quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Romeu + Julieta

título original: Romeo + Juliet
gênero: Drama, Romance
duração: 120 min
ano de lanmento: 1996
estúdio: Bazmark Films, Twentieh Century Fox Film Corporation
direção: Baz Luhrmann
roteiro: William Shakespeare, Craig Pearce, Baz Luhrmann
fotografia: Donald McAlpine
direção de arte: Catherine Martin

A famosa obra de Shakespeare passa nos dias de hoje e o cenário é Verona Beach.
Acho que releituras de obras clássicas devem ser feitas com muito cuidado, afinal está se mexendo em algo que é considerado perfeito em sua antiguidade.
Gosto bastante quando modernizam obras antigas, isso pode atrair novas pessoas a começarem a gostar de clássicos, mas por exemplo, uma coisa que me incomoda bastante nesse filme: toda a trama e personagens são desenvolvidos no âmbito moderno, mas as falas permanecem no modo antigo. O público que se ganhou com a pegada moderna, se perde com as falas, que acabam destoando do todo e deixando a história cansativa.
A fotografia tem um estilo meio vídeo-clipe, que dá mais dinâmica ainda ao filme.
Leonardo DiCaprio ainda viria a descobrir ser um bom ator, nessa época ainda era apenas um galãzinho.
Sinceramente, não gostei muito não. Vale por terem arriscado no estilo.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Réquiem Para Um Sonho

título original: Requiem for a dream
gênero: Drama
duração: 102 min
ano de lançamento: 2000
estúdio: Artisan Entertainment
direção: Darren Aronofsky
roteiro: Hubert Selby Jr., Darren Aronofsky
fotografia: Matthew Libatique
direção de arte: James Chinlund

Um casal sonha em ter um negócio próprio, o problema é que ambos são viciados em heroína, o que faz com que o rapaz penhore a TV da mãe com frequência. Já a mãe, é viciada em programas de televisão, até o dia em que é convidada a participar de um e passa a tomar remédios de emagrecimento para ficar bonita, e assim ela adquire um novo vício.
Com uma direção frenética, o filme passa uma visão perturbada sobre os vícios - de maneira em geral, sonhos e desesperos.
A fotografia e direção de arte acompanham perfeitamente o estilo do roteiro.
As interpretações são de primeira também, todas se casam fazendo com que os personagens estejam perfeitamente inseridos na trama.
Não é um filme para fugir da realidade, descontrair e se divertir, muito pelo contrário, você provavelmente acabará de ver o filme muito mais tenso do que começou.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Quero Ser Grande

título original: Big
gênero: Comédia, Fantasia
duração: 104 min
ano de lanmento: 1988
estúdio: Gracie Filmes, Twentieth Century Fox Film Corporation
direção: Penny Marshall
roteiro: Garry Ross, Anne Spielberg
fotografia: Barry Sonnenfeld
direção de arte: Santo Loquasto

Em um parque de diversões, um garoto de 12 anos pede em uma máquina de desejos ser grande. No dia seguinte, ele vê que seu pedido foi atendido e, mesmo ainda sendo uma criança por dentro, terá de enfrentar o mundo  dos adultos.
Quem nunca viu esse filme na Sessão da Tarde?
Tom Hanks novinho de tudo, naquela cena clássica tocando teclado com os pés!
Leve, alegre e com uma pegada: mesmo crescendo, nunca acabe com sua criança interior.
Ótimo para refrescar a cabeça das preocupações do dia a dia.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Quebrando a Banca

título original: 21
gênero: Drama, Ação
duração: 123 min
ano de lanmento: 2008
estúdio: Columbia Pictures
direção: Robert Luketic
roteiro: Peter Steinfeld, Allan Loeb, Ben Mezrich
fotografia: Russell Carpenter
direção de arte: Missy Stewart

Ben, um garoto super dotado que estuda no MIT, está precisando de grana para pagar a faculdade, quando é convidado a integrar um grupo que viaja todos os finais de semana para Las Vegas afim de ganhar muito dinheiro. Os problemas passam a surgir quando bem resolve testar seus limites.
Eu adoro jogos de carta, morro de vontade de conhecer Vegas e, se não fosse pela minha incapacidade com matemática, acharia bem interessante aprender a contar cartas. A partir daí podem imaginar o quanto gostei do roteiro.
O elenco "universitário" até que atende as expectativas, mas como sempre, é Kevin Spacey que leva muito a sério a interpretação.
É uma história bem dinâmica, por isso, é importante prestar bem atenção para entender os sinais trocados entre eles, mas no todo atende ao público que procura diversão.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

Lincoln

título original: Lincoln
gênero: Drama
duração: 150 min
ano de lançamento: 2012
estúdio: DreamWorks SKG
direção: Steven Spielberg
roteiro: Tony Kushner, Doris Kearns Goodwin
fotografia: Janusz Kaminski
direção de arte: Rick Carter

A história do presidente americano Abraham Lincoln e de como, durante a Guerra de Secessão, ele lutou para aprovar a 13ª Emenda.
Se fosse para definir esse filme em uma palavra, para mim seria: superestimado.
Daniel Day-Lewis está ótimo? Com certeza, mas porque ele é um ator de alta qualidade, não há como saber se ele foi fiel as características de seu personagem.
A fotografia é bem bacana, mas o roteiro é conduzido de uma maneira que deixa o telespectador cansado.
Porém, o que mais me incomodou aqui foi a colocação de Lincoln como herói, sendo que, em algumas cenas vê-se claramente que a 13ª Emenda foi uma jogada política e que ele não concordava de todo com a igualdade racial. Além do mais, o processo de arrecadação de votos a favor não foi praticamente um mensalão?
Não conheço profundamente a história americana para analisar, mas vejo como uma leiga, assim como acredito que seja 80% da população brasileira que assistiu a esse filme.
Dessa vez não farei post sobre o Oscar, pois não consegui ver nem metade dos que concorriam, mas vale colocar um parecer aqui pois, Lincoln era cogitado como um dos favoritos e acabou saindo como o grande perdedor por levar apenas 2 das 12 indicações. Achei justo. Única estatueta que achei MUITO errada foi de melhor atriz para Jennifer Lawrence em "O Lado Bom da Vida"; sério? Esse filme nem deveria estar concorrendo ao Oscar.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Pulp Fiction - Tempo de Violência

título original: Pulp Fiction
gênero: Ação
duração: 154 min
ano de lançamento: 1994
estúdio: Miramax Films
direção: Quentin Tarantino
roteiro: Quentin Tarantino, Roger Avary
fotografia: Andrzej Sekula
direção de arte: David Wasco

Vemos aqui três histórias sendo contadas sem ordem cronológica. Em uma, dois mafiosos fazem cobranças a mando do chefe. Em outra, um desses mafiosas deve levar a mulher do chefe para se divertir em quanto viaje. Na última, um pugilista foi comprado pelo chefe para  perder a luta, mas não cumpriu o trato e agora deve sofrer as consequências.
Um dos meus filmes favoritos do Tarantino, se não for o mais favorito de todos.
A ordem não cronológica e dinâmica, a fotografia forte, a trilha sonora perfeita e os diálogos que podem te levar a uma tese de mestrado, de tantas referências embutidas. Acredito que aqui o perfil e estilo do diretor passam a ficar bem característicos e definidos.
Samuel L. Jackson está hilário e John Travolta, para mim,  faz a melhor interpretação de sua carreira.
São tantas falas, músicas e cenas marcantes que com certeza você ficará repetindo-as por muito tempo, quiçá para sempre.
Obrigatório sem sombra de dúvida.

CLASSIFICAÇÃO: MARAVILHOSO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Muito Além do Peso

gênero: Documentário
duração: 84 min
ano de lançamento: 2012
estúdio: Maria Farinha Filmes
direção: Estela Renner
fotografia: Renata Ursaia

Pela primeira vez na história da humanidade crianças vêm apresentando doenças de adultos, como colesterol alto, diabetes e pressão alta. Esse documentário discute a obesidade infantil no Brasil e o que pode ser feito por parte de pais, governo e escolas para que isso mude.
Os dados são alarmantes, mas é muito importante que todos tenham acesso a eles.
Esse documentário aborda de maneira clara e dinâmica o problema da obesidade infantil e todos os seus possíveis culpados.
Interessante observar como o costume de se alimentar por fast foods não só afeta os grande centro urbanos, mas também regiões afastadas do país.
Quer assistir? Tem inteiro no Youtube e eu o coloquei abaixo.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO


Poster e Ficha Técnica: Site oficial


sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

MIB³ - Homens de Preto 3

título original: Men in Black 3
gênero: Ficção Científica, Comédia
duração: 106 min
ano de lanmento: 2012
estúdio: Columbia Pictures
direção: Barry Sonnenfeld
roteiro: Etan Cohen, Lowell Cunningham
fotografia: Bill Pope
direção de arte: Bo Welch

No passado, o agente K capturou Boris, o Animal. Mas esse conseguiu fugir da prisão lunar e pretende recuperar seu braço perdido na captura e acabar com K através de uma viagem no tempo. Para evitar que isso aconteça, o agente J também terá que voltar no tempo, o que o levará a descobrir segredos.
Melhor do que o segundo, talvez tão bom quanto o primeiro. Mas, com certeza, com uma pegada diferente de ambos.
É cheio de ETs bizarros e tem um humor de primeira, mas a pegada de voltar no tempo e mostrar a origem dos perfis de ambos os agentes dá um toque mais sentimental ao filme.
Josh Brolin deve ter estudado minuciosamente todos os trejeitos e expressões de Tommy Lee Jones, pois ficou bastante parecido.
Vale a pena com certeza, principalmente pelas piadas racistas que o próprio Will Smith faz consigo mesmo - atenção para a cena em que ele vai ao apartamento do K. ;)

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

MIB - Homens de Preto 2

título original: Men in Black II
gênero: Comédia, Ficção Científica
duração: 88 min
ano de lançamento: 2012
estúdio: Columbia Pictures Corporation
direção: Barry Sonenfeld
roteiro: Lowell Cunningham, Robert Gordon, Barry Fanaro
fotografia: Greg Gardiner
direção de arte: Bo Welch

Com um ataque iminente a Terra, J resolve ir em busca a ajuda do seu ex-parceiro K, que se aposentou, teve a memória apagada e agora trabalha nos Correios. Para isso, J terá que recuperar a memória dele.
Assumo que não me lembro muito de detalhes desse roteiro, claramente não foi tão marcante quanto o primeiro "MIB - Homens de Preto".
Mesmo assim, tem um bom uso do que funcionou no primeiro como o humor e os efeitos.
Dá para se divertir, mas é um daqueles filmes que poderia sair direto na TV.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

O Lado Bom Da Vida

título original: Silver Linings Playbook
gênero: Drama, Romance
duração: 98 min
ano de lançamento: 2012
estúdio: The Weinstein Company 
direção: David O. Russell
roteiro: David O. Russell, Matthew Quick
fotografia: Masanobu Takayanagi
direção de arte: Judy Becker

Ao perder tudo na vida, Pat vai parar em um sanatório. Oito meses depois ele sai e vai morar com seus pais, decidido a reconstruir sua vida, inclusive, reconquistar sua esposa. Mas seus planos passam a mudar quando conhece Tiffany, uma garota que compartilha dos seus problemas.
História cativante, que foge um pouco das lições de moral, e que, por mais que possa dar a idéia de "filmes onde a dança salva a vida das pessoas", não é.

Não é um filme sobre ser feliz e tudo dar certo na sua vida. É mais real, mas não dramático, exagerado para te fazer sofrer.
A fotografia me pareceu acompanhar os sentimentos dos personagens principais, nos momentos em que ele está mais triste há uma tonalidade azulada, quando ele está melhor as cores ficam mais quentes.
Não sabia que o Robert De Niro estava no elenco até ver o filme. Adoro ele, e é interessante como o personagem é é temperamental de forma meio velada.
Gostei no todo mas não acho que seja para Oscar.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

MIB - Homens de Preto

título original: Men In Black
gênero: Ficção Científica, Comédia
duração: 98 min
ano de lançamento: 1997
estúdio: Columbia Pictures Corporation
direção: Barry Sonnenfeld
roteiro: Lowell Conningham, Ed Solomon
fotografia: Donald Peterman
direção de arte: Bo Welch

MIB é uma organização secreta que investiga atividades alienígenas na Terra. O agente J é um recém contrato que formará dupla com o agente K para investigar um possível ataque extraterrestre.
Sem dúvida um dos grandes sucessos da década de 90. Eu não cansei de ver esse filme durante toda a minha infância.
Hoje em dia pode-se ver vários defeitos, mas na época a tecnologia usada para criar os ETs e todos os efeitos era de encher os olhos.
O que dá o tom da graça ao roteiro é a mistura da sisudez do personagem de Tommy Lee Jones com o esculacho de Will Smith.
Com certeza um filme que arranca gargalhadas até hoje.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Edukators - Os Edukadores

título original: Die fetten Jahre sind vorbei
gênero: Ação
duração: 127 min
ano de lanmento: 2004
estúdio: Y3 Film
direção: Hans Weingartner
roteiro: Katharina Held, Hans Weingartner
fotografia: Daniela Knapp, Matthias Schellenberg
direção de arte: Christian M. Goldbeck

Três jovens realizam protestos pacíficos entrando na casa de pessoas ricas, mudando os móveis de lugar e deixando mensagens. Só que, em uma das vezes, um deles esquece o celular na casa e ao voltarem para buscar encontram com o dono da casa.
Gosto muito do cinema alemão, principalmente por terem no geral uma veia de crítica política muito forte. Não foi diferente com esse, apesar do idealismo muito caricato dos três ter me irritado um pouquinho.
Acho incrível como Daniel Brühl está para Alemanha assim como Ricardo Dárin está para a Argentina, existe algum filme dos respectivos países sem esses atores? =P
A fotografia e a trilha sonora são muito bem trabalhadas.
Só queria que o final tivesse terminado um pouco antes deixando um certo suspense.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Jogos Vorazes

título original: The Hunger Games
gênero: Ação, Aventura
duração: 142 min
ano de lançamento: 2012
estúdio: Lionsgate
direção: Gary Ross
roteiro: Gary Ross, Suzanne Collins, Billy Ray
fotografia: Tom Stern
direção de arte: Philip Messina

No futuro, a América do Norte está dividida em 12 distritos e uma capital. Todo ano é realizado um reality show onde cada distrito disponibiliza dois jovens para competirem até a morte. 
Vi muita gente lendo a saga, pensei que seria mais um Crepúsculo, ou até mesmo Harry Potter, mas achei que não eu não faria parte do público e não me interessei. Daí que esse final de semana o namorado falou de vermos e topei, sem pretensão nenhuma - e me surpreendi.
Lógico que não é a mais nova obra prima do cinema, apesar de ter uma fotografia interessante, uma dinâmica bacana e um roteiro que me surpreendeu.
Não é uma história para criancinhas, é pesado e forte. [SPOILER/] Caramba, são crianças se matando no puro instinto de sobrevivência! [\SPOILER]
Além do que, tem uma boa crítica a esse voyerismo intrínseco no ser humano. De gostar de acompanhar a vida alheia e apesar de se sentir horrorizado com as notícias de violência, sempre procura se aprofundar mais no que aconteceu e etc (não é atoa que Datena, por exemplo tem tanta audiência, mas estou divagando demais).
Mas ao todo, gostei. Inclusive fiquei curiosa em ler os livros. 

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Primo Basílio

gênero: Drama
duração: 106 min
ano de lançamento: 2007
estúdio: Globo Filmes
direção: Daniel Filho
roteiro: Rafael Dragaud, Eça de Queirós, Daniel Filho, Euclydes Marinho
fotografia: Nonato Estrela
direção de arte: Marcos Flaksman

Adaptado da obra de Eça de Queirós, o filme conta a história de Luísa, casada com Jorge - um engenheiro envolvida na construção de Brasília, que reencontra uma paixão da juventude: seu primo Basílio e passa a ter um caso com ele. As coisas se complicam quando a empregada, Juliana, descobre e passa a chantageá-la.
Por se tratar de uma obra clássica, achei que deixaram um pouco de lado o clima de tensão de suspense do roteiro para focar muito no erotismo entre Luísa e Basílio, não que não fosse necessário, mas poderia ser mais amenizado - levando em conta que, até onde me lembro, no livro não há descrição da intimidade dos dois.
Para um filme de apenas 5 anos atrás achei a filmagem meio precária, a novelas na Globo melhor filmadas.
Das interpretações só destaco a de Glória Pires, extremamente ignorante e malvada. (sua maquiagem também está muito bem feita)
Por fim, sempre acho arriscado levar as telas clássicos literários, não foi diferente com esse.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Perfume de Mulher

título original: Scent if a Woman
gênero: Drama
duração: 157 min
ano de lançamento: 1992
estúdio: Universal Pictures
direção: Martin Brest
roteiro: Giovanni Arpino, Bo Goldman, Ruggero Maccari, Dino Risi
fotografia: Donald E. Thorin
direção de arte: Angelo Graham

Um tenente cego viaja a Nova York com um jovem acompanhante na intenção de ter um final de semana inesquecível antes de morrer. Porém, nesse período ele passa a se interessar pelos problemas do jovem e deixar sua amarguras de lado.
A versão hollywoodiana da versão italiana de 1974 é bem mais comercial e dinâmica, mas não menos sentimental e romântica.
Chris O'Donnell não surpreende muito, mas Al Pacino como sempre está perfeito.
A cena do Tango é de chorar de linda e duvido que você não fique dias com essa música na cabeça.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

P.S. Eu Te Amo

título original: P.S. I Love You
gênero: Drama, Romance
duração: 126 min
ano de lançamento: 2007
estúdio: Alcon Entertainment
direção: Richard LaGravenese
roteiro: Richard LaGravenese, Steven Rogers, Cecelia Ahern
fotografia: Terry Stacey
direção de arte: Shepherd Frankel

Holly e Gerry são casados e completamente apaixonados. Porém, Gerry morre deixando Holly sem rumo na vida; o que ela não esperava é que ele tivesse planos para ela após a sua partida.
Sim, é um filme extremamente melodramático. O que faz com que ele ganhe valor? Pois não tem, parcialmente, o "e foram felizes para sempre". Na verdade, ele já começa com o final feliz indo pro espaço.
Gerard Butler é o cara perfeito para o papel e ele e Hilary Swank têm uma ótima sintonia. Destaque para Harry Connick Jr. que garante as risadas do filme.
A fotografia é bacana, serena e bucólica.
Enfim, um filme bem romântico que me fez chorar baldes.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Um Peixe Chamado Wanda

título original: A Fish Called Wanda
gênero: Comédia
duração: 108 min
ano de lançamento: 1988
estúdio: Metro-Goldwyn-Mayer (MGM)
direção: Charles Crichton
roteiro: John Cleese, Charles Crichton, 
fotografia: Alan Hume
direção de arte: Roger Murray-Leach

Wanda, uma sensual americana, junto do seu amante inglês - e do seu amante americano - planejam um roubo de jóias. Quando as coisas não saem bem como planejado, ela resolve seduzir o correto advogado do caso.
Uma sátira aos perfis e costumes tanto americanos quanto ingleses. Esses charlatões fazem de tudo para conseguir o que querem, menos o certo.
Uma comédia de erros, onde você encontra Kevin Kline em um papel extremamente caricato, e burro, e Michael Palin - com seu personagem gago e defensor dos animais -  inserido em praticamente todas as melhores cenas do filme, principalmente  a sequência em que tenta assassinar a velhinha.
Não sei se é por ter dois de seus membros nesse filme, mas remete bastante as obras de Monty Phyton
Não é para rir o tempo todo, mas para rir na hora certa. ;)

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Outono em Nova York

título original: Autumn in New York

gênero: Drama
duração: 103 min 
ano de lançamento: 2000
estúdio: Metro-Goldwyn-Mayer (MGM)
direção: Joan Chen
roteiro: Allison Burnett
fotografia: Changwei Gu
direção de arte: Mark Friedberg

Um playboy cinquentão sempre teve como meta nunca ter um compromisso sério, até conhecer uma jovem com quem ele achava que só teria um caso. Eles se apaixonam, ele passa a querer ficar com ela, mas ela tem um motivo para não levar isso adiante.
Um típico filme mulherzinha, cheio de amor, mimimis e com Richard Gere de galã. A diferença aqui é que apelam bastante para questões muito emocionais para tentar dar mais profundidade ao enredo.
Na época em que vi achei lindo, hoje vejo que é só mais um daqueles filmes feitos para te fazer chorar de amor e de tristeza.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Os Embalos de Sábado à Noite

título original: Saturday Night Fever
gênero: Drama
duração: 118 min
ano de lançamento: 1977
estúdio: Robert Stigwood Organization
direção: John Badham
roteiro: Nick Cohn, Norman Wexler
fotografia: Ralf D. Bode
direção de arte: Charles Bailey

Tony é um jovem do Brooklyn que tem um trabalho enfadonho em uma loja de tintas, mas que realmente só encontra sentido e prazer na vida quando dança.
Um ótimo filme para descrever uma década e com uma trilha sonora contagiante, de todo o resto não me atraiu muito.
A pouca trama existente é desenvolvida de maneira muito arrastada, e John Travolta - que ainda estava aprendendo a interpretar - personifica um rapaz que para muitos durante muito tempo foi como um herói, mas que deveria ser bem pelo contrário, afinal, além de ser alguém sem perspectivas e que não faz nada para mudar, ainda achei um pouco demais colocarem o "mocinho" estuprando uma moca em uma cena.
Acho que fui com muitas expectativas,  mas no final das contas é só um filme que descreve de uma época.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Orgulho e Preconceito

título original: Pride & Prejudice
gênero: Romance
duração: 127 min
ano de lançamento: 2005
estúdio: Focus Features
direção: Joe Wright
roteiro: Jane Austen, Debora Moggach, Emma Thompson
fotografia: Roman Osin
direção de arte: Sarah Greenwood

Baseado na obra homônima de Jane Austen, esse filme conta a história de cinco irmãs que receberam de sua mãe a educação de que, para ter um bom futuro, deve-se arrumar um marido. Porém Elizabeth, com o apoio do pai, almeja mais da vida do que apenas um casamento.
Parece uma história simples, mas a crítica que há a criação dada na época é forte. Elizabeth é uma das primeiras figuras ficcionais genuinamente feminista, sem deixar sua "meninice" de lado. 
A obra de Austen foi muito bem retratada, principalmente as características da sociedade da época, que ela gosta tanto de salientar.
A fotografia é leve, linda e bucólica, complementando perfeitamente a história.
Quanto a personagem principal, acho que Keira Knightley faz caretas demais, pro meu gosto, mas ao mesmo tempo ela se encaixa muito bem em personagens de época, inclusive não consigo vê-la em outro tipo de papel.
Gosto muito das obras de Austen e acho que fizeram justiça a ela nesse filme, sem contar que é um romance com conteúdo e belo.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb