quarta-feira, 27 de junho de 2012

As Virgens Suicidas

título original: The Virgin Suicides
gênero: Drama 
duração: 97 min 
ano de lançamento: 1999 
estúdio: American Zoetrope, Eternity Pictures 
direção: Sofia Coppola 
roteiro: Jeffrey Eugenides, Sofia Coppola 
fotografia: Edward Lachman 
direção de arte: Jasna Stefanovic

Um casal muito conservador e religioso vive em Michigan com suas cinco filhas. Depois que uma delas se mata um super protecionismo é criado em cima das outras quatro, que vendo sendo alvo de desejo dos meninos da escola. As proibições dos pais passam a incitar o desejo das meninas em burlar as regras.
Sabe aquele tipo de filme que você só escuta pessoas que amam falarem sobre? É esse na minha vida, o problema é que isso acaba criando expectativas irreais.
A trilha sonora é muito boa, a fotografia belíssima e a condução da história te faz sentir aquela sensação de sufoco que as irmãs sentem, aquele vazio e falta de propósito na vida.
O problema é que o roteiro acabou me passando os sentimentos das meninas de uma maneira que em muitos momentos me pareceu apenas frescura de menina mimada.
O que era para ser um filme que eu esperava que me tocasse profundamente acabou sendo enfadonho e arrastado. Mas vale pelas partes que elogiei. 

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 26 de junho de 2012

As Torres Gêmeas


título original: World Trade Center
gênero: Drama 
duração: 129 min 
ano de lançamento: 2006 
estúdio: Paramount Pictures 
direção: Oliver Stone 
roteiro: Andrea Berloff, John McLoughlin, Donna McLoughlin, William Jimeno, Allison Jimeno 
fotografia: Seamus McGarvey 
direção de arte: Jan Roelfs

Uma biografia dramática do 11 de Setembro de 2001 do ponto de vista de dois Policiais Portuários que foram convocados a ajudar quando as Torres Gêmeas foram atacadas e ficaram presos no desabamento de uma das torres enquanto socorriam os sobreviventes.
Esqueçamos aqui as discussões políticas, históricas e culturais que esse acontecimento gera. Lembremos que é uma produção hollywoodiana e, logicamente, os americanos serão mostrados como os mocinhos e heróis da história. É um roteiro com apenas um ponto de vista.
Isso, de maneira alguma desvaloriza o filme. Eu me lembro exatamente o que estava fazendo nessa data fatídica, como fiquei sabendo e tudo o mais que consigo lembrar dos meus 13 anos.
É uma produção para aflorar os nervos e emoções, principalmente de quem vivenciou tudo isso, mesmo que pela TV. Eu chorei do começo ao fim, de soluçar mesmo.
Até mesmo Nicolas Cage, que eu não gosto, conseguiu se superar nessa produção.
Um bom blockbuster para quem quer relembrar essa data vendo do ponto de vista de alguém que participou ativamente.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sábado, 23 de junho de 2012

Madagascar 3

título original: Madagascar 3
gênero: Animação
duração: 93 min
ano de lançamento: 2012

estúdio: DreamWorks SKG

direção: Eric Darnell, Tom McGrath, Conrad Vernon
roteiro: Eric Darnell, Noah Baumbach 
direção de arte: Kendal Cronkhite

Os quatro amigos conseguem sair da África e acabam indo parar em Mônaco. Lá eles passam a ser perseguidos por uma enlouquecida agente de controle de animais. Para se protegerem acabam conseguindo abrigo em um circo em crise. Eles passam a ajudar o grupo planejando uma nova turnê que os levará para os EUA.
Acho que é o Madagascar mais completo, tem comédia, drama, ação e musical.
Foi um dos poucos filmes que achei o 3D indispensável. Há cenas psicodélicas e com preocupações com detalhes, como o flare que passa pela câmera.
Há piadas com diferenças culturais, com circo, com tudo que imaginar. Também existe espaço para moral da história. 
Madagascar 1 foi muito divertido, Madagascar 2 o superou, mas esse terceiro é o melhor de todos.

CLASSICIFAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica:IMDb

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Antes do Por-Do-Sol



título original: Before Sunset
gênero: Drama 
duração: 80 min 
ano de lançamento: 2004 
estúdio: Castle Rock Entertainment, Warner Independent Pictures
direção: Richard Linklater 
roteiro: Richard Linklater, Julie Delpy 
fotografia: Lee Daniel 
direção de arte: Baptiste Glaymann

Os dois estranhos que se conheceram em "Antes do Amanhecer" voltam a se encontrar nove anos depois. Eles ocupam então sua tarde para entenderem o que aconteceu com cada depois daquele primeiro encontro.
O primeiro assisti com receio ao ler a sinopse e amei, o segundo fiquei com receio por medo de estragarem a primeira obra e me apaixonei também.
Como é possível manterem a mesma fórmula e conseguirem produzir muito mais em cima?
Os debates sobre relacionamentos, entre pessoa e amorosos, continua de uma maneira interessante e fluida.
A história continua só tendo os personagens de Julie Delpy e Ethan Hawke
E mesmo sendo tão parecido com o primeiro, não ficou degastado muito menos repetitivo, mas foi um complemento a possíveis dúvidas que o primeiro deixou.
Dizem que está para sair um terceiro, vou assistir com o mesmo receio que vi esses dois e espero ter a mesma surpresa boa.

CLASSIFICAÇÃO: MARAVILHOSO

Poster e Ficha Técnica: IMDb


quinta-feira, 21 de junho de 2012

Antes do Amanhecer


título original: Before Sunrise
gênero: Drama 
duração: 105 min 
ano de lançamento: 1995 
estúdio: Castle Rock Entertainment 
direção: Richard Linklater 
roteiro: Richard Linklater, Kim Krizan 
fotografia: Lee Daniel 
direção de arte: Florian Reichmann

Após se conhecerem e conversarem em um trem, um jovem americano e uma estudante francesa desembarcam em Viena e passam a passear juntos. Mesmo se apaixonando há o problema que no dia seguinte cada um irá para um rumo; então aproveitam o dia para se conhecer o máximo possível.
Quando o filme começou e vi que seriam apenas os dois durante os 105 minutos fiquei com o pé atrás, mas logo percebi que não tinha porquê disso. Não vou fingir que não é pesado, você tem que estar no clima e preparado para o que virá, mesmo assim é de longe um dos filmes mais sensíveis que já vi.
A maneira como eles demonstram em um dia todas as fases de um relacionamento é muito interessante, sem contar as conversas e debates muito inteligentes sobre amor, relações e a vida em si.
Ethan Hawke e Julie Delpy seguram muito bem as pontas de uma produção que depende 50% de suas interpretações.
Me apaixonei a primeira vista por esse filme e recomendo a todos que querem ver um romance fora dos padrões. 

CLASSIFICAÇÃO: MARAVILHOSO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Amor Além da Vida



título original: What Dreams May Come
gênero: Drama 
duração: 113 min 
ano de lançamento: 1998 
estúdio: Polygram Filmed Entertainment 
direção: Vincent Ward 
roteiro: Richard Matheson, Ronald Bass 
fotografia: Eduardo Serra 
direção de arte: Eugenio Zanetti

Chris e Annie formam uma família muito feliz com seus dois filhos. Após um acidente, onde as crianças morrem, ambos ficam muito abalados - principalmente a mãe. Quando tudo começa a se normalizar novamente, há outro baque com a morte do marido. Chris encontra um paraíso muito diferente do disseminado na Terra, enquanto ele procura curtir e aproveitar aquele lugar mágico, ele fica sabendo que sua esposa cometeu suicídio e foi mandada a outro lugar. Ele parte então em busca de reencontrá-la.
Um filme que consegue tratar de assuntos pós-vida sem ser piegas e melodramático. Tem uma sensibilidade e uma delicadeza que consegue arrancar lágrimas de uma pedra.
Os efeitos visuais e a direção de arte enchem os olhos, Robin Williams está em uma de suas melhores formas.
Recomendo muito, mas já aviso, há chances de você começar a chorar a partir dos 10 minutos de filme. 

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 19 de junho de 2012

Anjos do Sol


gênero: Drama
duração: 92 min 
ano de lançamento: 2006 
estúdio: Apema Filmes, Caradecão Filmes, Globo Filmes 
direção: Rudi Lagemann 
roteiro: Rudi Lagemann 
fotografia: Tuca Moraes

No nordeste brasileiro, uma menina de 12 anos é vendida pela família - que já tem muitos filhos - para um recrutador de prostitutas. A partir desse momento ela passa a conviver com um mundo do qual não deveria fazer parte.
Não é simplesmente um drama que preenche o tempo vazio, é uma obra que toca no fundo da ferida das mazelas da nossa sociedade. Um povo esquecido, abandonado e que tem como solução para seu problemas opções duvidosas.
Destaque para o elenco "mirim", a tristeza e o sofrimento são palpáveis em seus olhares. 
Sem dúvida, um filme marcante que te faz parar e pensar como a grandeza do Brasil o deixa descontrolado.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 14 de junho de 2012

O Pecado Mora ao Lado



título original: The Seven Year Itch
gênero: Comédia
duração: 105 min 
ano de lançamento: 1955 
estúdio: Charles K. Feldman Group, 20th Century Fox Film Corporation 
direção: Billy Wilder 
roteiro: Billy Wilder, George Axelrod 
fotografia: Milton R. Krasner

Todo verão mulheres de Manhattan costumam viajar com seus filhos para o interior, deixando os maridos sozinhos na cidade. Eles acreditam estar solteiros nesse período e fazem o que bem entendem. Mas Richard é diferente, ele tenta sempre se conter por amar muito sua família, até o dia em que surge uma nova vizinha em seu prédio.
Decepção é a palavra que define o que senti ao acabar de assistir esse filme. Talvez tenha criado uma expectativa muito alta por ter ouvido falar tanto.
Tudo bem que os roteiros que incluem Marilyn Monroe costumam ser bobinhos e ela sempre interpretou a si mesma, mas esse parece ter perdido a linha lá pelo meio, além de que o próprio roteiro e os personagens são superficiais.
Para não falar da tristeza que fiquei ao ver a cena da ventilação do metrô. Gente! A famosa foto da cena, mostra ela inteira, eu acreditava que fosse rolar uma cena indo dos pés a cabeça dela e a imagem fica parada dos joelhos pra baixo. Tudo bem que para a época foi uma baita revolução, mas eu imaginava outra coisa. 

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Amores Brutos



título original: Amores Perros
gênero: Drama
duração: 154 min
ano de lançamento: 2000
estúdio: Altavista Films
direção: Alejando González Iñárritu
roteiro: Guillermo Arriaga
fotografia: Rodrigo Prieto
direção de arte: Brigitte Broch 

Na Cidade do México, após um acidente, três pessoas tem suas vidas misturadas. O adolescente Octavio resolveu fugir coma mulher do seu irmão, Daniel decidiu largar esposa e filhos para viver com uma bela modelo e o ex-guerrilheiro Chivo vive como matador de aluguel.
A maneira como Iñarritu trabalha as personalidades de cada personagem e a as relações entre eles é sensacional! Não há um papel que não seja trabalhado até as entranhas de suas características psicológicas.
O trançar de uma história com as outras também é uma características forte de seus filmes, e dá linha do tempo diferenciada ao roteiro, além de trazer uma maior ansiedade para saber o final.
A dramaticidade vai até a raiz do cabelo. Super recomendo!

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb


terça-feira, 12 de junho de 2012

Amistad



título original: Amistad
gênero: Drama
duração: 155 min
ano de lançamento: 1997
estúdio: DreamWorks SKG
direção: Steven Spielberg
roteiro: David Franzoni
fotografia: Janusz Kaminski
direção de arte: Rick Carter

Negros, aprisionados como escravos no navio La Amistad, conseguem se libertar e tomar o navio. Eles desconhecem navegação e acreditam em dois tripulantes para voltarem para a África, só que eles os enganam e , dois meses depois eles chegam nos EUA. Eles vão então a julgamento pelo assassinato da tripulação, então começa a batalha entre os conservadores e os abolicionistas. 
Uma época da história da humanidade muito bem trabalhada e ainda focando bastante nos fortes interesses políticos que a escravidão gerava.
A fotografia é de encher olhos, principalmente nas cenas dentro do navio, passa a sensação de estar lá, no escuro e amontoado com muitas pessoas também.
Pra finalizar, as interpretações só completam o que já estava perfeito! Morgan Freeman, Anthony Hopkins e, principalmente, Djimon Hounson conseguem arrancar todas as lágrimas que existem nos seus olhos.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb


domingo, 10 de junho de 2012

Água Negra



título original: Dark Water
gênero: Terror
duração: 105 min
ano de lançamento: 2005
estúdio: Touchstone Pictures
direção: Walter Salles
roteiro: Kôji Suzuki, Hideo Nakata 
fotografia: Afonnso Beato

Após se separar, Dahila busca uma nova vida com a filha mudando-se de apartamento. Porém ela começa uma batalha com o ex-marido pela guarda da filha. Para piorar, o apartamento onde mora é cheio de vazamentos e barulhos estranhos. Acreditando ser uma armadilha para prejudicá-la ela começa a procurar explicações que justifiquem os problemas do seu apartamento.
Sabe o que mais estraga esse filme? A classificação errada, ele tenta ser um terror em algumas partes - principalmente no final, bem tosco inclusive - mas sua maior veia é a dramática, expondo um conflito familiar e o trabalhando bem.
O que atrapalha aqui é que você assisti querendo levar sustos e se depara com cenas que quase te levam as lágrimas pelos problemas familiares.
A conclusão eu achei muito ruim, mesmo para um filme de terror.
Pode ser uma opção, caso você não tenha nada melhor pra fazer, mas não estaria em uma lista de indicações caso alguém me pedisse.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb


sábado, 9 de junho de 2012

A Última Gargalhada

título original: Der letzte Mann

gênero: Drama
duração: 77 min
ano de lançamento: 1924
estúdio: Universum Film
direção: F. W. Murnau
roteiro: Carl Mayer
fotografia: Robert Richardson
direção de arte: Dante Ferretti

O porteiro de um hotel em Berlim é idoso, mas sempre muito bem tratado por seus colegas de trabalho e amigos, além disso se sente muito honrado pelo trabalho que faz. Porém, um novo gerente crê que ele não é mais apto para o trabalho por causa de sua idade, isso abala seriamente sua auto-estima. 
Vamos começar de um ponto essencial pra você assisti: vá com paciência, não é um filme fácil. Eu gosto muito do expressionismo alemão, mas assumo que esse é difícil e pesado apesar de ser uma obra de arte.
A crítica as classes sociais e ao uso dessas para se sobrepor aos outros é muito bem elaborada e abusa das metáforas para fazê-lo.
Emil Jannings dá um show, a transformação da estima do personagem é transformada de uma maneira incrível e muito bem trabalhada, principalmente por se tratar de um filme mudo.
Recomendo para aqueles que querem conhecer vertentes mais alternativas do cinema e para aqueles que se conhecem pela história do cinema em geral

Poster e Ficha Técnica: IMDb

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Filme inteiro:


sexta-feira, 8 de junho de 2012

A Invenção de Hugo Cabret


título original: Hugo
gênero: Aventura
duração: 126 min
ano de lançamento: 2011
estúdio: Paramount Pictures
direção: Martin Scorsese
roteiro: John Logan, Brian Selznick
fotografia: Robert Richardson
direção de arte: Dante Ferretti

Começo do século XX, Hugo Cabret é um garoto de 12 anos que perdeu o pai e vive em umas estação de trem. Ele passa seu tempo tentando consertar um autômato que seu pai encontrou no museu onde trabalhava. Ao tentar resolver esse mistério ele descobrirá muita mais do que imaginava encontrar.
Quando vi o trailer, há quase um ano atrás, não me atraí nem um pouco pela história que achei bem infantil e superficial, para piorar fiquei inconformada de Scorsese dirigir um filme desses (conforme eu achava que era).
Depois que ele concorreu, e ganhou, tantos prêmios e de muitos amigos me indicarem vi que precisaria vencer a barreira do preconceito e assisti-lo.
Ainda bem que fiz isso! O comecinho realmente me passou a impressão de ser um filme digno de passar na Tela Quente daqui um tempo, mas conforme a história foi ganhando conteúdo e os personagens profundidade , me encantei com a grande homenagem as artes e, principalmente, ao cinema! quer dizer, não só ao cinema mas a uma figura muito importante do início das atividades dessa arte.
Ben Kingsley carrega nas costas a responsabilidade gigantesca de representar uma figura importantíssima da história do cinema e o faz com uma dramaticidade e um encanto digno; Sacha Baron Cohen me surpreendeu , inclusive demorei reconhecê-lo fazendo um papel tão centrado.
Sem dúvida, é um belo filme e uma ótima homenagem a essa arte que aprecio tanto.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 5 de junho de 2012

A Queda - As Últimas Horas de Hitler


título original: Der Untergang
gênero: Drama
duração: 156 min
ano de lançamento: 2004
estúdio: Constantin Film Produktion
direção: Oliver Hirschbiegel
roteiro: Bernd Ganz, Alexandra Maria Lara, Ulrich Matthes
fotografia: Rainer Klausmann
direção de arte: Bernd Lepel

Narrativa dos últimos dias de Hitler, dentro de um quarto de segurança máxima, feita por sua secretária durante a 2ª Guerra Mundial.
Roteiro impecável; trabalha de maneira muito interessante o lado "pessoal" da vida do ditador, e não somente aquele figura "grandiosa" e quase impalpável de tantos mitos que foram criados em volta. Todas as suas manias, sandices e desequilíbrios de personalidade, caráter e saúde mental são detalhados minuciosamente. 
Sim, é cansativo. Afinal são mais de 2h30 de um filme quase todo desenvolvido dentro de um prédio isolado. Porém, mesmo assim, a trama te amarra e cria uma ansiedade sobre o final.
Vale muito a pena pela magnífica interpretação de Bruno Ganz que parece ter reencarnado Hitler.
Sem dúvida, um filme obrigatório.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sábado, 2 de junho de 2012

A Paixão de Cristo


título original: The Passion of the Christ
gênero: Drama
duração: 127 min
ano de lançamento: 2004
estúdio: Icon Productions
direção: Mel Gibson
roteiro: Benedict Fitzgerald, Mel Gibson
fotografia: Caleb Deschanel
direção de arte: Francesco Frigeri


A história das últimas 12 horas de vida de Jesus Cristo; a Última Ceia, a traição de Judas e vários dos pontos mais memoráveis da história dele.
Não vou analisar se a história é boa ou não, principalmente porque vamos entrar num campo que "não se discute" e não to afim de atrair xiitas pro meu blog. O que podemos dizer é que, independente de você acreditar ou não, faz parte da história da humanidade e com certeza é um ótimo roteiro para um filme épico. 
Tendo isso em vista, ninguém melhor que Mel Gibson - que já participou de vários filmes do gênero e é super religioso - para dirigir essa película.
A caracterização de Jim Caviezel o deixou muito parecido com a figura mais famosa de Cristo, responsabilidade muito grande - se não me engano a histórico de outros atores que o interpretaram e surtaram.
A fotografia é um pouco escura demais, impossibilitando de entender bem a cena em algumas partes, mas muito bem casada ao momento de terror, e temor por parte dos seguidores, que essa parte da história de Cristo causa.
Se você é ateu, agnóstico ou de qualquer outra religião, abstraia isso e assista a esse filme que conseguiu uma super produção de primeira.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 1 de junho de 2012

A Maldição de Carrie


título original: The Rage: Carrie 2
gênero: Terror
duração: 104 min
ano de lançamento: 1999
estúdio: Red Bank Films
direção: Katt Shea
roteiro: Stephen King, Rafael Moreu
fotografia: Donald M. Morgan
direção de arte: Peter Jamison


Vinte e três anos depois, a meia-irmã de Carrie, que também é telecinética começa a ter problemas similares na escola. Uma ex-colega de Carrie, que agora é conselheira na instituição, percebe as similaridades e tenta ajudar e alertar a menina que a história pode se repetir.
Chama-se continuação, mas eu diria que é um remake em forma de sequência, e uma refilmagem mais fraca.
Assusta e tal, mas é arrastado, as interpretações são fracas e não chega aos pés do original.


CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb