terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Letra e Música


título original: Music and Lyrics
gênero: Comédia Romântica
duração: 96 min
ano de lançamento: 2007
estúdio: Castle Rock Entertainment
direção: Marc Lawrence
roteiro: Marc Lawrence
fotografia: Xavier Pérez Grobet
direção de arte: Patricia Woodbridge

Um decadente astro da música pop da década de 80 vê a chance de voltar ao estrelato quando uma atual diva pop o convida para compor uma música para ela e que eles façam um dueto. O problema é que ele não compõe a muito tempo, mas ele vê uma possível salvação se a moça que cuida das plantas aceitar o ajudar.
Roteiro de comédia romântica, com as mesmas idéias, sequências e "surpresas" de sempre.
O que se destaca sem dúvida alguma é a sintomia entre Hugh Grant e Drew Barrymore.
De resto, o que faz o filme valer a pena é ver Hugh Grant integrante de uma boyband da década de 80. Uma piada com as que existiram, com seus estilos de roupas e danças.
Prepare-se para ficar com "Pop! Goes my heart" grudada na cabeça.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

O Golpista do Ano


título original: I Love You Phillip Morris
gênero: Comédia
duração: 102 min
ano de lançamento: 2009
estúdio: Europa Corp. 
direção: Glen Ficarra, John Requa
roteiro: Glen Ficarra, John Requa
fotografia: Xavier Pérez Grobet
direção de arte: Helen Harwell

Steven é um homem que tem um trabalho modesto, um casamento feliz e vai a igreja freqüentemente. Após um grave acidente ele resolve assumir sua homossexualidade e mudar totalmente sua vida.Porém, a vida que deseja é muito cara, e para vivê-la passa a se sustentar de pequenos golpes.
Disseram que a história é baseada em fatos reais, eu queria as fontes. Sempre suspeito de filmes que dizem isso, me parecem querer alavancar um roteiro fraco com o argumento que é uma história de verdade. Um ponto que achei interessante é o namorado do personagem principal ter o mesmo nome de uma empresa de cigarros, Phillip Morris.
A história de um golpista pode render um bom roteiro, mas não foi o que vi aqui. Achei tudo muito passado por cima, ele consegue dar os golpes facilmente. Por exemplo, em um momento da história ele se passa por advogado, chega até a ir a um tribunal, mas como ele chega a esse ponto sem ninguém desconfiar? Outra coisa, ele volta a cadeia onde esteve preso como advogado e ninguém o reconhece? Forçado é a palavra que define.
Jim Carrey de gay não me convenceu nem um pouco. Não que tenha que ser aquela interpretação escandalosa e estereotipada, de jeito algum. Mas achei que parecia mais que ele se fingia ser gay para tirar vantagem dos rapazes, apesar da realidade ser outra. A melhor atuação do filme é de Ewan McGregor.
Talvez por ser um ator brasileiro, Rodrigo Santoro, aparece em destaque na capa do DVD nacional, mas conforme você vai vendo o filme percebe que ele é um personagem secundário.
Provavelmente eu tivesse gostado mais se o filme estivesse na prateleira certa. O peguei na de comédia, e definitivamente esse filme é tudo menos uma comédia, mesmo o Empire o definindo como : "A melhor comédia do ano". Isso só faz me faz pensar em uma coisa - 2009 foi muito ruim em produção de comédias para esse ser considerado o melhor.

CLASSIFICAÇÃO: RUIM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

domingo, 29 de janeiro de 2012

Cavalo de Guerra

título original: War Horse

gênero: Guerra
duração: 146 min 
ano de lançamento: 2011
estúdio: DreamWorks SKG, 
direção: Steven Spielberg
roteiro: Lee Hall, Richard Curtis, Michael Morpurgo

fotografia: Janusz Kaminski

Um potro é vendido ao exército no início da Primeira Guerra Mundial e se torna um cavalo de batalha. Sua coragem toca os soldados enquanto ele sente falta de seu dono e deseja retornar a ele.

Concorreu em várias categorias no Oscar, eu só concordei com o Melhor Mixagem e Melhor Fotografia, por se tratar de um filme épico ambos são muito bem trabalhados.
Porém, roteiro é bem próximo a qualquer outro sobre esperança (com final feliz) ou sobre a amizade entre animais e humanos. Quer dizer, emotivo demais, aquela coisa batida e beirando o dramalhão.

Você sabe na primeira cena qual vai ser o final.
Se não tivesse concorrendo ao Oscar aceitaria melhor, mas para mim foi superestimado.
Ah, e o cavalo é muito melhor ator que o protagonista.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

Grease - Nos Tempos da Brilhantina

título original: Grease
gênero: Musical
duração: 110 min 
ano de lançamento: 1978
estúdio: Paramount Pictures
direção: Randal Kleiser
roteiro: Jim Jacobs, Warren Casey 
fotografia: Bill Butler

Danny e Sandy tem um amor de verão e, por ela ter que voltar para a Austrália, terminam o namoro. Mas por uma mudança de planos ela acaba ficando na Califórnia e se matriculando na mesma escola que ele. Danny, para se fazer de garanhão, esnoba a moça e finge não estar apaixonado; ela então tenta reconquistá-lo.
O roteiro romântico serve de pano de fundo para retratar o comportamento da juventude na década de 50. As influências do rock e ainda possível inocência. Pode até parecer uma história clichê e previsível, mas encanta - principalmente pelas coreografias e músicas (mesmo se você nunca assistiu, provavelmente conhece alguma música).
John Travolta encontra-se no seu auge, pouco tempo depois de ter estourado com "Embalos de Sábado a Noite", Olivia Newton-John até enjoa de tão doce e delicada e faz, e fez, os homens babarem quando se transforma ao decorrer do filme.
Para os apaixonados por musicais, esse é obrigatório.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sábado, 28 de janeiro de 2012

127 Horas

título original: 127 Hours
gênero: Aventura
duração: 94 min 
ano de lançamento: 2010
estúdio: Cloud Eight Films, 
direção: Danny Boyle
roteiro: Danny Boyle, Simon Beaufoy, Aron Ralston
fotografia: Enrique Chediak, Anthony Dod Mantle 
direção de arte: Christopher R. DeMuri

Aron, um alpinista americano, em uma de suas escaladas desloca uma pedra e fica com seu braço prensado. Passa então mais de 5 dias tentando se soltar.
Baseado no livro em que o próprio rapaz narra sua história, o roteiro é angustiante. Estou lendo o livro e ia esperar acabá-lo para ver o filme, só que como ia passar na TV resolvi não perder a chance.
Assim como no livro, de mais de 400 páginas, ele já fica com o braço preso na página 40; no filme de 1h30, aos 15 minutos ele já se encontra no mesmo estado. Isso pode dar a impressão que a história é arrastada e cansativa, mas impressionantemente não é.
A maneira como a história é conduzida, com alguns flashbacks no meio e com uma trilha sonora muito animada, dá uma dinâmica boa ao filme.
James Franco, praticamente o único personagem do filme, está magnífico! Todo o pessimismo, as alucinações, desesperos e esperanças do personagem são passados com uma veracidade de impressionar. Depois de vê-lo nessa forma, fiquei um pouquinho em dúvida se não tria merecido o Oscar de melhor ator ano passado no lugar de Colin Firth por "O Discurso do Rei".
Além da trilha, fotografia e interpretação incríveis, o roteiro ainda passa aquela mensagem bacana de como devemos valorizara vida.
Super recomendo! Mas prepare-se para cenas muito fortes.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

As Aventuras de Tintim

título original: The Adventures of Tintin
gênero: Animação 
duração: 107 min 
ano de lançamento: 2011 

estúdio: Columbia Pictures, Paramount Pictures
direção: Steven Spielberg
roteiro: Steven Moffat, Edgar Wright, Joe Cornish, Hergé 

direção de arte: Andrew L. Jones, Jeff Wisniewski

Tintim, um repórter que sempre se envolve em aventuras, compra a miniatura de uma embarcação e se vê sendo perseguido por Sakharine, acaba indo parar no barco do capitão Haddock e junto a ele tenta bolar um plano para descobrir esse mistério e se livrar do perseguidor.
Desapegue-se da estética antiga de Tintim para assistir a esse filme, se não você poderá acabar se frustando por besteira.
Muita aventura, muita ação e ainda a origem da amizade entre Haddock e Tintim. 
Spielberg criou sim algo novo em cima desse personagem clássico, mas dentro da trama fez várias homenagenzinhas ao criador original, muito amor.
Lindo, nostálgico e agradável.


CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO
 

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

O Segredo dos Seus Olhos



título original: El secreto de sus ojos
gênero: Drama, Suspense
duração: 129 min
ano de lançamento: 2009
estúdio: Tornasol Films, Haddock Films
direção: Juan José Campanella
roteiro: Eduardo Sacheri, Juan José Campanella
fotografia: Félix Monti
direção de arte: Marcelo Pont Vergé

Benjamin, após se aposentar do Tribunal Penal, resolve escrever um romance baseado em uma história que vivenciou. Enquanto revive suas memórias sobre o assassinato que investigou, também mergulha no romance que teve com sua chefe.
Suspense dos bons. Mesmo quando a revelação final já está próxima, eu ainda não fazia idéia do que se tratava. 
Construído por flashbacks, situações no presente e possíveis partes do romance escrito pelo personagem principal, no final fica a dúvida do que realmente aconteceu ou não.
A fotografia é de encher os olhos e o elenco está a altura do roteiro.
Infelizmente, como brasileira, preciso assumir uma coisa: os filmes argentinos estão, em qualidade de roteiro e produção, muito acima das produções brasileiras. Eles sabem trabalhar histórias aleatórias, que não tenham ligação com as características do próprio país, como nos nossos filmes onde só se fala de violência, favela e putaria.
Mesmo com os flashbacks acontecendo em épocas de repressão, o assunto não é o tema principal.
Ricardo Darín cada vez me surpreende mais. Preciso muito re-assistir "O Filho da Noiva" onde peguei birra dele pra desfazer esse engano.
Não é atoa tudo que falam desse filme. Assistam e se deliciem com um suspense latino-americano de alta qualidade.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Hairspray - Em Busca da Fama


título original: Hairspray
gênero: Musical
duração: 117 min
ano de lançamento: 2007
estúdio: New Line Cinema
direção: Adam Shankman
roteiro: Leslie Dixon, John Waters
fotografia: Bojan Bazelli
direção de arte: Dennis Davenport

O sonho de todo adolescente em 1962 é aparecer no programa de dança mais famoso da TV. Tracy, uma garota gordinha, faz os testes e consegue entrar para o corpo de baile. Ela logo faz sucesso e passa a ter de disputar o principal posto com uma garota padrão Barbie, além de Link - garoto do qual ambas gostam.
Roteiro bonitinho, e com uma linha fácil de raciocínio bem ao estilo de qualquer musical. O decorreu é previsível e o final óbvio.
O que entra em discussão aqui não é só o preconceito estético contra a gordinha, mas também a segregação racial existente na sociedade americana.
Músicas gostosinhas, principalmente essa, minha preferida pois concordo muito com o que ele diz - acho a raça negra linda. 
Michelle Pfeiffer está ótima de vilã; Nikki Blonsky conquista o público com sua simpatia, mas o destaque fica para John Travolta muito bem caracterizado e em uma interpretação incrível como mãe da personagem principal.
Musical pode não ser um gênero que a maioria gosta, mas duvido que você assista sem pelo menos balançar o pé ao som das músicas.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

Zoando na TV


gênero: Comédia
duração: 90 min
ano de lançamento: 1999
estúdio: Globo Filmes
direção: José Alvarenga Jr. 
direção de arte: Fábio Alexandre

Angel, uma moça que sonha em casar tradicionalmente tem de recuperar seu noivo que foi engolido pela TV ao ser seduzido por uma moça na telinha. Para isso ela mergulha nesse mundo paralelo também.
Produção da Globo pra ir direto pra Sessão da Tarde. É quase uma Malhação, só que com atores com um pouquinho mais de calibre do que os iniciantes do seriado juvenil.
Roteiro ruim, fotografia ruim, humor ruim. Eu teria vergonha de ter participado dessa produção.

CLASSIFICAÇÃO: PÉSSIMO

Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Blade Runner, O Caçador de Andróides


título original: Blade Runner
gênero: Ficção Científica
duração: 117 min
ano de lançamento: 1982
estúdio: The Ladd Company, Warner Bros. Pictures
direção: Ridley Scott
roteiro: Hampton Fancher, David Webb Peoples
fotografia: Jordan Cronenweth
direção de arte: David L. Snyder

Em 2019 uma grande companhia está tendo problemas com os andróides que criou - tão fortes e inteligentes quanto humanos - que estão criando motins contra seus criadores. A partir disso um esquadrão da polícia passa a caçar esses replicantes para "removê-los" da sociedade.
Como os leitores mais assíduos já sabem, não sou muito fã do gênero sci-fi, mas esse daqui é um caso a parte. Posso até dizer que gostei viu.
O mais interessante aqui é, observando do ponto de vista de 2012, como era engraçado o modo como em 1982 as pessoas achavam que hoje em dia as coisas seriam absurdamente diferentes. Lógico que muita coisa mudou, mas não a ponto de termos carros voadores e humanóides.
Harrison Ford faz um Indiana Jones do futuro. Rutger Hauer é a cereja do bolo. Daryl Hannah, está ótima no papel de uma andróide, afinal antes mesmo de encher a cara de botox seu trabalho já era robotizado.
O mais bacana nesse filme são as relações que fazem com a religião, com as questões da vida e pós-morte.
Os efeitos especiais são muito bem casados com o ambiente soturno. Só achei as lutas um pouco forçadas, mas talvez assim sejam para mostrar o quanto os andróides eram fortes.
Aluguei o box que vinha com 3 DVDs. Sem perceber, assisti a versão do diretor - que foi lançado em 1992. Com um final que deixa a atitude do personagem principal no ar, o roteiro ficou melhor trabalhado. Aí resolvi fuçar nos outros discos e descobri a versão que o estúdio obrigou o diretor laçar e que fez, na época, o filme ser um fracasso. Totalmente justificado, tentaram romantizar, colocando um final muito próximo do "felizes para sempre".
Para que ainda não viu, se puder assista a versão do diretor, essa sim justifica toda a aura de "sci-fi cult"que ele leva.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Bom Dia, Vietnã!


título original: Good Morning, Vietnam
gênero: Drama, Guerra, Comédia
duração: 121 min
ano de lançamento: 1987
estúdio: Touchstone Pictures
direção: Barry Levinson
roteiro: Mitch Markowitz
fotografia: Peter Sova
direção de arte: Steve Spence

Guerra do Vietnã. Um aeronauta é transferido para Saigon para ser DJ na rádio operada pelo governo americano. Indo contra as orientações dadas, ele toca músicas não autorizadas e dá notícias não aprovadas, além de fazer muitas piadas que seus superiores não gostam. Apesar disso, ele ganha apoio dos soldados que gostam de seu estilo despojado.
A censura dos militares sob seus comandados, que estão em uma área mais pacificada do Vietnã, para que acreditem que não correm perigos e que a situação está sob controle. Nada que instigue o medo pode ser mostrada pelos DJs. 
Roteiro ótimo! Aqui mostra bem como, mesmo querendo ser o herói, o exército americano provocou a destruição de famílias e da sociedade vietnamita, acreditando fazer um bem a eles. O personagem de Robin Williams aqui, representa o esclarecido, que não se deixa ser cegado por aqueles que se acham donos da verdade.
O sofrimento da guerra é amenizado na vida dos soldados, pela apatia que as rádios passam por responsabilidade de seus superiores.
Detalhes a parte do filme: o tenente interpretado por Bruno Kirby que não vê graça nas piadas do aeronauta, se acha engraçado mas não tem sucesso quando tenta fazer piadas. Robin Williams levando para o filme piadas de seu show stand-up e improvisando em boa parte do filme. 
O que pode te fazer não achar tanta graça nas piadas é o fato da maioria ter ligação com situações da sociedade e cultura americana da década de 60 ou situações vividas pelos soldados na guerra. Uma ou outra coisa dá pra entender, mas talvez seja mais engraçado para aqueles que viveram na época.
Recomendo muito que assistam!
[SPOILER/] Uma das cenas finais é uma das mais duras e bonitas que já vi, uma crítica a guerra de uma maneira delicada: enquanto prédios explodem, pessoas são mortas e torturadas, florestas pegam fogo, ao fundo toca "What a wonderful world" na voz de Louis Armstrong. [\SPOILER]

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

domingo, 22 de janeiro de 2012

Entre Lençóis


gênero: Romance
duração: 88 min
ano de lançamento: 2008
estúdio: Centauro Filmes, Code 7 Entertainment
direção: Gustavo Nieto Roa
roteiro: Rene Belmonte
fotografia: Márcio Zavarezzi

Paula e Roberto se conhecem em uma balada. Sem trocar muitas palavras, já começam a se beijar e acabam juntos em um motel. O que era pra ser apenas uma noitada, acaba se tornando um encontro intenso, que mistura envolvimento e falta de compromisso.
A idéia, a princípio, até poderia ser boa. Afinal o roteiro consegue passar por todas as fases de um relacionamento dentro da primeira noite de um casal. 
Só que fica bem forçado por conta dos atores principais, e únicos do filme todo. Sério, se é pra fazer uma produção com apenas dois atores, escolhe dois que mandam muito bem e não dois que são picolés de chuchu. Do começo a carreira pra cá, até que vi uma evolução no trabalho do Reynaldo Gianecchini. Agora, a Paola Oliveira é sofrível.
No final das contas, estragaram um filme que poderia até ser bom, porque focaram mais em colocar um casal bonito e excitante do que garantir interpretações dignas.

Obs. a parte: fui ver esse filme no Shopping Tatuapé e conseguiu ficar pior do que era porque a mulherada gritava quando o Giane aparecia de cueca e os homens por causa da Paola. Quer dizer, pessoal perdeu a noção de como se comportar no cinema . =/

CLASSIFICAÇÃO: RUIM

Ficha Técnica: IMDb

sábado, 21 de janeiro de 2012

Muito Gelo e Dois Dedos D'Agua


gênero: Comédia
duração: 108 min
ano de lançamento: 2006
estúdio: Lereby Productios, Globo Filmes
direção: Daniel Filho
roteiro: Alexandre Machado, Fernanda Young
fotografia: Nonato Estrela
direção de arte: Claudio Amaral Peixoto

Duas irmãs, que foram atormentadas na infância pela avó, resolvem levá-la para a casa de praia da família e se vingarem de tudo que a senhora fez com elas. Junto vai, sem querer, o amigo de uma delas. E o marido da outra fica cismado coma situação quando vê que todos seus remédios sumiram.
O roteiro é de arrancar gargalhadas. Bem a cara da Fernanda Young. Aquele humor ácido, inteligente e besteirol ao mesmo tempo.
E não é por nacionalismo não, mas acho as interpretações brasileiras uma das melhores do mundo. Infelizmente não fizeram as melhores escolhas aqui. Tenho um pouco de birra da Mariana Ximenes, tenho impressão que ela se importa mais em posar para as câmeras e parecer bonita do que realmente se dedicas ao personagem.
O som e as imagens também deixam a desejar.
No todo, por mais que pudesse ser uma ótima produção nacional, e que o roteiro segure as pontas, fica só parecendo mais um daqueles filmes para passar direto na TV.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

60 Segundos


título original: Gone in Sixty Seconds
gênero: Ação
duração: 118 min
ano de lançamento: 2000
estúdio: Touchstone Pictures
direção: Dominic Sena
roteiro: Thomas Harris, Ted Tally
fotografia: Paul Cameron
direção de arte: Andrew Laws, Stacey R. Litoff

Memphis é um renomado ladrão de carros que consegue agir em apenas 60 segundos e enganar toda a polícia. Depois de muito tempo agindo, o círculo começou a fechar a sua volta e ele resolve parar com esse tipo de atividade. Mas, em pouco tempo terá que voltar a tona para salvar a vida do irmão mais novo que resolveu seguir seus passos.
A trilha é ótima, já o roteiro é aquele clássico filme de ação bem agitado, principalmente por envolver carros, parece seguir uma formulazinha pronta. Vide "Velozes e Furiosos".
Nicolas Cage mantém aquele nível de atuação de sempre. Fraco e igual em todos os personagens que faz. Quanto a Jolie, nem lembrava mais que ela estava nesse filme.
Só serve pra elevar seu nível de adrenalina enquanto você está esparramado no sofá. 

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

O Silêncio dos Inocentes

título original: The Silence os the Lambs
gênero: Suspense
duração: 118 min
ano de lançamento: 1991
estúdio: Orion Pictures Corporation
direção: Jonathan Demme
roteiro: Thomas Harris, Ted Tally
fotografia: Tak Fujimoto
direção de arte: Tim Galvin

Uma agente novata do FBI está a procura de um assassino que arranca a pele das mulheres que mata. Para traçar um perfil dele procura a ajuda de um outro psicopata preso, que cometia atrocidades semelhantes. Porém ele, Hannibal Lecter, um psiquiatra canibal, quer favores em troca da ajuda como um lugar melhor para ficar preso e informações sobre a vida pessoal da agente.
Eu amo suspense. Eu amo tramas que envolvem jogos psicológicos. Eu adoro mais ainda filmes que entram dentro da mente de psicopatas. Agora pense o quanto gosto desse filme.
O roteiro é bem elaborado e a história tem um fluxo inteligente e inteligível. Os personagens não são superficiais, muito pelo contrário, são tão bem elaborados que chegam ao ponto de, de certa forma, conduzirem o filme com seu próprio conteúdo.
É asqueroso e contagiante a maneira como são mostradas as cenas de canibalismo e tortura.
E o Anthony Hopkins? Precisa falar alguma coisa? É "só" seu personagem mais famoso. Pra mim o nome dele e do personagem são sinônimos. Não tem como pensar em um sem pensar no outro.
De longe, um dos melhores suspenses da história do cinema. E um dos meus filmes favoritos.

CLASSIFICAÇÃO: MARAVILHOSO

Poster e Fica Técnica: IMDb

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Miss Simpatia 2


título original: Miss Congeniality 2: Armed and fabulous
gênero: Comédia
duração: 115 min
ano de lançamento: 2005
estúdio: Castle Rock Entertainment
direção: John Pasquin
roteiro: Marc Lawrence, Katie Ford
fotografia: Peter Menzies Jr.
direção de arte: Andrew Max Cahn, Greg Richman

Após combater uma ameaça terrorista em um concurso de Miss, Gracie vira uma celebridade, só que isso a atrapalha em trabalhos que exija disfarce. Ela então é direcionada para ser o rosto oficial do FBI nos programas de TV. Porém quando a vencedora do concurso em que participou e o apresentador são sequestrados, ela e uma colega com quem não se dá muito bem são designadas para resolverem, juntas, o caso.
Ai essa insistência em querer ganhar dinheiro em cima de algo que fez sucesso! Que birra tenho disso. O primeiro foi muito divertido, mas esse não é lá essas coisas.
Não digo que não dá pra rir também, por que dá. Mas deixa a desejar.
Sandra Bullock e Regina King, arrancam risos com suas discussões e a cena em que dançam juntas é bem divertida.
Mas no todo, talvez sirva somente pra passar o tempo.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Miss Simpatia


título original: Miss Congeniality
gênero: Comédia
duração: 109 min
ano de lançamento: 2000
estúdio: Castle Rock Entertainment
direção: Donald Petrie
roteiro: Marc Lawrence, Katie Ford
fotografia: László Kovács 
direção de arte: Ray Kluga

Gracie, uma moça um tanto quanto abrutalhada e sem modos, que trabalha para o FBI, tem de enfrentar um dos piores casos de sua vida: ao ficarem sabendo que terroristas querem explodir uma bomba no concurso Miss Estados Unidos, resolvem colocá-la como infiltrada lá dentro para observar tudo de perto. O mais difícil será fazer com que ela se pareça com uma Miss.
Comédia das boas. Talvez mais voltado para o público feminino quanto as piadas, mesmo assim acredito poder divertir a todos. Uns mais, outros menos.
Sandra Bullock, pra mim, está em uma de suas melhores formas. A personagem dela pode ser considerada uma anti-heroína, se tratando de uma quase comédia romântica. Tira sarro claramente dos costumes americanos que levam muitas meninas a serem bulímicas e anoréxicas buscando um padrão de beleza irreal.
Bem comercial, mas bem divertido também.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Mickey Olhos Azuis



título original: Mickey Blue Eyes
gênero: Comédia, Policial
duração: 102 min
ano de lançamento: 1999
estúdio: Castle Rock Entertainment
direção: Kelly Makin
roteiro: Adam Scheinman, Robert Kuhn
fotografia: Donald E. Thorin
direção de arte: Tom Warren

Um leiloeiro de Nova York resolve pedir sua namorada em casamento. Ela, sem explicações, recusa o pedido. Ele então descobre que a moça faz parte de uma importante família de mafiosos e que, se realmente quiser casar com ela, terá que lidar primeiro com a família.
Comédia com máfia. Pronto, já ganhou pontos comigo. Lógico que tudo é bem caricato, principalmente a família italiana de mafiosos. Tudo aqui é feito para diversão.
O que gostei bastante aqui é que pegaram vários atores que já tem experiência no ramo, digamos assim. James Caan fez "O Poderoso Chefão", Burt Young participou de "Era uma vez na América", Joe Viterelli está em "Máfia no Divã", e Tony Darrow e Vincent Pastore fizeram "Os Bons Companheiros". Quer dizer, o elenco já é especialista, como poderia dar alguma coisa errada com as interpretações? Só Hugh Grant que continua, como sempre, daquele jeito dele, só um pouco menos canastrão.
Para se divertir e dar risada com perseguições, assassinatos encomendados e pessoas de sangue frio.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

domingo, 15 de janeiro de 2012

Doze Homens e Outro Segredo


título original: Ocean's Twelve
gênero: Policial, Ação
duração: 125 min
ano de lançamento: 2004
estúdio: Warner Bros. Pictures
direção: Steven Soderbergh
roteiro: George Nolfi, George Clayton Johnson, Jack Golden Russell
fotografia: Peter Andrews
direção de arte: Tony Fanning

A gangue é obrigada a se reunir novamente quando o dono de cassinos, que foi roubado no primeiro filme, pede uma grana preta a eles para que não os entregue a polícia. Eles partem então para a Europa planejando um novo roubo, mas tendo de lidar com uma agente do FBI que está na colas dele e um grande rival.
Mesmo seguindo a mesma fórmula do primeiro, o roteiro acaba parecendo mal formulado e com várias pontas que vão sendo deixadas soltas ao decorrer da história. 
Sim, você espera um final e acaba sendo outro, a trilha sonora e cenários continuam ótimos, o elenco se mantém estrelar, mas não ficou lá aquela maravilha.
Talvez seja só implicância da minha parte, mas sempre que escuto que um filme que gostei muito vai ter continuação, já fico decepcionada antes de estrear.
Pode ser um bom divertimento, mas um pouco fraco e confuso.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sábado, 14 de janeiro de 2012

Onze Homens e Um Segredo

título original: Ocean's Eleven
gênero: Policial, Ação
duração: 116 min
ano de lançamento: 2001
estúdio: Warner Bros. Pictures
direção: Steven Soderbergh
roteiro: George Clayton Johnson, Jack Golden Russell, Harry Brown, Charles Lederer, Ted Griffin
fotografia: Steven Bernstein
direção de arte: Eric Norlin

Danny Ocean sai da cadeia e, menos de 24 horas depois, já está com uma nova idéia na cabeça. Ele reúne então 11 homens para colaborarem com o plano de roubar três cassinos durante a final do título de pesos-pesados. 
Remake, o original de 1960 ainda não vi e preciso fazer isso urgente. Ouvi falar que o plano do original é menos mirabolante e chega até a parecer inocente perto desse.
O roteiro é inteligente, bem tramado e com um final que, quando você acha que está entendo, te vira a cabeça do avesso novamente. 
Trilha sonora maravilhosa e elenco cheio de estrelas, inclusive parece que um fica tentando chamar mais a atenção que o outro o tempo todo.
Pode ser comercial, mas está acima dos padrões com certeza. Uma diversão que bota sua cabeça pra funcionar.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

As Branquelas

título original: White Chickens
gênero: Comédia
duração: 109 min
ano de lançamento: 2004
estúdio: Revolution Studios
direção: Keenen Ivory Wayans
roteiro: Keenen Ivory Wayans, Shawn Wayans, Marlon Wayans, Andrew McElfresh, Michael Anthony Snowden, Xavier Cook
fotografia: Steven Bernstein
direção de arte: Eric Norlin

Dois irmãos, detetives do FBI, estão para serem demitidos por fracassarem em suas missões. Quando é descoberto o plano de sequestrar duas irmãs mimadas, o plano é entregue a dupla rival e eles são escalados para escoltá-las. Por causa de um acidente no trajeto, elas ficam levemente feridas, mas se recusam a ir ao evento. Para não perderem então o emprego, os irmãos resolvem se passar pelas meninas.
Quantas vezes eu já não falei mal de besteirol americano por aqui? Mas dessa vez será diferente. Não que esse fuja dos padrões, afinal o roteiro é de baixo nível, cheio de cenas e diálogos apelativos . Mesmo assim é engraçado. O tipo de filmagem também segue o mesmo padrão, que parece ter sido feito para a TV e não para o cinema.
Mas como eu chorei de rir! Tudo bem que não gostei muito da maioria das produções que os irmãos Shawn e Marlon Wayans participam, como "O pequenino", "Todo mundo em pânico", etc. Mas a maquiagem deles está muito bem feita e a maneira que tentam se passar como patricinhas de Beverly Hills é ótimo!
Destaco principalmente Terry Crews que foi o principal culpado pelas minhas crises de riso nesse filme. Peguei mais gosto ainda pelo ator uma semana atrás que estava de recesso e pude assistir "Todo mundo odeia o Chris" a semana toda e me diverti bastante.
Pela primeira vez na história desse blog posso dizer: estou recomendando um besteirol.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

171


título original: Criminal
gênero: Policial, Comédia
duração: 87 min
ano de lançamento: 2004
estúdio: Criminal Films Inc., Warner Bros. Pictures
direção: Gregory Jacobs
roteiro: Fábian Bielinsky, Gregory Jacobs
fotografia: Chris Menges

Dois trapaceiros de Los Angeles se envolvem em um esquema fraudulento um certificado falsificado raríssimo, muito desejado por colecionadores. Conforme o tempo vai passando eles começam a perceber que a coisa não é bem como imaginavam.
Fiquei sabendo agorinha, enquanto pesquisava informações técnicas desse filme para escrever o texto, que na verdade esse é um remake de outro filme argentino chamado "Nove Rainhas". Como ainda está na minha lista de espera para ver, não tenho como comparar os dois, mas vendo pelos comentários que já vi e por gostar das produções argentinas que já assisti, acredito que eu vá gostar mais do original. 
Mesmo assim, gostei bastante desse filme. A trama é interessante, bem conduzida e mistura cenas engraçadas com o desenvolvimento bem feito dos golpes.
Pra mim se destaca aqui Diego Luna, ator que já tinha me chamado a atenção em "E Sua Mãe Também".
Recomendo, é uma trama de bandido bem feita e divertida. Ótima opção. Quando eu assistir original falo na crítica dele qual é melhor, afinal.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Romance

gênero: Romance
duração: 100 min
ano de lançamento: 2008
estúdio: Globo Filmes, Natasha Filmes
direção: Guel Arraes
roteiro: Guel Arraes, Jorge Furtado
fotografia: Adriano Goldman
direção de arte: Marlise Storchi

Ana e Pedro se conhecem na montagem da peça Tristão e Isolda e se apaixonam. Ao mesmo tempo em que vivem esse casal tão marcante no palco, tentam manter um relacionamento saudável na vida real. Ao falar sobre o amor eles vivem uma história de amor.
Com um elenco de primeira, dava pra esse filme não dar certo? Tudo bem, pode ser um pouco de açúcar demais para uma parcela da sociedade, mas o mais bacana aqui é a maneira que fazem um paralelo entre o romance do casal de atores e a história de Tristão e Isolda ao mesmo tempo que fazem um roteiro dos relacionamentos. 
Outro ponto que faz valer a pena é o ar do teatro que o filme todo carrega, não só por passar boa parte dentro do mesmo, mas pelas interpretações serem carregadas de drama, como bem convém a atores teatrais.
É bonito e tocante. 

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

O Maior Amor do Mundo


gênero: Romance
duração: 106 min
ano de lançamento: 2006
estúdio: Globo Filmes, Natasha Filmes
direção: Carlos Diegues
roteiro: Lauro Escorel
fotografia: Lauro Escorel

Um astrofísico brasileiro, que dá aulas em uma universidade americana, volta ao Brasil para receber um prêmio do governo. Pouco antes disso descobre ter um tumor no cérebro. Quando chega então ao Rio passa a procurar pela verdadeira identidade de seus pais biológicos e pela sua própria origem.
Tinha tudo para ser uma história marcante, não que deixe de tocar os sentimentos, mas acho que não foi estruturada com a profundidade necessária. Algumas cenas talvez não tão necessárias enfraquecem o roteiro, prova de como o resto não criou tanta força, para ser destruído por poucas coisas.
Outro ponto que achei desnecessário, é essa obsessão das produções nacionais em colocar favela e violência em todo e qualquer filme. Não é porque é uma realidade do país que precisa ser exibido o tempo todo. Se a história fosse focada somente no drama de vida do personagem principal ficaria bem melhor.
A trilha é bonita e o clima pesado do filme dão um toque a mais. José Wilker mostra porque é um ótimo ator, mesmo com um personagem um pouco sem sal.
Não deixa de ser tocante, mas poderia ser bem melhor.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Tudo Por Amor


título original: Dying Young
gênero: Drama
duração: 111 min
ano de lançamento: 1991
estúdio: Fogwood Films, Twentieth Century Fox Film Corporation
direção: Joel Shumacher
roteiro: Martin Leimbach, Richard Friedenberg
fotografia: Juan Ruiz Anchía
direção de arte: Guy J. Comtois, Richard L. Johnson


Victor, um rapaz de família rica, está em tratamento contra leucemia. Ele contrata então uma moça para cuidar dele. Eles acabam se apaixonando, mas isso pode trazer consequências para ambos.
Quando assisti esse filme, era muito nova, por isso talvez não me lembre de alguns detalhes.
Se que chorei muito e que é uma história extremamente triste.
Porém, observando hoje em dia, vejo que também é clichê em vários pontos. Comecemos pelo personagem doente, filmes que envolvem tais figuras costumam explorar bastante a dor - física e emocional - que essa pessoa passa. Outro ponto batido é alguém se apaixonar pela pessoa doente e ambos viverem momentos intensos e marcantes até o fatídico fim. Prova de ser um tema recorrente: "Cidade dos Anjos", "Doce Novembro" e provavelmente alguns mais.
Mesmo assim, não deixa de ser uma história marcante. Com certeza é uma ótima opção para quem quer ver um "filme pra chorar".


CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

domingo, 8 de janeiro de 2012

Longe Dela

título original: Away From Her
gênero: Drama
duração: 110 min
ano de lançamento: 2006
estúdio: The Film Farm
direção: Sarah Polley
roteiro: Sarah Polley, Alice Munro
fotografia: Luc Montpellier
direção de arte: Benno Tutter

Um casal vive feliz a muitos anos juntos. Durante um tmepo ela começa a presentar alguns sintomas preocupantes e, após alguns exames, vem a confirmação: ela está com Alzheimer. Depois d emuito relutar, aceite ir para uma clínica d etratamento, porém uma das regras é ficar 30 dias sem receber visitas. Nesse tmepo ela passa a se afeiçoar por outro paciente e seu marido tem então que se acostumar com a idéia de ser apenas um amigo.
Que roteiro impressionante! Vemos nessa história uma maneira tocante,delicada, bonita e ao mesmo tempo triste de se retratar um assunto sério como esse.
Julie Christie está em ótima forma, sua personagem é tão perfeita e realista que diria ser possível ver suas lembranças e vida esvaindo-se por seus olhos durante o decorrer da história.
Reserve um tempo para ver esse filme, é muito lindo! Mas prepare os lenços, duvido que termine de assistir sem ter chorado no mínimo uma vez.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb