografia: Rodolfo Sánchez 

Pixote, um garoto de 11 anos abandonado pelos pais, vai morar em um reformatório onde conhece menores infratores. Acaba fugindo de lá e se envolvendo em pequenos roubos, tráfico, assassinato e prostituição.
Um dos filmes mais pesados que já vi. Como  a maioria dos filmes nacionais é cheio de violência, sexo e palavrões. Mas esse não é igual aos outros, tem mais propósito e parece se envolver mais com a realidade.
Com um elenco quase todo desconhecido, o filme anda muito bem sem ser prejudicado por esse ponto.
Não é só o fato do filme contar de forma ficcional algo que acontece todos os dias em nossas ruas, mas a maneira como a arte imita a vida e vice-versa.
Seis anos após participar desse filme, Pixote morreu assassinado em uma favela.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Álbum de Família

título original: August: Osage County
gênero: Drama
duração: 121 min 
ano de lançamento: 2013
estúdio:  The Weinstein Company
direção: John Wells 
roteiro: Tracy Letts
fotografia: Adriano Goldman 
direção de arte: David Gropman

Três filhas precisam voltar para casa para lidar com a mãe após a morte do pai. Essa família desconectada terá que lidar com seus problemas e segredos, gerando conflitos.
O roteiro trabalha bem problemas familiares, a realidade da reação entre pais e filhos, os conflitos entre gênios e personalidades.
Todos os personagens são muito complexos e o choque entre eles gera diálogos pesados emocionalmente.
Meryl Streep, pra variar está ótima, mas o que chama atenção é  Julia Roberts fora de seus padrões e se superando.
Não é um filme para passar tempo, mas vale muito a pena.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Ninguém é Perfeito

título original: Flawless
gênero: Drama, Policial
duração: 112 min 
ano de lançamento: 1999 
estúdio: Tribeca Productions
direção: Joel Schumacher
roteiro: Joel Schumacher
fotografia: Declan Quinn
direção de arte: Jan Roelfs

Um policial aposentado homofóbico vive no mesmo prédio que algumas drag queens. Certo dia, ao reagir a um assalto em seu prédio, ele sofre um derrame. O fisioterapeuta responsável por sua recuperação recomenda que faça aulas de canto, querendo evitar sair de seu prédio, ele acaba indo pedir ajuda a sua vizinha drag.
A trama como um todo pode até não ser muito complexa, mas o roteiro se aprofunda tanto na relação conturbada dos personagens principais, que você não precisa de mais nada.
Philip Seymour Hoffman e Robert De Niro interagem de maneira incrível e dão o melhor de si em cada personagem. Mais convincente que isso é praticamente impossível.
Um prato cheio para quem gosta de interpretações de primeira linha.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 16 de junho de 2015

A Mosca

título original: The Fly
gênero: Terror, Ficção Científica
duração: 96 min 
ano de lançamento: 1986 
estúdio: SLM Production Group 
direção: David Cronenberg 
roteiro:  George LangelaanCharles Edward Pogue, David Cronenberg
fotografia: Mark Irwin
direção de arte: Carol Spier

Um cientista, que está trabalhando em uma máquina de teletransporte, quando conhece uma jornalista com a qual acaba se envolvendo. Numa crise de ciúmes, ele acaba testando o experimento em si mesmo e não percebe que uma mosca entrou na câmara junto com ele. Esse imprevisto causará grandes transformações na sua vida.
Uma homenagem aos filmes B. Não foi feito para ser levado muito a sério, mas conseguiu ganhar espaço entre os clássicos.
A história, logicamente, é cheia de absurdos; mas é aí que está a graça do roteiro. Você tem que mergulhar na história de cabeça, acreditar de coração em tudo aquilo para aproveitá-la.
A transformação é tosca, mas se não o fosse talvez perderia o charme.
Não poderiam escolher ator melhor para o papel do esquisitão, Jeff Goldblum parece ter nascido para o papel.
Há cenas grotescas que podem mexer com seu estômago, mas vale cada minuto.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Tudo em Família

título original: The Family Stone
gênero: Comédia Romântica
duração: 103 min 
ano de lançamento: 2005 
estúdio: Fox 2000 Pictures
direção: Thomas Bezucha
roteiro: Thomas Bezucha
fotografia: Jonathan Brown
direção de arte: Jane Ann Stewart

Meredith , uma executiva nova-iorquina, vai passar o Natal com a família do namorado. Porém, eles têm costumes muito diferentes dos dela. Para ajudar eles não causam muita simpatia e não fazem questão de tratá-la bem. Diante das dificuldades ela acaba pedindo para sua irmã ir ajudá-la.
Sarah Jessica Parker está numa versão piorada de Carrie Bradshaw. Seu personagem não causa nenhuma empatia, mas também não ao ponto de dar razão à família do rapaz.
O roteiro é fraco, batido e forçado. Não cria conexão com o expectador e parece estar ali para cumprir tabela.

A história trabalha com a comédia o tempo todo, mas a partir do momento tenta inserir um drama que não cola.
Para ajudar do clímax pra frente a história toma reviravoltas sem sentido.

CLASSIFICAÇÃO: RUIM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

domingo, 14 de junho de 2015

007 - Contra Goldfinger

título original: Goldfinger
gênero: Ação, Aventura
duração: 110 min 
ano de lançamento: 1964
estúdio:  Eon Productions
direção: Guy Hamilton
roteiro:  Richard MaibaumPaul Dehn, Ian Fleming
fotografia: Ted Moore
direção de arte: Ken Adam


007 precisa investigar Goldfinger, um milionário cujas remessas de ouro pelo mundo são bem suspeitas. Porém, após Bond ser capturado por ele, descobre que seu plano é muito maior e mais perverso do que o imaginado.
Primeiro, todos devemos lembrar que estamos falando de Bond, James Bond. Aqui tudo é possível e aceitável - se ficar pensando nos absurdos não irá curtir nada do filme.
Lógicos que seu charme, ao qual nenhuma mulher resiste, é absurdo. Ou várias pessoas atirarem em sua direção e ninguém acertar também.

Mesmo assim, esse é um dos melhores da série 007 que já vi. Mostra a que veio - é ação, suspense, policial, comédia e romance. Difícil não agradar pelo menos um pouquinho a todos.
Sem dúvida Sean Connery foi o melhor intérprete de Bond. Vestiu esse personagem singular sobre medida.
Abertura e música clássicas dão o toque a mais de charme.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sábado, 13 de junho de 2015

Pat Garrett e Billy the Kid

título original: Pat Garrett & Billy the Kid
gênero: Faroeste
duração: 122 min 
ano de lançamento: 1973
estúdio:  Metro-Goldwyn-Mayer (MGM)
direção: Sam Peckinpah
roteiro:  Rudy Wurlitzer
fotografia: John Coquillon

Pat Garret, um ex-fora da lei, vira o xerife local. Porém ele terá que cumprir uma tarefa bem difícil: capturar Billy The Kid, seu ex-parceiro que continua no crime.
O roteiro trabalha de maneira até que interessante essa dualidade entre amizade e caçada. Também merece louros por reunir em um único filme um elenco composto por grandes nomes do gênero - difícil você assistir outro filme de faroeste sem que tem um do atores desse elenco.
Outro destaque fica para Bob Dylan que, além de ser responsável por toda a trilha, ainda atua!
Porém a temporalidade do filme fica um pouco prejudicada, não dá pra imaginar o tempo de distância que há entre eles, se algo aconteceu no passado e estão tendo um flashback ou é o tempo real.
Além disso, a história se desenvolve de maneira arrastada e, mesmo não querendo, quando vê sua atenção foi embora.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Coisas que Perdemos pelo Caminho

título original: Things we lost in the fire
gênero: Drama
duração: 118 min 
ano de lançamento: 2007
estúdio:  DreamWorks Pictures
direção: Susanne Bier
roteiro: Allan Loeb
fotografia: Tom Stern
direção de arte: Richard Sherman


Audrey fica desnorteada após a morte do marido. Desesperada para preencher esse vazio acaba recorrendo a um amigo de infância dele, do qual nunca gostou e que é viciado em drogas. 
Achei a condução do filme meio arrastada. Mesmo assim, a trama é densa e trabalha a perda de maneira coerente e realista. Apesar de ter algumas situações um pouco absurdas, o roteiro foge de estereótipos e consegue encantar em sua naturalidade.
Halle Berry vive o luto de maneira muito convincente e Benicio Del Toro parece ter nascido para fazer esse tipo de papel.
Não é um filme para se ver em dias que esteja triste, só vai te afundar mais. Mas vale a pena.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Justiça Cega

título original: Internal Affairs
gênero: Ação, Policial
duração: 115 min 
ano de lançamento: 1990
estúdio:   Paramount Pictures
direção:  Mike Figgis
roteiro:  Henry Bean
fotografia: John A. Alonzo
direção de arte: Waldemar Kalinowski

Dentro de um departamento policial um conflito está para se instaurar entre o novo policial que investiga a violência dentro da própria corporação e outro policial: charmoso, cínico e corrupto.
Tenho muitos filmes na minha lista que não sei porquê estão lá. Esse era um deles, mas acabou sendo uma boa surpresa.
Primeiro que o roteiro aborda um tema interessante e desenvolve muito bem a trama de suspense policial.
Andy Garcia, como sempre, está completamente entregue a seu personagem. Mas a surpresa aqui é encontrar Richard Gere no papel de vilão, e para surpresa de todos, o fazendo muito bem. Seu cinismo é tão bem construído que beira o palpável.
Talvez os outros personagens, que ajudam a construir a trama de corrupção pudessem ser mais trabalhados. Fiquei com a sensação de que eles foram incluídos sem uma necessária apresentação prévia.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Por Amor

título original: Personal Effects
gênero: Drama
duração: 106 min 
ano de lançamento: 2009
estúdio:  Insight Film Studios
direção: David Hollander
roteiro:  David HollanderRick Moody
fotografia: Elliot Davis
direção de arte: Renee Read


Walter e Linda passaram por tragédias parecidas em suas vidas; por causa desse elo acabam se apegando um ao outro como forma de superar seus traumas.
Assumo que provavelmente esse filme estava na minha lista por achar Ashton Kutcher bonito, assumo também que esse não é um bom critério para escolher filmes.
O roteiro até tem seus pontos bons, a idéia de trabalhar perdas e seus traumas costuma funcionar. Claro que cada pessoa tem a sua forma de lidar com traumas, mas todos os personagens me pareceram apáticos.
Ashton Kutcher e Michelle Pfeiffer até tem química, mas funcionariam muito melhor em uma comédia romântica - única categoria inclusive onde o primeiro funciona.
O final, que parece trazer algo de inesperado à trama (e assim melhorar o andar da carruagem) acaba decepcionando.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 9 de junho de 2015

Viagem a Darjeeling

título original: The Darjeeling Limited
gênero: Drama, Aventura, Comédia
duração: 91 min 
ano de lançamento: 2007
estúdio:  Fox Searchlight Pictures
direção: Wes Anderson
roteiro:  Wes AndersonRoman Coppola, Jason Schwartzman
fotografia: Robert D. Yeoman
direção de arte: Mark Friedberg


Três irmãos, que não se vêem há um ano, resolvem fazer uma viagem de trem pela Índia na intenção de quebrar a barreira que existe entre eles. Porém, vários incidentes durante o trajeto acabam desviando o foco da viagem.
O estilo de Wes Anderson cada vez me conquista mais. É uma mistura de comédia, drama e personagens que beiram o bizarro que acho até difícil classificá-lo.
Cada neura, toc, mania de cada personagem, mesmo os secundários, trazem à história um quê de realidade, a aproxima mais do público - por mais bizarra que seja.
Suas cores, direção de câmera e padrões só deixam a trama mais interessante ainda.
Adrien Brody, Jason Schwartzman e Owen Wilson estão em ótima forma e constroem uma interação que favorece muito a história. Inclusive é graças a Anderson que passei a respeitar o trabalho de Wilson, que antes só tinha visto em comédias banais.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Sem Controle

gênero: Suspense, Drama
duração: 90 min 
ano de lançamento: 2007
estúdio:  Ananã Produções
direção:  Cris D'amato
roteiro:  Sylvio Gonçalves
fotografia: Nonato Estrela

Danilo é um diretor de teatro obcecado pela vida de Manoel da Motta Coqueiro - caso que começou a extinção das penas de morte no Brasil. Seu descontrole o leva a ser internado em uma clínica psiquiátrica, depois do tratamento passa a ensaiar com os outros pacientes a história de Coqueiro e se envolve com uma mulher misteriosa.
O casal principal não segura as pontas da trama como poderia, Eduardo Moscovis até convence mas poderia ser melhor. Agora Milena Toscano, em todos os papéis que faz, está sempre com uma cara de ninfeta ninfomaníaca - pode até encaixar de certa forma com o personagem, mas acredito que teria ficado melhor se ela tivesse explorado mais o lado psicótico.
O começo do roteiro deixa as coisas meio confusas e parece que tudo anda meio arrastado, porém, após o clímax e dele até o final é que a história ganha força. E é esse trecho que faz valer todo os 90 minutos que você dedicou a assistir essa produção.
Se todo o filme fosse trabalhado como os momentos finais, com certeza ele estaria entre meus favoritos nacionais.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb