sexta-feira, 28 de setembro de 2012

O Chamado 2

título original: The Ring 2
gênero: Terror
duração: 110 min
ano de lançamento: 2005
estúdio: DreamWorks SKG
direção: Hideo Nakata
roteiro: Ehren Kruger, Kôji Suzuki, Hiroshi Takahashi
fotografia: Gabriel Baristain
direção de arte: Jim Bissell

Rachel e Aidan mudam-se de cidade para tentar recomeçar a vida. Mas, seis meses após os terríveis acontecimentos, a fita reaparece e Samara retorna e recomeçam as mortes.
Apesar de terror estilo B, "O Chamado" funcionou, bombou e fez sucesso. Na época eu adorava, hoje vejo que realmente não era lá tanta coisa.
Mas como todo filme que faz muito sucesso, o que fizeram? Uma continuação. E essa, que estou comentando no momento, reutiliza a fórmula do primeiro, de uma maneira já um pouco batida e tendo vários furos na própria história e em relação ao primeiro da franquia.
Podiam ter parado no um, acho esse bem dispensável.

CLASSIFICAÇÃO: RUIM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

O Código da Vinci

título original: The Da Vinci Code
gênero: Suspense, Policial
duração: 149 min
ano de lançamento: 2006
estúdio: Columbia Pictures, Imagine Entertainment
direção: Ron Howard
roteiro: Dan Brown, Akiva Goldsman
fotografia: Salvatore Totino
direção de arte: Allan Cameron

Robert Langdon é um historiador que é chamado para investigar o assassinato de um curador do Louvre. Logo ele passa a encontrar símbolos estranhos e códigos secretos escondidos nas obras de Da Vinci que lhe levam a acreditar na existência de uma sociedade secreta que guarda um grande segredo.
Não vou entrar no mérito do livro. É o tipo de coisa que não tem como discutir, eu pelo menos nunca assisti uma adaptação que fosse melhor que o livro, no máximo no mesmo nível.
Sim, o roteiro acaba deixando alguns detalhes do livro de lado, mas para um filme policial - e comercial - é sim um ótimo entretenimento. Mistura aí um pouco de polêmica por contestar fatos religiosos, constrói uma trama que deixa o espectador ligado, e cheio de dúvidas, do começo ao fim e ainda apresenta a um público talvez leigo muitas obras e fatos históricos.
Uma única coisa que me decepcionou foi a escolhe de Tom Hanks para o personagem principal, por mais que ele seja um ótimo ator, para mim, ele não combinou com o perfil descrito no livro.
Prende a atenção, de certa forma instrui e entretém. Acho uma boa pedida.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

O Bebê de Rosemary


título original: Rosemary's Baby
gênero: Terror, Suspense 
duração: 136 min 
ano de lançamento: 1968 
estúdio: William Castle Productions 
direção: Roman Polanski 
roteiro: Ira Levin, Roman Polanski 
fotografia: William A. Fraker 
direção de arte: Richard Sylbert

Ao mudar-se para um novo apartamento em Nova York, Rosemary e seu marido passam a ter sua vida invadida por um casal de idosos vizinhos. Rosemary, que está grávida, acha estranho aquele protecionismo que os vizinhos tem sobre seu bebê.
Comecemos a análise pelo seguinte ponto: eu, dos meus 11 aos 14 anos mais ou menos, era viciada em filmes de terror, praticamente só assistia filmes desse gênero. Estamos falando de "Pânico", "Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado" e afins nesse nível.
Meu pai, vendo meu interesse pelo gênero, resolveu me indicar alguns clássicos. Entre eles esse e "O Exorcista".
Qual o problema? Nessa idade e adorando filmes desse tipo, vocês acham que eu tinha uma construção intelectual suficiente para lidar com um filme desses? É lógico que não!
Não voltei a assistir, mas o que me ficou marcado foi: lembro que o achei muito comprido e arrastado, que fui esperando um filme cheio de sangue e sustos e encontrei uma obra que trabalhava muito mais do que isso, e "muito menos" do que eu queria. Enfim, fiquei frustrada na época.
Hoje vejo que, para a época, um roteiro que trabalhava o satanismo, seus cultos e oferendas, poderia ser muito chocante. Além disso, há todo um trabalho sobre a alta sociedade nova iorquina e a capacidade de aceitar qualquer coisa para entrar nesse nicho.
Mia Farrow é o grande destaque aqui, não só por ser a personagem principal, mas por ser quem segura e conduz o suspense do filme.
Com certeza um clássico do gênero, que um dia me darei o direito de ver novamente.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

O Anjo Malvado


título original: The Good Son
gênero: Terror, Suspense
duração: 87 min 
ano de lançamento: 1993
estúdio: Twentieth Century Fox Film Corporation
direção: Joseph Ruben
roteiro: Ian McEwan
fotografia: John Lindley
direção de arte: Bill Groom

Mark vai morar com os tios após a morte de sua mãe. Mas nessa nova casa descobre que seu primo, Henry, tem uma índole muito má. O difícil será fazer os adultos acreditarem nele.
Eu era muito criança quando esse filme passava na Tela Quente e meus pais não me deixavam assistir. No dia em que alcancei esse direito, fiquei em choque. Como uma criança podia ser tão ruim? Não dormi a noite, poderia ter esperado um pouco mais.
De qualquer maneira, é um roteiro forte - apesar de achar um pouco forçado (volto a pergunta, eu que sou muito inocente ou realmente é muito absurdo pensar em crianças com esse nível de maldade?).
Acredito que o que pode mais ser valorizado nesse filme são as interpretações incríveis dos, então atores infantis. Macaulay Culkin e Elijah Wood. Culkin mergulhou tanto no personagem que tenho cá minha dúvidas se isso não ajudou que ele virasse o ser bizarro que é hoje em dia.
Vale assistir se passar ainda na TV de vez em quando.

CLASSICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb


sexta-feira, 21 de setembro de 2012

O Ano Em Que Meus Pais Saíram De Férias


gênero: Drama
duração: 104 min 
ano de lançamento: 2006
estúdio: Miravista, Globo Filmes
direção: Cao Hamburguer 
roteiro: Adriana Falcão, Cao Hamburguer
fotografia: Adriano Goldman
direção de arte: Cassio Amarante

Em 1970, Mauro é obrigado a ir passar um tempo com seu avô pois os pais dizem que vão tirar férias, mas na verdade estão fugindo do país por serem de esquerda e estarem sendo perseguidos. Mas, seu avô passa por problemas de saúde e ele tem que ir morar com o vizinho dele, um judeu muito solitário.
Ditadura é um tema muito recorrente dentro do cinema nacional, mas aqui a vemos sendo trabalhada de uma maneira diferenciada. A visão da criança sobre os fatos é muito interessante, ela não entende mas percebe que algo está estranho.
Não é somente esse ponto histórico que é trabalhado, mas aquele menino mineiro indo para uma cidade maior, tendo que lidar com isso sem os pais por perto e convivendo com a cultura judaica, que até então era desconhecida para ele. Todo o novo e o amadurecimento precoce que ele é obrigado a ter compõem esse roteiro simples, mas sofisticado.
Com uma fotografia agradável e bucólica e uma trilha sonora que se encaixa perfeitamente à trama, arrisco dizer que é um dos melhores filmes atuais do cinema nacional.
Recomendo quase como obrigatório.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb


quinta-feira, 20 de setembro de 2012

O Apanhador de Sonhos

título original: Dreamcatcher
gênero: Terror, Ficção Científica
duração: 136 min 
ano de lançamento: 2003
estúdio: NPV Entertainment, Castle Rock Entertainment
direção: Lawrance Kasdan 
roteiro: Stephen King, William Goldman, Lawrence Kasdan
fotografia: John Seale
direção de arte: John Hutman

Após salvarem um garoto com síndrome de Down de um grupo de vândalos, quatro amigos ganham poderes telepáticos. Muitos anos depois, ao ficarem presos em uma nevasca, coisas estranhas começam a acontecer.
Por ser baseado em um livro do Stephen King, eu esperava outra coisa. O roteiro ficou um pouco fraco e meio sem pé nem cabeça. Tentam colocar um suspense meio sobrenatural, que vira extraterrestre, não colou pra mim.
Os atores também parecem um pouco perdido em seus personagens.
Ouvi dizer que o livro é legal, quem quiser pagar pra ver recomendo então que leia no lugar de assistir.

CLASSIFICAÇÃO: RUIM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Corações Sujos

gênero: Drama
duração: 90 min 
ano de lançamento: 2011
estúdio: Mixer, Globo Filmes
direção: Vicente Amorim 
roteiro: David França Mendes, Fernando Morais
fotografia: Rodrigo Monte
direção de arte: Daniel Flaksman

O final da Segunda Guerra Mundial foi marcado pela tratado de rendição assinado pelo imperador japonês aos EUA. No Brasil isso não marcou o final da violência, muito pelo contrário. Dentro da comunidade nipônica no interior de SP quem acreditava na notícia era chamado de "Coração Sujo" e perseguido pelos outros que idolatravam o imperador. Takahashi se torna um vingador e atacar aqueles que não acreditam que o Japão foi derrotado na guerra.
Trama completamente diferente do que estamos acostumados a ver no cinema nacional. Normalmente vemos filmes sobre favelas, pobreza, sertão. Nesse nos deparamos com a imigração japonesa para o Brasil.
É bem interessante a maneira como abordam a cultura japonesa, a questão do nacionalismo e do orgulho ferido.
Porém, a trama é muito arrastada parece que a história não desenvolve tudo que poderia. Acredito que poderia aprofundar mais nesse ponto do orgulho de outra maneira além do um matando outro.
Entretanto a fotografia é linda, um desfoque muito bem trabalhado que trás uma delicadeza a um tema pesado.

A história é baseada em fatos reais, mas acho que isso não foi incorporado a história brasileira e, portanto, não a estudamos nas escolas. Isso ajuda a aumentar a sensação que tenho de que o filme não tem ligação com o Brasil, se for ver nada situa muito o país na trama, poderia ser em qualquer lugar.
Eduardo Moscovis aparece pra caramba no trailer mas não participa tanto do filme.
Acho que fui esperando muito e acabei de me decepcionando, mas tinha potencial para ter mudado a cena nacional de cinema.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Ted

título original: Ted
gênero: Comédia
duração: 106 min 
ano de lançamento: 2012
estúdio: Universal Pictures
direção: Seth MacFarlane 
roteiro: Seth MacFarlane, Alec Sulkin, Wellesley Wild
fotografia: Michael Barrett
direção de arte: Stephen J. Lineweaver

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb



segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Intocáveis

título original: Intouchables
gênero: Comédia, Drama
duração: 112 min 
ano de lançamento: 2011
estúdio: TF1 Films Production, Quad Productions
direção: Olivier Nakache, Eric Toledano 
roteiro: Olivier Nakache, Eric Toledano
fotografia: Mathieu Vadepied

Driss atende a um anúncio de emprego em busca de apenas uma assinatura para receber o seguro-desemprego, acaba com um mês de teste como auxiliar na casa do milionário tetraplégico Philippe. Dessa união incomum nascerá uma grande amizade.
Agradeço todos os dias por uma amiga ter me forçado a assistir esse filme, ela nunca foi muito boa nas escolhas, mas nessa acertou em cheio.
De cara parece um drama, ainda mais contando que é um filme francês, entrei na sala achando que seria algo super papo cabeça. Me deparei com uma trama super original e que mescla sim um pouco de drama com comédia.
As piadas têm um pézinho no humor negro, mas nada preconceituoso ou ofensivo.
As interpretações são de primeira linha e a trilha sonora é simplesmente incrível.

A fotografia é mais comercial, não me lembrou em nada o que estou acostumada a ver de cinema francês. Mesmo assim continua linda e casando perfeitamente com a trama.
Daqueles filmes que sempre que passar na TV vou ver.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

domingo, 16 de setembro de 2012

Na Trilha da Fama

título original: Raise your voice
gênero: Romance 
duração: 103 min 
ano de lançamento: 2004 
estúdio: New Line Cinema 
direção: Sean McNamara 
roteiro: Mitch Rotter, Sam Shreiber 
fotografia: John R. Leonetti 
direção de arte: Joseph T. Garrity

Uma garota de interior, que nunca saiu de sua cidade, resolve passar as férias em uma escola de artes em los Angeles. Junto dessa nova experiência vem a oportunidade de correr atrás do sonho de ser uma grande cantora.
Filme para adolescentes, se não está nessa faixa etária já há grandes chances de não gostar. Mas eu acredito que não é porque um filme é feito para um público jovem que o roteiro deva ser raso e óbvio, o que acontece aqui.
Sofrimento que se transforma em forças para lutar por um sonho. Bobinho, mas quem sabe se a única outra opção na TV for Faustão, assista.

CLASSIFICAÇÃO: RUIM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sábado, 15 de setembro de 2012

Moulin Rouge! Amor em Vermelho


título original: Moulin Rouge!
gênero: Musical, Romance
duração: 127 min 
ano de lançamento: 2001 
estúdio: Twentieth Century Fox Film Corporation 
direção: Baz Luhrmann 
roteiro: Baz Luhrmann, Craig Pearce 
fotografia: Donald McAlpine 
direção de arte: Catherine Martin

Christian é um jovem escritor que resolve se mudar para um bairro boêmio de Paris. Lá ele recebe o apoio de Toulouse-Latrec para conhecer os costumes e entretenimentos da região. Ao conhecer o Moulin Rouge ele logo se apaixona por sua maior estrela, Satine.
As cores, fotografia e direção de arte são plasticamente muito parecidas com outro filme do mesmo diretor: "Romeu + Julieta".
A história é muito romântica e melosa para o meu gosto, não deixa de ser interessante, mas acredito que poderia ter uma menor duração.
Não está entre meus musicais favoritos, mas não podemos negar que tem uma trilha sonora de encher os ouvidos.
Ewan McGregor é daquele tipo de galã que fica bem desde um escritor bonzinho até um drogado a beira da morte. Já Nicole Kidman, para mim, tem que comer muito arroz e feijão para talvez ter um pouco de sensualidade; a considero muito inexpressiva e sem sal.
Pode ser bem interessante, mas ainda fica faltando algo para dar a liga completa.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Menina Santa


título original: La Niña Santa
gênero: Drama
duração: 106 min 
ano de lançamento: 2004
estúdio: El Deseo S.A. 
direção: Lucrecia Martel 
roteiro: Lucrecia Martel, Juan Pablo Domenech
fotografia: Félix Monti

Amalia e Josefina, duas amigas de 16 anos, uma de uma família muito conservadora e a outra vive coma mãe divorciada que dirige um hotel. Certo dias elas conversam sobre fé, vocação e sentimentos. Quando Amalia conhece um dos médicos que está em uma conferência no hotel que a mãe trabalha, ela descobre sua vocação: salvar os homens do pecado.
Vejo aqui uma intenção de traçar com o roteiro um paralelo entre o que é santificado e o que é pecaminoso pelas maneiras de agir das duas principais personagens, até mesmo uma certa ironia em cima da fé e das doutrinas religiosas.
Porém, a história onde se passa isso que disse acima acaba ficando um tanto quanto sem pé nem cabeça e extremamente arrastado e enfadonho.
Foi um dos meus primeiros contatos com cinema argentino e não causou uma boa impressão. Ainda bem que mudei de opinião.

CLASSIFICAÇÃO: RUIM

Ficha Técnica: IMDb


quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Menina de Ouro


título original: Million Dolar Baby
gênero: Drama
duração: 132 min 
ano de lançamento: 2004
estúdio: Lakeshore Entertainment 
direção: Clint Eastwood 
roteiro: Paul Haggis, F.X. Toole
fotografia: Tom Stern
direção de arte: Henry Bumstead

Maggie, uma moça que sonha em ser boxeadora, vai em busca de Frankie, que agenciou e treinou grandes nomes do boxe. Ele é um homem muito fechado e que não aceita treinar mulheres, mas ela passa a treinar diariamente em sua academia para provar a ele que, ao contrário do que acha, ela é capaz.
Roteiro muito emocionante e dramático. Talvez possa soar um pouco moralista para alguns, por tentar passar mensagens de quem persiste alcança e coisas do tipo, mas mesmo pra quem não gosta desse tipo de roteiro, ou de boxe, duvido que não se emocione ao menos um pouco com essa história.
A direção, e interpretação, de Clint Eastwood é impecável. O mesmo pode se dizer de Morgan Freeman e eu seria capaz de endeusar Hilary Swank por esse papel.
Direção de arte e fotografia dão a trama o toque suficiente a mais de drama necessário para tudo ficar perfeito.
Por fim, o final, é tudo que o filme terminar de maneira espetacular. Eu não confio em pessoas que não se emocionaram pelo menos um pouco com a maneira que esse filme termina.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb


quarta-feira, 12 de setembro de 2012

O Homem do Futuro


gênero: Comédia, Fantasia
duração: 106 min 
ano de lançamento: 2011
estúdio: Conspiração Filmes, Globo Filmes 
direção: Cláudio Torres
roteiro: Cláudio Torres
fotografia: Ricardo Della Rosa
direção de arte: Yurika Yamasaki

Um cientista, que na época da faculdade foi humilhado em público pela garota que amava, consegue através de um acelerador de partículas criar uma máquina do tempo e voltar no fatídico dia para mudar sua história.
Diria que é uma versão tupiniquim de "Efeito Borboleta" só que com uma veia mais engraçada.
O roteiro é bem previsível e chega um momento em que não se aguenta mais ouvir "Tempo Perdido", nem mesmo pra mim que sou apaixonada por Legião Urbana.
Alinne Moraes, Wagner Moura, Fernando Ceylão e Maria Luísa Mendonça dão uma liga bacana e conduzem bem a história.
Apesar de ter uma fórmula um pouco óbvia, foge dos padrões do cinema nacional, tem efeitos especiais bacanas e uma trilha sonora condizente ao roteiro.
Vale a diversão.

CLASSIIFCAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb


terça-feira, 11 de setembro de 2012

Sherlock Jr.

título original: Sherlock Jr.
gênero: Comédia
duração: 45 min 
ano de lançamento: 1924
estúdio: Buster Keaton Productions 
direção: Buster Keaton 
roteiro: Clyde Bruckman, Jean C. Havez, Joseph A. Mitchell
fotografia: Byron Houck, Elgin Lessley

Um aspirante a detetive, e projetista, vê as chances de conquistar a moça dos seus sonhos ir pelo ralo quando seu rival rouba um relógio do pai da moça e põe a culpa nele. Mas durante uma sessão ele adormece e entra em um sonho muito interessante.
Dos que vi até o momento de Keaton, achei esse o com humor mais sutil, mas com várias outras pegadas mais interessantes.
Por exemplo, a tal cena em que ele adormece, a inserção dele na tela do cinema e toda a metalinguística que há aqui, não só da relação dele com o próprio cinema mas da história que está sendo contada com as histórias passadas na tela. Inclusive, acredito que isso deixa até o "mistério" da história um pouco de lado, essa cena faz valer todo o filme; a evolução da sociedade e fases do mundo são mostrados aqui.
Para quem se interessar em ver mais essa obra de um dos, na minha opinião, maiores comediantes da história, pode ver aqui.


CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO


Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Sete Oportunidades


título original: Seven Chances
gênero: Comédia
duração: 56 min 
ano de lançamento: 1925
estúdio: Buster Keaton Productions 
direção: Buster Keaton 
roteiro: Roi Cooper Megrue , Clyde Bruckman, Jean C. Havez, Joseph A. Mitchell
fotografia: Byron Houck, Elgin Lessley


Em vias de falir, rapaz descobre que seu avô lhe deixou uma herança de 7 milhões dólares. Só que, para recebê-la, precisa se casar até as 19 horas do seu 27º aniversário.
Cheio de gags, o filme vai do começo ao fim na busca incessante por uma moça que aceite casar com o rapaz. 
Com muito malabarismos, saltos e expressões corporais, a melhor sequência sem dúvida fica por conta da fuga das noivas.
Dá para rir muito, principalmente por Buster Keaton manter aquele ar sério e triste mesmo nas cenas mais hilariantes.
Muito gente não acha esse um dos melhores dele, não conheço todos, só "Sherlock Jr." e a "A General", mas acho tão bom quanto eles.
Na cena da igreja eu assistia e pensava "já vi isso antes", quando me toquei que se tratava do remake "Procura-se uma Noiva", onde só mantiveram essa cena, eu amaldiçoei todos os cornos que fizeram a porcaria de tentar refilmar essa obra.
Recomendo que assistam, inclusive isso é fácil, tem inteiro no Youtube e vocês podem ver aqui. Por isso não colocarei trailer.


CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO


Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Mar Aberto

título original: Open Water
gênero: Suspense
duração: 79 min 
ano de lançamento: 2003 
estúdio: Plunge Pictures LLC 
direção: Chris Kentis 
roteiro: Chris Kentis 
fotografia: Chris Kentis, Laura Lau

Um casal sai em um barco para mergulhar, o problema é que calculam mal a hora de saída e quando voltam a superfície o barco não está mais lá.
O filme todo são os dois, sozinhos, no meio do mar, à deriva, repassando a vida deles todas por meio de DRs.
É o filme mais chato, mais sem noção, sem roteiro e sem propósito que eu já vi na minha vida!
Tem menos de uma hora e meia e dura mil vezes mais que "...E o Vento Levou".
Só coloque essa porcaria para rodar se você o usar como arma de tortura contra alguém muito mas muuuuito ruim. 

CLASSIFICAÇÃO: LIXO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

domingo, 2 de setembro de 2012

Maldição


título original: An American Haunting
gênero: Terror
duração: 83 min
ano de lançamento: 2005
estúdio: Sweetpea Entertainment
direção: Courtney Solomon
roteiro: Brent Monahan, Courtney Solomon
fotografia: Adrian Biddle
direção de arte: Humphrey Jaeger

1818, uma família passa a ouvir barulhos estranhos em sua fazenda. Com o tempo eles evoluem e algo estranho passa a fazer contato com os membros da família os torturado física e psicologicamente.
Roteiro muito fraco, confuso e do meio para o final só vai ficando pior. O máximo que consegue é dar alguns sustos, e olhe lá, pois em alguns deles é mais fácil você dar risada.
Não entendo o que Donald Sutherland faz num filme desses.

CLASSIFICAÇÃO: RUIM

Poster e Ficha Técnica: IMDb


sábado, 1 de setembro de 2012

Lua de Fel


título original: Bitter Moon
gênero: Drama, Romance
duração: 139 min 
ano de lançamento: 1992
estúdio: Warner Bros. Pictures 
direção: Roman Polanski 
roteiro: Roman Polanski, Gérard Brach 
fotografia: Tonino Delli Colli
direção de arte: Willy Holt, Gerard Viard

Um casal de ingleses conhece um casal composto por uma francesa e um americano cadeirante. Quando o americano percebe o interesse do inglês por sua esposa, passa a contar para ele como se conheceram, se apaixonaram e como tudo aquilo se transformou.
Uma grande análise sobre as transformações que os relacionamentos passam do começo ao fim, sem necessariamente ter um término. Também aqui estão envolvidos fetiches, fantasias e taras. As diferenças entre amor, sexo, vingança e traição, ou como tudo isso está entrelaçado nas vidas das pessoas.
Um roteiro feito para chocar, não é um filme leve muito menos confortável.
Pessoalmente, não gostei. Achei enfadonho, arrastado e quero intelectualizar algo que se trata com emoção e pele. Posso estar certa como posso estar errada. De qualquer maneira, talvez eu não seja a pessoa certa para ver Polanski.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb