segunda-feira, 17 de março de 2014

Um Sonho de Liberdade

título original: The Shawshank Redemption
gênero: Drama, Policial
duração: 142 min
ano de lançamento: 1994
estúdio: Castle Rock Entertainment
direção: Frank Darabont
roteiro: Stephen King, Frank Darabont
fotografia: Roger Deakins
direção de arte: Terence Marsh

Década de 40, um banqueiro bem sucedido é preso com pena de pisão perpétua pela morte de sua mulher e seu amante. Sua vida muda radicalmente, lá ele passa a sofrer na mão de um grupo de presidiários e faz amizade com Red, um homem também condenado a prisão perpétua que controla o mercado negro do local.
Filmaço! Por mais que o roteiro pegue leve mostrando a cadeia como quase um lugar bom para se viver, o choque daquele homem letrado e correto com um mundo completamente diferente do seu é bem interessante. Toda as ironias que envolvem o final do filme e que, só então, você percebe que estavam ali desde o começo também são ótimas.
As atuações são bem colocadas, delicadas e intensas na medida certa. Tim Robbins te deixa o tempo todo com aquela dúvida de ser ou não o culpado e Morgan Freeman, esse para mim torna qualquer filme espetacular.
A fotografia dá o tom de mistério e sutileza perfeitos. Me lembrou um pouco "À Espera de Um Milagre".
Super recomendo e me arrependo muito de ter demorado tanto a assistir.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 6 de março de 2014

Clube de Compras Dallas

título original: Dallas Buyers Club
gênero: Drama
duração: 117 min
ano de lançamento: 2013
estúdio: Truth Entertainment
direção: Jean-Marc Vallée
roteiro: Craig Borten, Melisa Wallack
fotografia: Yves Bélanger
direção de arte: John Paino

Década de 80, Ron Woodroof, é um eletricista, cowboy, heterossexual que de repente se vê diagnosticado com AIDS em uma época em que tudo sobre a doença ainda era obscuro. Mesmo tendo apenas 30 dias de vida, segundo os médicos, Ron resolve buscar um tratamento alternativo ao oferecido pelo hospital e acaba criando uma operação de tráficos desses remédios.
Um dos filmes que eu mais gostei dessa leva do Oscar. O roteiro não é só um dramalhão sobre um personagem com uma doença terminal, na verdade esse é apenas o pano de fundo; a história trabalha com preconceito e interesses políticos e de grandes empresas.
Achei justíssimo Jared Leto e Matthew McConaughey terem ganham em suas respectivas categorias eles se entregaram de corpo (literalmente) e alma aos seus personagens.
Inclusive queria desenvolver aqui minha opinião sobre a disputa entre McConaughey e DiCaprio. Ambos para mim, caso ganhassem, seriam uma vitória justa. Mas por quê a Academia escolheu o primeiro então? Sim, eles dão preferência aqueles que passam por mudanças físicas para interpretar seus personagens e isso vai de gosto concordar ou não, eu no caso concordo. Mas o que vejo principalmente nos dois foi uma transformação de galã para "ator sério": DiCaprio começou cedo como galã e teve tempo para ir passando de um para outro as poucos, de maneira orgânica. Já McConaughey começou como galã em uma idade mais avançada e chegou a um ponto que continuava com seus filminhos água com açúcar, que logo mais não poderia continuar por não ter mais idade para ser galã, ou mudaria drasticamente sua carreira. E foi o último que aconteceu; acredito eu, isso chamou mais a atenção dos jurados do que a transformação gradual de DiCaprio. O vencedor mereceu pela mudança, o outro com certeza manterá o nível de boas atuações para ainda levar a sua estatueta.
A caracterização anos 80/Cowboy está bem colocada, a fotografia casa bem com um visual meio vintage e a trilha sonora acompanha o roteiro.
Com certeza vale muito assistir e é um dos poucos que não teve um ritmo um tanto arrastado esse ano.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 5 de março de 2014

Trapaça

título original: American Hustle
gênero: Drama, Policial
duração: 138 min
ano de lançamento: 2013
estúdio: Columbia Pictures
direção: David O. Russell
roteiro: Eric Warren Singer, David O. Russell
fotografia: Linus Sandgren
direção de arte: Judy Becker

Um trapaceiro e sua amante são forçados a trabalhar para o FBI Após serem descobertos. Eles são levados para o mundo da máfia e tráfico de influências, se envolvendo com pessoas muito mais perigosas do que estavam acostumados.
Achei o roteiro interessante, mas de alguma forma sinto que podia ter sido melhor trabalhado. A história parece lenta e sem um apelo que prenda a tenção.
O elenco atende as expectativas, mesmo assim não acho que estavam a altura de suas indicações ao Oscar, Christian Bale, por melhor que esteja, para mim, poderia ter sido facilmente substituído por Joaquin Phoenix de "Ela" na categoria Melhor Ator.
A trilha sonora é muito boa e junto a caracterização dos personagens situa bem o todo no tempo.
No todo achei superestimado.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb