sábado, 31 de março de 2012

Beethoven 2



título original: Beethoven 2
gênero: Comédia
duração: 89 min
ano de lançamento: 1993
estúdio: Universal Pictures, Northern Lights Entertainment
direção: Rod Daniel
roteiro: John Hughes, Amy Holden Jones
fotografia: Victor J. Kemper
direção de arte: Alex Tavoularis

Beethoven arruma uma namorada e eles têm quatro filhotinhos, isso leva a família mais a loucura. Mesmo assim eles defendem o casal com todas as forças, quando a verdadeira dona da cadela, resolve separá-la da família até que seu ex-marido, e dono legal dela, lhe pague 50 mil dólares.
Mais cachorros expertos, só que agora com mais 5 figuras. 
"Altas Aventuras" e muitos perigos em mais esse Sessão da Tarde. Podiam ter parado no primeiro.

CLASSIFICAÇÃO: RUIM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 30 de março de 2012

Beethoven, o Magnífico


título original: Beethoven
gênero: Comédia
duração: 87 min
ano de lançamento: 1992
estúdio: Universal Pictures, Northern Lights Entertainment
direção: Brian Levant
roteiro: John Hughes, Amy Holden Jones
fotografia: Victor J. Kemper
direção de arte: Alex Tavoularis

A família Newton resolve preencher o "vazio"com um cachorro, mas acabam trazendo pra casa um São Bernardo muito do atrapalhado, que diverte as crianças mas tira o pai do sério. Ao mesmo o veterinário da região faz experimentos com animais, secretamente, e pretende usar Beethoven de cobaia.
A mesma coisa de sempre de filmes com animais, eles são super dotados e sempre ajudam seus donos a saírem de enrascadas. O diferencial desse é que esse São Bernardo é muito desastrado e isso dá o tom de humor ao filme, principalmente quando o pai da família fica muito bravo com os problemas que ele arruma.
De resto é um Sessão da Tarde dos anos 90 como vários outros.
ps.: Só eu reparei que o Oliver Platt é figurinha batida em filmes desse tipo, pra tv e bobinhos?

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb



Alvin e os Esquilos


título original: Alvin and the Chipmunks
gênero: Comédia, Animação
duração: 92 min
ano de lançamento: 2007
estúdio: Fox 2000 Pictures, Regency Enterprises
direção: Tim Hill
roteiro: Jon Vitti, Will McRobb, Chris Viscardi
fotografia: Peter Lyons Collister
direção de arte: Richard Holland

Três esquilos mais do que especiais resolvem morar na casa de um homem que trabalha como compositor. Ele não aceita muito bem isso, até perceber que os três sabem cantar, pede então uma moeda de troca: eles moram lá se gravarem suas composições.
Não gosto de filmes com animais que falam, um dos poucos que respeito é "Babe, o porquinho atrapalhado", imagine um então em que eles têm uma voz insuportavelmente irritante.
A história é previsível e batida. Tudo bem que seja para o público infantil, mas eu tenho a impressão que até as crianças podem acabar não sendo tão impactadas por esse filme.
Só assisti a ele por estar um dia muito atoa em casa e passar por um canal onde o filme tinha acabado de começar.
E o clichê de dar café para animais e eles ficarem alucinados? Até quando isso continuará sendo explorado? Não tem mais graça. Na verdade, a única vez que achei um pouquinho de graça foi em "Deu a Louca na Chapeuzinho Vermelho".
O pior é que insistiram em continuações.

CLASSIFICAÇÃO: RUIM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 29 de março de 2012

Acertando as Contas com Papai


título original: Getting Even With Dad
gênero: Comédia
duração: 109 min
ano de lançamento: 1994
estúdio: MGM
direção: Howard Deutch
roteiro: Tom S. Parker, Jim Jennewein
fotografia: Tom Suhrstedt
direção de arte: Virginia L. Randolph

Um ex-prisioneiro, e viúvo, recebe seu filho de volta em casa quando a tia com quem morava viaja em lua-de-mel. O problema é que o menino chega bem na época em que ele e seus comparsas estão planejando roubar moedas que valem um milhão de dólares e o menino as rouba do pai, prometendo devolvê-las só quando ele sair para se divertir com o filho.
História para crianças com moral e tudo bonitinho para passar uma mensagem bacana para o público alvo.
Apesar de ser, no geral, uma comédia aqui vemos um drama familiar muito frequente na vida, pais que negligenciam seus filhos, não dando atenção e carinho o suficiente. O legal aqui é que o filho usa das artimanhas que o pai aplica na vida para ganhar dinheiro para conseguir o que quer dele: a relação verdadeira de pai e filho.
Macaulay Culkin estava no auge de sua carreira e rouba a cena no filme. 
Não achei o trailer, mas encontrei uma das cenas favoritas, onde o personagem principal canta a música tema do filme.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

A Família Buscapé


título original: The Beverly Hillbillies
gênero: Comédia
duração: 92 min
ano de lançamento: 1993
estúdio: Twentieth Century Fox Film Corporation
direção: Penelope Spheeries
roteiro: Paul Henning, Lawrence Konner, Mark Rosenthal
fotografia: Robert Brinkmann
direção de arte: Peter Jaminson

Uma família caipira descobre petróleo em seu terreno e fica extremamente rica. Depois disso são influenciados a mudar para Beverly Hills onde acabam sendo isca fácil para golpistas.
Essa história mostra bem o choque cultural entre pessoas simples e pobres do interior e uma cidade cheia de novos ricos e pessoas maliciosas.
Clássico da Sessão da Tarde, ele arranca risos por trabalhar muito a arte do exagero, principalmente no jeito "bicho do mato"dos caipiras.
Será que o Aguinaldo Silva se inspirou nesse filme para criar a família da Grizelda de Fina Estampa?
Na minha época entretinha, hoje em dia não sei se funcionaria tão bem.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 28 de março de 2012

A Família Adams 2


título original: Adams Family Values
gênero: Fantasia
duração: 94 min
ano de lançamento: 1993
estúdio: Paramount Pictures
direção: Barry Sonnenfeld
roteiro: Charles Addams, Paul Rudnick
fotografia: Donald Peterman
direção de arte: Ken Adam

O casal Adams ganham um novo bebê e Fester se apaixona pela babá. Só que as crianças descobrem que ela não passa de uma aproveitadora que está de olho na herança do tio e tudo pode se complicar quando ela casa com Fester e, percebendo a desconfiança dos meninos, os manda para um acampamento de férias.
Segue o mesmo padrão do primeiro em questão de locação, fotografia e interpretação.
O que ganha qualidade aqui são os personagens que estão mais aprofundados e sendo melhor explorados em suas características marcantes.
Divirtam-se.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

A Família Adams


título original: The Adams Family
gênero: Fantasia
duração: 99 min
ano de lançamento: 1991
estúdio: Orion Pictures Corporation, Paramount Pictures
direção: Barry Sonnenfeld
roteiro: Charles Addams, Caroline Thompson, Larry Wilson
fotografia: Owen Roizman
direção de arte: Richard Macdonald

Um advogado, que está com problemas financeiros, finge ser irmão de Gomez, o chefe da família Adams, para roubar-lhe um tesouro. Mas ele percebe que o plano não é tão simples assim quando começa a reparar nas peculiaridades dessa família.
Tarãnanan tã tã ... Tarãnanan tã tã .... Tarãnanan Tarãnanan Tarãnanan 
Quem não lembra de cara na música tema e nos estalos de dedos quando ouve falar da Família Adams?
A origem desses personagens se deu na década de 30 e foram personificados em uma série americana da década de 60, mas marcou época para aqueles que tiveram a infância da década de 90, como eu.
Apesar dos personagens serem bem mórbidos e a ambientação ter um clima muito funéreo, nunca senti medo ou consegui ver como sendo um filme de terror e acho mesmo que não era essa a intenção. Inclusive ria muito com esse filme e tinha até um carinho pelo Mãozinha.
Christopher Lloyd dá um show no papel de Tio Fester e, como já disse antes, Christina Ricci fez aqui um de seus melhores e mais marcantes papéis.
Diversão macabra que te fará dar muitas risadas.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 27 de março de 2012

A Nova Onda do Imperador


título original: The Empreror's New Groove
gênero: Animação
duração: 78 min
ano de lançamento: 2000
estúdio: Walt Disney Feature Animation, Walt Disney Pictures
direção: Mark Dindal
roteiro: Chris Williams
fotografia: Thomas Baker
direção de arte: Paul A. Felix

Bruxa transforma o imperador em uma lhama. Tentando voltar ao normal, e para casa, ele encontra um camponês para quem pede ajuda nessa sua jornada.
Um desenho da Disney que foi subestimado e que merece muito respeito. 
Primeiro pelo traço diferenciado, meio caricatural. 
Segundo pelo roteiro trabalhar de maneira muito interessante parte da história da América Latina. Não consegui identificar bem se tratam dos incas, maias ou astecas, vi uma certa mistura entre as culturas, mas acredito tratar-se do primeiro pelo imperador chamar-se Kusco.
Terceiro, o personagem principal é um anti-herói e eu adoro isso. O Imperador é prepotente, arrogante, fresco, enjoado, metido e mesmo assim, extremamente carismático
Prefiro assistir desenhos dublados, mas esse em especial super merece ser assistido assim. A dublagem caiu muito bem e é recheado de frases e ditados que fazem parte do dia-a-dia brasileiro.
Por fim, a história tem uma moral bonita sobre como existem coisas mais importantes do que dinheiro e fama.
Super recomendo.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 26 de março de 2012

O Pestinha


título original: Problem Child
gênero: Comédia
duração: 81 min
ano de lançamento: 1990
estúdio: Universal Pictures
direção: Dennis Dugan
roteiro: Scott Alexander, Larry Karaszewski
fotografia: Emmanuel Lubezki
direção de arte: Rick Heinrichs

Um casal, que não consegue ter filhos, resolver adotar uma criança. A agência de adoção que procuram está louca para se livrar de um menino; o agente usa de argumentos inescrupulosos e consegue convencer o casal a adotar Junior, o problema é que o menino é incorrigível e muito maldoso.
Um clássico da Sessão da Tarde. Junior era o capeta em forma de guri. Inclusive, se for parar pra pensar é uma versão mais leve, boba e engraçada do Damien de "A Profecia".
Não tem nada demais na história, é previsível do começo ao fim, mas servia para entreter na minha infância, não sei se funcionaria com a molecada de hoje em dia, mas é feito pra rir, e comigo funcionou, quando eu tinha uns 9 anos de idade.

CLASSIFICAÇO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

domingo, 25 de março de 2012

Premonição


título original: Final Destination
gênero: Terror
duração: 98 min
ano de lançamento: 2000
estúdio: New Line Cinema
direção: James Wong
roteiro: Glen Morgan, James Wong
fotografia: Emmanuel Lubezki
direção de arte: Rick Heinrichs

Um adolescente tem a premonição que o avião onde está irá explodir, ele e seus amigos são tirados do vôo e para sua surpresa, o avião realmente explode. Depois disso os amigos passam a morrer misteriosamente, e os sobreviventes se unam para tentar descobrir o que está acontecendo.
Feito para assustar, o roteiro é bem fraco. Não tem nada demais, são só poderes sobrenaturais regem todos os possíveis acontecimentos absurdos de toda a história.
O elenco é composto por um turminha bem desconhecida. A mais "famosa" aqui é Ali Larter, para vocês terem uma idéia.
Dá para passar o tempo, mas não é nada demais. 

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sábado, 24 de março de 2012

Entrevista Com o Vampiro


título original: Interview with the Vampire
gênero: Fantasia, Drama
duração: 123 min
ano de lançamento: 1994
estúdio: Geffen Pictures
direção: Neil Jordan
roteiro: Anna Rice
fotografia: Philippe Rousselot
direção de arte: Dante Ferretti


Jornalista entrevista um homem que se diz um vampiro com duzentos anos. Durante a conversa ele conta como era sua vida de humano, como foi infectado por Lestat e todas as histórias e desavenças que viveram juntos.
Vamos começar do seguinte ponto, quem vier me xingar eu deleto mesmo: isso sim é um filme de vampiros, e que não me venham com "Crepúsculo".
Aquele clima de século XVIII, sombrio, que ao mesmo tempo que assusta, conquista. Os vampiros são tenebrosos e ao mesmo tempo exalam sensualidade pura, sem contar a subjetividade homossexual que há em toda a trama.
Assisti muito pequena, acho, só me lembro que ficava morrendo de medo, mas já assimilava todo os hormônios que rolavam em qualquer cena, mesmo nas que não tivessem nada a ver.
Para a mulherada tem 3 fatores a mais: Tom Cruise (antes da cientologia e ainda galã), Brad Pitt e Antonio Banderas.
O destaque maior de atuação vai para: Kirsten Dunst. A menina devia ter mais ou menos uns 12 anos e já mostrava a que veio, menininha do capeta! Aí dá-se para ver o gênero sombrio e dramático já estava encorporado desde pequena, não foi criado em "Melancolia".
Só digo uma coisa: Assistam.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb



sexta-feira, 23 de março de 2012

A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça


título original: Sleepy Hollow
gênero: Terror
duração: 105 min
ano de lançamento: 1999
estúdio: Paramount Pictures
direção: Tim Burton
roteiro: Washington Irving, Kevin Yagher, Andrew Kevin Walker
fotografia: Emmanuel Lubezki
direção de arte: Rick Heinrichs

1799. No vilarejo de Sleepy Hollow uma série de crimes começam acontecer. Para resolver o caso chamam um detetive excêntrico de Nova York, porém seus métodos de investigação serão postos a prova quando um dos principais suspeitos é um ser sobrenatural.
Eu tinha por volta de 11 anos quando assisti esse filme, imagine então o medo que eu sentia. Hoje em dia percebo o quanto ele poderia ser macabramente engraçado, com um certo toque trash.
Tim Burton é um ótimo diretor para esse gênero, ele consegue aplicar à seus filmes um ar soturno que ninguém mais consegue. Visualmente é fácil de identificar quais filmes foram dirigidos por ele, parecem seguir uma mesma linha de locação, iluminação e escala de cores. Vide "Noiva Cadáver" e "Edward Mãos de Tesoura", por exemplo.
Além disso ainda vemos a mais do que bem casada parceria entre esse diretor e Johnny Depp, novamente. Eles devem ter sido gêmeos siameses em outra vida, pois os filmes de um foram feitos pro tipo de interpretação do outro e vice-versa.
Outro destaque é Christina Ricci, que nasceu para filmes de terror. Acho estranho quando a vejo em outros gêneros.
Com toda a sua excentricidade, Tim Burton conseguiu mudar o gênero terror, de uma maneira boa. Super recomendo para quem curte o estilo - de filme e do diretor.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

Monty Python - O Sentido da Vida


título original: The Meaning of Life
gênero: Comédia
duração: 107 min
ano de lançamento: 1983
estúdio: Celandine Films, The Monty Python Partnership, Universal Pictures
direção: Terry Jones
roteiro: Graham Chapman, John Cleese, Terry Gilliam, Eric Idle, Terry Jones, Michael Palin
fotografia: Peter Hannan, Roger Pratt
direção de arte: Harry Lange

A trupe britânica de comediantes volta as telonas com um filme onde satirizam vários pontos da vida, como: o nascimento, a morta, a medicina, a doença, a igreja, as guerras e outros.
Os caras escreveram o roteiro, dirigiram e ainda interpretaram mais da metade dos personagens. Dá pra não considerar gênios? 
Eu gosto muito do estilo de humor que eles fazem, inteligente, refinado e discreto, que fica ali escondido nos mínimos detalhes. Não é feito para ter ataques de risos, como normalmente acontecem com comédias que abusam de tombos e afins, mas quem se mata de rir aqui é seu cérebro com as tiradas bem sacadas.
Uma sátira muito bem construída com sarcasmo e ironia sobre as convenções da sociedade, suas instituições e comportamentos do dia-a-dia humano.
Destaque para o capítulo do gordo, extremamente grotesco, exagerado e divertido.

CLASSIFICAÇÃO: MARAVILHOSO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 22 de março de 2012

Macunaíma


gênero: Fantasia, Comédia
duração: 110 min
ano de lançamento: 1969
estúdio: Condor Filmes, Filmes do Serro
direção: Joaquim Pedro de Andrade
roteiro: Joaquim Pedro de Andrade, Mário de Andrade
fotografia: Guido Cosulich
direção de arte: Anisio Medeiros

Baseado no livro de Mário de Andrade, Macunaíma é um herói preguiçoso e sem caráter. Ele nasce preto e vira branco, sai atrás de aventuras e acaba conhecendo pessoas de todos os tipos.
Sou uma pessoa que leio muito, acabo um já emendo outro, minha média é de 1 livro/mês e tenho muito vergonha em dizer que esse foi o ÚNICO livro que abandonei na minha vida. =/ Um livro que tem menos de 100 páginas e que eu precisei ler pro vestibular, não consegui e apelei para o filme.
A história é complexa e surrealista em ambos os formatos, porém no filme por ser visual fica mais fácil, mesmo assim você tem que assistir muito preparado e com a cabeça aberta para apreciar.
Uma crítica ao comportamento do brasileiro ao achar que "o jeitinho"é um super poder dessa população as avessas. O fato do personagem se transformar de preto para branco mostra bem as raízes do racismo dentro do próprio povo que tem suas origens bem misturadas. Além da potencialização da cultura, provérbios e folclore nacional.
Grande Otelo e Paulo José interpretam o anti-herói com o jeito peculiar de cada um.
Um filme para conhecer mais da cultura brasileira.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Ficha Técnica: IMDb

Poster: Filmow

quarta-feira, 21 de março de 2012

Gremlins 2 - A Nova Turma



título original: Gremlins 2 - The New Batch
gênero: Fantasia, Terror
duração: 106 min
ano de lançamento: 1990
estúdio: Warner Bros. Pictures
direção: Joe Dante
roteiro: Chris Columbus, Charles S. Haas
fotografia: John Hora
direção de arte: James H. Spencer

Billy e sua namorada se mudam para Nova York após 5 anos terem se passado do acidente com os Gremlins. O chinês, dono de Gizmo, morre e o bichinho foge do local quando o prédio está sendo demolido, mas é capturado por uma equipe que trabalha para o mesmo magnata chefe de Billy, que o levam para um laboratório. Billy consegue salvá-lo, mas depois de alguns acidentes os problemas recomeçam em uma escala maior.
Manteve a qualidade da tosquice e do roteiro do primeiro filme e evoluiu em alguns pontos. Tem mais ação, o caos é totalmente instalado nessa continuação e os monstrinhos ganham mais destaque. Me divirto horrores com um que é meio lunático e outro que vira psicólogo/filósofo, simplesmente sensacional.
Continuou sendo um clássico com essa sequência também muito divertida, engraçado e "aterrorizante".

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

Gremlins


título original: Gremlins
gênero: Fantasia, Terror
duração: 106 min
ano de lançamento: 1984
estúdio: Warner Bros. Pictures
direção: Joe Dante
roteiro: Chris Columbus
fotografia: John Hora
direção de arte: James H. Spencer

Um inventor dá a seu filho, de natal, um bichinho aparentemente gracioso que comprou em Chinatown. O ancião chinês, dono anterior do animal, não o queria vender por haver muitas responsabilidades envolvidas na criação, mas o neto dele o vende e explica as regras de como criá-lo, o pai as ouve mas não dá a devida importância. Sem passar as normas para o filho, ele as desrespeita e coisas terríveis passam a acontecer.
Um dos melhores filmes da minha infância! Duvido que exista alguém que tenha sido criança nas décadas de 80/ começo de 90 e não goste desse filme.
Falamos aqui de um terror trash, estilo filme B mesmo. Os efeitos especiais não são o foco aqui, mas a história é muito interessante dentre todas as suas esquisitices.
Era incrível a magia que esse filme fazia em mim, pois eu morria de medo dos Gremlins, mesmo assim queria muito o Gizmo pra mime toda vez que passava eu re-assistia.
Sem dúvida alguma um clássico.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 20 de março de 2012

Garota Veneno


título original: The Hot Chick
gênero: Comédia 
duração: 104 min
ano de lançamento: 2002
estúdio: Touchstone Pictures, Happy Madison
direção: Tom Brady
roteiro: Tom Brady, Rob Schneider
fotografia: Tim Suhrstedt
direção de arte: Marc Fisichella

Uma patricinha, muito popular em sua escola e que desfaz de todos, misteriosamente acorda no corpo de um homem, frentista e perdedor. Ela passa a, desesperadamente, tentar arrumar uma maneira de voltar para seu corpo, enquanto ambos passam por situações bem estranhas. 
Não basta ter o tosco do Rob Schneider no elenco, ele fez parte da equipe de roteiristas também. Daí, pra quem já é leitor assíduo aqui do blog pode imaginar bem o que achei do filme. Para piorar mais um pouquinho foi produzido pelo estúdio do Adam Sandler.
Mas não dá pra piorar, dá? Lógico que sim! Ainda tem no elenco a Anna Faris, de quem já falei bastante por aqui também, e o Eric Christian Olsen, que só faz filme meia boca.
Não digo que não dê pra dar umas risadas, talvez pra quem goste do gênero seja um prato cheio, mas para mim foi uma bela de uma porcaria.

CLASSIFICAÇÃO: PÉSSIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

Endiabrado


título original: Bedazzled
gênero: Comédia 
duração: 93 min
ano de lançamento: 2000
estúdio: Twentieth Century Fox Film Corporation
direção: Harold Ramis
roteiro: Peter Cook
fotografia: Bill Pope
direção de arte: Rick Heinrichs

Elliot é um programador de computadores, tímido e desajeitado com as mulheres. Ele é loucamente apaixonado por sua colega de trabalho, Allison, e faria qualquer coisa para conquistá-la. É ai que surge na sua vida o Diabo com uma proposta muito tentadora.
Uma história de erros, a cada momento a situação vai piorando mais e isso só faz o filme ficar cada vez mais engraçado. Com micro histórias dentro da trama principal, o roteiro se torna menos enfadonho.
Brendan Fraser caiu como uma luva no papel de um cara bobalhão, não sei se pela atuação ser boa nesse caso ou por a cara dele ajudar bastante. Destaque para as cenas em que ele fala espanhol.
Filme para dar bastante risada.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 19 de março de 2012

E Se Fosse Verdade



título original: Just Like Heaven
gênero: Comédia Romântica
duração: 95 min
ano de lançamento: 2005
estúdio: DreamWorks SKG
direção: Mark Waters
roteiro: Peter Tolan, Leslie Dixon
fotografia: Daryn Okada
direção de arte: Cary White

David aluga um apartamento, só que o lugar já tem uma moradora: Elizabeth, que insiste que o local é seu. Ele faz de tudo para que ela não possa mais entrar lá, mas ela sempre reaparece dentro do apartamento. David convence-se então que ela é um fantasma e passa a fazer de tudo para ajudá-la a passar para o "outro lado", mas ela teima que está viva.
Um romance com final óbvio, mas com todo o desenvolvimento bem fora do comum do gênero comédia romântica. A temática ligada a vida pós a morte, no contato entre os vivos e os mortos dá uma outra aura ao filme, por mais que em várias cenas seja engraçado.
A torcida pela personagem de Reese Witherspoon é difícil de não acontecer, mesmo ela sendo muito arrogante em grande parte do filme. Mark Ruffalo parece sempre ser a mesma coisa.
Filme pra mulher, dá pra rir, mas principalmente faz chorar.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

Do Que as Mulheres Gostam


título original: What Women Want
gênero: Comédia Romântica
duração: 127 min
ano de lançamento: 2000
estúdio: Paramount Pictures 
direção: Nancy Meyers
roteiro: Josh Goldsmith, Cathy Yuspa
fotografia: Dean Cundey
direção de arte: Jon Hutman

Um publicitário muito machista, após sofrer um acidente, passa a ouvir os pensamentos das mulheres. Logo de cara aquilo o deixa bem incomodado e até um pouco louco, porém com o tempo começa a usar a seu favor, principalmente com a sua chefe.
O andamento da história é um tanto óbvio, mas a idéia de um homem começar a entender o mundo feminino, assimilar as idéias das mulheres, e as usar a seu favor a tal ponto que acabe afetando seu modo de lidar com as coisas do dia-a-dia, é interessante.
Mesmo assim, não deixa de ser uma comédia romântica onde aquele cafajeste ordinário a apaixonante se torna um homem melhor.
Mel Gibson tinha mais minha atenção na época desse filme, com o tempo acho que foi destruindo sua carreira profissional e sua imagem pessoal. Acho a Helen Hunt meio sem sal, pra mim o destaque do filme foi Marisa Tomei, que está engraçadíssima.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sábado, 17 de março de 2012

De Repente 30


título original: 13 Going on 30
gênero: Comédia Romântica
duração: 98 min
ano de lançamento: 2004
estúdio: revolution Studios, Thirteen Productions
direção: Gary Winick
roteiro: Josh Goldsmith, Cathy Yuspa
fotografia: Don Burgess
direção de arte: Chis Cornwell

Jenna está descontente com seus 13 anos, ela não é popular e seus pais vivem pegando no seu pé. Ela só tem um amigo: seu vizinho Matt. Ao fazer uma festa de aniversário e algumas coisas darem errado ela deseja ser mais velha. No dia seguinte, por um milagre, ela acorda com 30 anos, bem sucedida, com um namorado, e do jeito que sempre sonhou. No começo parece estranho, mas depois ela se acostuma com a idéia e parte em busca de reencontrar seu amigo de infância.
A fórmula é praticamente a mesma de "Quero Ser Grande" com Tom Hanks, só que em uma versão fofa para meninas. É engraçadinho e tem várias referências a cultura pop dos anos 80.
Jennifer Garner convence muito no papel de uma menina pré-adolescente presa no corpo de uma mulher.
Destaque para a cena em que dançam Thriller do Michael Jackson.
Pode ser bobinho, mas é um bom filme para meninas.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

\

sexta-feira, 16 de março de 2012

Caramuru - A Invenção do Brasil


gênero: Comédia, Romance
duração: 85 min
ano de lançamento: 2001
estúdio: Globo Filmes
direção: Guel Arraes
roteiro: Gueal Arraes, Jorge Furtado
fotografia: Félix Monti
direção de arte: Lia Renha

1500, um novo mundo é descoberto. O jovem pintor Diogo é escolhido para pintar um mapa, mas ao ser enganado por Isabela, é deportado sendo levado por uma caravela que naufraga. Por um milagre ele sobrevive e chega ao litoral do Brasil, onde conhece a Índia Paraguaçu com que inicia um romance e, depois, também com sua irmã Moema.
Era pra ser um roteiro cheio de piadinhas históricas, políticas e ligadas a fatos e costumes mais atuais. Não deixa de ter, mas tudo se perde com um apelo desnecessário a aparições de peitos, pessoas peladas e sexo em demasia.
Não venham me chamar de puritana, mas acredito que nessa produção esse tipo de tema não tinha nada a ver com o contexto geral. 
Não é dos meus preferidos, nem dos médios na escala gostei.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 15 de março de 2012

Babe, o Porquinho Atrapalhado na Cidade



título original: Babe: Pig in The City
gênero: Aventura
duração: 89 min
ano de lançamento: 1998
estúdio: Kennedy Miller Productions, Universal Pictures
direção: George Miller
roteiro: George Miller, Judy Morris, Mark Lamprell, Dick King-Smith
fotografia: Andrew Lesnie
direção de arte: Colin Gibson

Babe descobre que seus donos estão para perder a fazenda, ele parte então para cidade junto de alguns amigos animais e de sua dona para tentar levantar fundos para salvar o lugar.
Mais do mesmo, só que na cidade. Bonitinho, engraçadinhos e tudo o mais, mas talvez desnecessário. 
"Babe, O Porquinho Atrapalhado" foi legal por sua originalidade, assim que uma continuação perde isso o filme passa a não ser mais tão legal.
Entretenimento para crianças, mas não tão interessante.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

Babe, o Porquinho Atrapalhado



título original: Babe
gênero: Aventura
duração: 89 min
ano de lançamento: 1995
estúdio: Kennedy Miller Productions, Universal Pictures
direção: Chris Noonan
roteiro: Dick King-Smith, George Miller
fotografia: Andrew Lesnie
direção de arte: Colin Gibson

A fazendo do Sr. Haggett parece um lugar perfeito se não for levado em conta o pato que acredita ser um galo e o porquinho que, ao nascer, foi criado por um cão e acredita ser um cão pastor. Ele investe tanto nessa atividade que o próprio fazendeiro acaba por inscrevê-lo no Campeonato Nacional de Cães Pastores.
Filmes com animais não são meu forte, principalmente aqueles em que eles falam. Mas esse é uma exceção.
Primeiro porque os efeitos são muito bem feitos; segundo que a história é muito bonita, fala em acreditar em seus sonhos mesmo que para os outros pareçam impossíveis - perfeito para crianças; terceiro e último por ter uma fotografia linda, meio fantasiosa e bucólica.
Destaque para os ratinhos cantores, a cereja do bolo.
Um filme infantil muito bonitinho e agradável. 

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 14 de março de 2012

A Volta do Todo Poderoso



título original: Evan Almighty
gênero: Comédia
duração: 96 min
ano de lançamento: 2007
estúdio: Spyglass Entertainment, Universal Pictures
direção: Tom Shadyac
roteiro: Steve Oedekerk
fotografia: Ian Baker
direção de arte: James Nedza

Evan era o âncora do jornal regional e foi eleito para seu 1º mandato como congressista, ele muda-se para Washington com sua família, porém Deus tem outros planos para ele, que passa a receber estranhas encomendas e visitas de vários animais em sua casa e no seu trabalho. Deus quer que ele construa uma arca para a próxima inundação, mas Evan se mostra resistente a idéia.
Não entendia como poderiam ter criado uma continuação, achava que não daria certo e me surpreendi. A idéia motriz é a mesma mas o tema é outro, tudo ligado a assuntos bíblicos, lógico. Um pouco mais do mesmo, mas não de uma maneira ruim.
Uma coisa que gosto mais nesse que no primeiro, por gosto pessoal mesmo, é Steve Carell no lugar de Jim Carrey; prefiro ele como comediante do que o segundo - que considero muito melhor em papéis sérios. Outro ponto é que aqui não temos só um humorista, mas uma equipe deles, destaque para Wanda Sykes que sempre manda muito bem.
No todo, um pouco mais de diversão no mesmo estilo.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

Todo Poderoso


título original: Bruce Almighty
gênero: Comédia
duração: 101 min
ano de lançamento: 2003
estúdio: Spyglass Entertainment, Universal Pictures
direção: Tom Shadyac
roteiro: Steve Koren, Mark O'Keefe
fotografia: Dean Semler
direção de arte: James Nedza

Bruce é um jornalista, que tem uma bela namorada, mas não anda muito satisfeito com o andamento de sua vida. Vive colocando a culpa em Deus e reclamando de tudo. Até que o próprio resolve aparecer para tirar satisfações com o rapaz e, como castigo, deixa em suas mãos o poder de controlar o mundo por um dia.
Roteiro bem engraçado, principalmente por ser sútil em suas piadas. Tem uma ou outra mais escrachada, mas no todo é mais inteligente, fazendo sátiras com questões bíblicas. 
Jim Carrey me irrita um pouco com suas caretas frequentes, nesse filme ele está um pouco mais aceitável, Jennifer Aniston é quase uma figurante, mas quem se destaca mesmo é Morgan Freeman, que está sensacional no papel de Deus.
Como já disse, as piadas com questões bíblicas são as melhores, como exemplo: [SPOILER/] quando ele divide a sopa vermelha no meio assim como Moisés fez com o mar Vermelho. [\SPOILER]
Uma boa indicação de comédia leve e ao mesmo tempo com um toque inteligente.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 13 de março de 2012

Anjos e Demônios


título original: Angels & Demons
gênero: Suspense, Policial
duração: 138 min
ano de lançamento: 2009
estúdio: Columbia Pictures, Imagine Entertainment
direção: Ron Howard
roteiro: Dan Brown, David Koepp, Akiva Goldsman
fotografia: Salvatore Totino
direção de arte: Alex Cameron

O professor Robert Langdon é chamado para desvendar o desaparecimento de quatro cardeais no Vaticano. O problema é que a igreja impõe restrições a coleta de informações sobre a instituição e ele tem de correr contra o tempo para que, a sociedade secreta por trás dos crimes, não exploda o Vaticano. 
Comecemos pelo seguinte ponto: o livro é muito melhor. Mas deixemos isso de lado, porque se formos nos prender a isso odiaremos um filme ótimo.
Lógico que muitos detalhes da história são deixados de lado ou mudados, há também o fato de o assunto Illuminati não ser muito aprofundado; porém no todo é uma trama policial de qualidade.
Dan Brown tem essa capacidade de criar conspirações muito bem elaboradas. Para quem leu/viu "O Código DaVinci", Anjos e Demônios já fica mais fácil de seguir a linha de raciocínio e até de suspeitar do final, mesmo assim ele consegue surpreender. Já para quem nem chegou perto do primeiro bestseller, acaba encontrando aqui um roteiro que envolve suspense, assuntos interessantes - e misteriosos - sobre a história mundial e uma conspiração contra e /ou dentro da Igreja Católica.
Em termos visuais é uma super produção, com grandes tomadas e explosões. Pena que quando assisti no cinema acabei sentando na primeira fileira, pois todo o cinema estava lotado, e não deu pra aproveitar decentemente.
O Tom Hanks não era bem o ator que eu imaginava pro personagem principal quando li os livros, mas consegui superar isso no primeiro filme.
Um bom thriller , que supera o susto. Uma boa ação, que supera as explosões. Vale a pena assistir, mas preste bem atenção a cada detalhe.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb