terça-feira, 10 de maio de 2011

Bruna Surfistinha

título original:Bruna Surfistinha
gênero:Drama
duração:1 hr 49 min
ano de lançamento: 2011
estúdio: TV Zero | Damasco Filmes e RioFilme (coprodutores)
distribuidora: Imagem Filmes
direção: Marcus Baldini
roteiro: Antonia Pelegrinno, Homero Olivetto e José Carvalho, baseado em livro de Raquel Pacheco
produção: Rodrigo Letier, Roberto Berliner e Marcus Baldini
fotografia: Marcelo Corpanni
direção de arte: Luiz Roque
figurino: Leticia Barbieri
edição: Manga Campion

Garota de classe média alta, adotada, larga tudo para virar garota de programa. Passa então de Raquel Pacheco a Bruna Surfistinha, criando um blog onde narra suas experiências e ficando famosa por todo o país.
Fiz questão de ler o livro antes de assistir o filme, ô tempinho perdido na minha vida. Achei que seria mais a história dela, é puramente erótico, mas nas partes em que fala de sua infância e adolescência já mostra bem como era seu caráter.
Não vou entrar no mérito aqui de quanto a considero ingrata, uma garota que deu sorte de ser adotada por uma família de bem, sendo que poderia ter crescido em um orfanato, mas virou as costas para aqueles que a apoiaram pra virar puta. cada um pensa o que quiser da opção dela, eu não concordo. Principalmente por que acho que se a pessoa busca independência financeira tem muitas outras opções mais dignas, é gente que quer dinheiro fácil.
Enfim, voltando ao filme. O roteiro em partes achei bem mais próximo da realidade, mas em outros bem longe do que é narrado no livro. Bem mais real em relatar como, ao contrário do que ela tenta mostrar em trechos do livro, não é bacana ser puta, e principalmente por relatar melhor os problemas que ela teve com drogas. Longe, no começo, quando narra a adolescência e a mostra como uma coitadinha, quem leu o livro sabe bem como não era nada disso.
No geral é mais uma produção nacional que apela para putaria e drogas para ganhar audiência. (Algumas pessoas com certeza virão dizer: mas é um filme sobre garota de programa como você não queria que tivesse putaria? - respondo: eu era contra a produção desse filme. Ponto)
Interpretações: Debora Secco está bem sim, mas ela - como outras atrizes internacionais que já citei aqui - só sabem fazer papéis de mulheres sensuais ou vulgares. Não que façam mal, muito pelo contrário, fazem bem. Mas se limitam a só esse tipo de personagem. Como meu namorado disse: "Não, ela já fez personagem não vulgar: em Confissões de Adolescente." - Quer dizer ...
Dou destaque a quem realmente merece Fabiula Nascimento, já faz um tempo que venho observando essa atriz e cada vez mais a admirando. Ela sim, mesmo também fazendo uma prostituta e em um papel menos importante, manda bem pra caramba. Destaque para a cena no cabeleireiro.  
Algo que me lembro vagamente, mas o namorado percebeu e acho que vale a pena destacar é no momento em que ela está para ter a overdose e ficam passando várias cenas aleatórias há uma referência ao filme "Requiem Para um Sonho". Super joinha pra isso.
Por fim, classifiquei como Bom por essa cena que acabei de destacar, pela Fabiula Nascimento (alguém por favor dê um papel de maior destaque a essa ótima atriz) e pela trilha sonora - muito bem colocada e de ótima qualidade, de resto achei o filme dispensável.
Ah! Não assista com pais por perto, ok? =)

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha técnica: IMDb

2 comentários:

  1. Um filme que não tenho vontade de assistir confesso a você, e depois da sua sinopse aí que não quero saber mesmo, e você ainda foi legal e classificou ele como bom, realmente você é muito legal Natália.

    ResponderExcluir
  2.  
    NA verdade...... eu achei um filme do CARALHO!!! Com uma PUTA atuação da Deborah Seco, ela não chega a ser engraçada, mas em vários momentos está bem GOZADA no filme. Só uma ressalva, é que o figurino acheio de qualidade meio VAGABUNDA. Ele não chegar a ser ruim, mas parece que foi feito NAS COXAS. Mas da prá ENGOLIR.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.