sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

O Último Dançarino de Mao


título original: Mao's Last Dancer
gênero: Drama
duração: 117 min
ano de lançamento: 2009
estúdio: Great Scott Production Pty. Ltd.
direção: Bruce Beresford
roteiro: Jan Sardi, Cunxin Li
fotografia: Peter James
direção de arte: Elaine Kusmishko


Li é tirado aos 11 anos de sua pobre aldeia para estudar dança na escola da Madame Mao. Anos depois, ele consegue entrar para a Companhia Houston Ballet durante um intercâmbio no Texas. Com isso ele decide não voltar a China, mas isso causará um desconforto diplomático. 
Para quem já fez ballet, assim como eu, é interessante assistir para ver as diferenças de estilo de dança, a companhia chinesa leva a dança a um ponto que parece mais um exercício militar.
O roteiro, lógico, trabalha muito mais. Além de contar uma parte da história mundial relatando a China comunista, ainda mostra o choque cultural do chinês ao chegar nos EUA.
A trilha é maravilhosa, a fotografia mais linda ainda.

Perfeito em todos os quesitos.

CLASSIFICAÇÃO: MARAVILHOSO



Poster e Ficha Técnica:IMDb


Noivas em Guerra


título original: Bride Wars
gênero: Comédia Romântica
duração: 89 min
ano de lançamento: 2009
estúdio: Fox 2000 Pictures
direção: Gary Winick
roteiro: Greg dePaul, Casey Wilson
fotografia: Frederick Elmes
direção de arte: James Donahue

Duas amigas de infância, sonham em casar no mesmo lugar. Quando ficam noivas, quase ao mesmo tempo, conseguem datas para o tão sonhado Plaza Hotel. Mas a organizadora faz uma confusão e marca as duas para o mesmo dia, é a partir de então que as rachaduras na amizade começam a aparecer.
Acredito que essa história esteja mais para comédia com alguns mimimis de menina, do que um comédia romântica tradicional. 
As tramóias que uma arma para a outra são hilárias! Anne e Kate estão ótimas.
Torci para a personagem da Anne Hathaway o filme todo e não gostei muito do final, mas o bacana disso é que, mesmo em alguns pontos previsível, o encerramento teve suas surpresas.
Pura diversão, talvez mais para meninas, mas dá pra dar risada.

CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb


quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

O Casamento do Meu Melhor Amigo


título original: My Best Friend's Wedding
gênero: Comédia Romântica
duração: 105 min
ano de lançamento: 1997
estúdio: TriStar Pictures
direção: P.J. Hogan
roteiro: Ronald Bass
fotografia: Stuart Dryburgh
direção de arte: W. Steven Graham


Julianne e Michael são grandes amigos que fizeram um trato: se chegassem aos 30 solteiros se casariam. O problema é que, as vésperas dessa data Michael liga para amiga anunciando que irá se casar, com outra. Julianne descobre então estar loucamente apaixonada pelo amigo e viaja para o casamento para ser a madrinha e, se tudo der certo segundo seus planos, a destruidora do matrimônio.
Eu, a senhora de gelo, tenho um filme de comédia romântica favorito. E é esse que vos falo nesse texto. Sem brincadeira, já devo ter visto esse filme umas 50 vezes, fácil. É ele estar passando na TV e eu, por acaso cair no canal, pronto, paro a minha vida para ver novamente. Acho que foi feitiço ou coisa assim, por que não tenho motivos racionais pra explicar porque gosto tanto desse filme.
Talvez por o roteiro, ter sim seus momentos clichês, mas não ter um final previsível ganhe muitos pontos. O fato da personagem principal não ser a mocinha, boazinha, que sofre deitada na cama e abraçada ao travesseiro por não estar com seu amor, também ajuda. Na verdade, se formos ver direito, a mocinha é a vilã da história e a que deveria ser a vilã - a noiva do amigo - é aquela mocinha enjoadamente boa, o que te dá o direito de odiar a menina meiga sem culpas.
Julia Roberts foi feita para esse tipo de filme, mesmo mostrando seu talento em filmes mais sérios, é nesse gênero que ela brilha. Rupert Everett está de matar de rir, em mais um personagem gay - já comentei isso em outro filme. Dermont Mulroney, apesar de ser o mocinho, pode até ser dispensável, apesar de ser o galã da história. E Cameron Diaz está em um dos poucos personagens em que a respeito, ela faz uma insuportável garotinha mimada e perfeitinha, talvez goste dela nesse caso porque posso a considerar insuportável argumentando que é culpa da personagem.
E por fim, tem na minha opinião, uma das melhores cenas da história do cinema! O almoço no restaurante, em que todos começam a cantar. Dá uma vergonha alheia absurda, é muito clichê e forçado, mas duvido que você assista e não tenha vontade de cantar junto.
É puro entretenimento, mas foge um pouco do padrão comédia romântica. Você pode dizer que tentei justificar o injustificável falando que esse filme vale a pena. Mas eu não consigo não amá-lo.

ps.: eu sempre assisto esperando que o final mude, que o gay vire hétero e fique com ela. =P Rupert Everett, pra mim, é mil vezes mais charmoso que o Dermont Mulroney.

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Noiva em Fuga


título original: Runway Bride
gênero: Comédia Romântica
duração: 116 min
ano de lançamento: 1999
estúdio: Paramount Pictures
direção: Garry Marshall
roteiro: Josann McGibbon, Sara Parriott
fotografia: Stuart Dryburgh
direção de arte: W. Steven Graham

Uma moça que já fugiu de seu próprio casamento 3 vezes vira assunto na coluna de um jornalista machista. Após ser demitido por ter publicado a matéria sem confirmar o assunto ele parte para a cidade da noiva fujona para comprovar que a história é verídica e recuperar seu emprego.
Caí numa sinuca de bico, depois de comentar vários filmes de comédia romântica dizendo que o roteiro era batido e os classificando como ruins ou regulares, agora me vejo num beco sem saída com esse. Como justificar porque o acho bom?
Talvez porque eu era mais nova, me encantava mais com esse tipo de filme e não estava saturada ainda, afinal o roteiro é sim previsível. Talvez porque o casal já tinha mostrado uma química incrível em "Uma Linda Mulher" e o diretor, Garry Marshall, que é o mesmo nos dois filmes, resolveu re-aproveitar essa dupla muito vendável. Talvez porque os personagens de Richard Gere e Julia Roberts, apesar do imenso sexy appel que ambos atores exalam, pareçam mais com pessoas comuns e não aqueles casais perfeitos padrões de filmes românticos.
Não sei explicar no final das contas, mas gosto bastante desse filme e sempre quis que os dois atores ficassem juntos na vida real, combinam demais! 
Dá para se divertir, rir, suspirar e ter um pouco de esperança no romance ao final de tudo.

CLASSIFICAÇÃO: BOM


Poster e Ficha Técnica: IMDb

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Minha Mãe Quer Que Eu Case


título original: Because I Said So
gênero: Comédia Romântica
duração: 102 min
ano de lançamento: 2007
estúdio: Universal Pictures
direção: Michael Lehmann
roteiro: Karen Leigh Hopkins, Jessie Nelson
fotografia: Julio Macat
direção de arte: Christopher Tandon


Uma mãe solteira de tries filhas, preocupada que sua caçula escolha um namorado errado para ela, coloca um anúncio em nome da filha em um site de relacionamentos e passa a selecionar o rapaz certo para a menina. Essa atitude causará transtornos no relacionamento das duas.
Roteiro previsível de comédia romântica, nenhuma novidade.
Diane Keaton parece não ter superado a noiva nervosa até hoje, só que nessa produção piorou a personagem adicionando uma grande dose melo dramática. Mandy Moore continua aquela menina do canal Disney insuportavelmente boa mocinha - mesmo aprontando as suas durante a história - e com uma interpretação medíocre.
Pode até fazer rir e divertir, com situações forçadas, mas talvez você ache algo que agrade mais.


CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Muito Bem Acompanhada


título original: The Wedding Date
gênero: Comédia Romântica
duração: 90 min
ano de lançamento: 2005
estúdio: Gold Circle Films
direção: Clare Kilner
roteiro: Elizabeth Young, Dana Fox
fotografia: Oliver Curtis
direção de arte: Astrid Sieben



Após ser abandonada no altar, Kat contrata um acompanhante para ir ao casamento de sua irmã, no qual seu ex-noivo será padrinho. O que ela não esperava é que seu namorado de aluguel conquistasse a família toda e que sua relação com ele não ficasse somente no setor profissional.
A história me remete a algum lugar comum e mais famoso e bem quisto também: "Uma Linda Mulher" só que com papéis trocados. Sim, cada um tem seu ponto particular, mas no geral as histórias são bem parecidas. 
Tudo bem que Dermont Mulroney não parece ser tão prostituído quanto Julia Roberts, mas seu charme enche a tela de testosterona.
Apesar do roteiro não surpreender muito, Debra Messing segura as pontas garantindo muitas risadas durante o desenvolvimento do filme.


CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb


quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Lisbela e o Prisioneiro


gênero: Romance

duração: 106 min
ano de lançamento: 2003
estúdio: Estúdios Mega, Globo Filmes, Natasha Filmes
direção: Guel Arraes
roteiro: Guel Arraes, Pedro Cardoso, 
fotografia: Ulrich Burtin

Lisbela é uma romântica inveterada que vive sonhando com os mocinhos de Hollywood que vê no cinema. Leléu é um malandro que vive de viajando e levando seus shows a várias cidades. Logo que se conhecem se apaixonam, mas o problema é que Lisbela está noiva e um matador de aluguel está atrás de Leléu.
Até quem não gosta de cinema nacional vai gostar desse. Como a própria protagonista explica, é uma história óbvia de romance, mas é gostoso de assistir mesmo assim. Tem romance, ação e comédia. É entretenimento completo. 
Todos, eu disse TODOS, do elenco estão ótimos! Tem gente que diz que Selton Mello sempre interpreta a si mesmo, não acho, acredito que ele se molde a todos os personagens. Bruno Garcia está hilário, Marco Nanini passa medo até no Capitão Nascimento e Débora Falabella não poderia ser mais sonhadora.
Destaque para a trilha sonora que se encaixa perfeitamente a trama. E se prepare, pois depois de assistir esse filme você passará alguns dias cantando: "E agora, que faço eu da vida sem você..."

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb


terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Leis da Atração


título original: Laws of Attraction
gênero: Comédia Romântica
duração: 90 min
ano de lançamento: 2004
estúdio: Deep River Productions
direção: Peter Howitt
roteiro: Aline Brosh McKenna
fotografia: Adrian Biddle
direção de arte: Susie Cullen


Dois advogados que sempre se enfrentam em casos de divórcio, após uma noitada das pesadas acabam se casando e terão que aproveitar de seus conhecimentos para que esse caso não dê tão errado como os com que trabalham.
Roteiro bem previsível, sem nenhuma surpresa ao desenvolver da história.
Pierce Brosnan até está bom no papel de um garanhão de meia-idade, mas Julianne Moore não rende nem metade do que poderia - talvez seja culpa da quantidade de botox que tem na cara. Inclusive, mesmo assim ela parece mais velha que a atriz que faz sua mãe, Frances Fisher.
Boa opção pra quem está a fim de dormir com a TV ligada.

CLASSIFICAÇÃO: RUIM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Forças do Destino

título original: Forces of Nature
gênero: Comédia Romântica
duração: 105 min
ano de lançamento: 1999
estúdio: DreamWorks SKG
direção: Bronwen Hughes
roteiro: Marc Lawrence
fotografia: Elliot Davis, David Stockton
direção de arte: Christa Munro



Um rapaz, a caminho da cidade onde casará, sofre um acidente e traumatizado com aviões resolve ir por terra. Porém, junto com esses acontecimentos, conhece uma moça que o fará parar pra pensar em suas metas de vida e se aqueles são realmente seus planos para o futuro.
O roteiro é bem água com açúcar, apesar da história tomar um caminho menos esperado no final.
Um dos filmes mais fracos da Sandra Bullock que já vi, mas talvez um ponto que ajude nisso seja Ben Affleck, acho ele um ator bem medíocre.
No todo pode ser um passatempo, mas não considero a melhor escolha.


CLASSIFICAÇÃO: RUIM


Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Entrando Numa Fria Maior Ainda

título original: Meet The Fockers
gênero: Comédia
duração: 115 min
ano de lançamento: 2004
estúdio: Universal Pictures
direção: Jay Roach
roteiro: Greg Gliena, Mary Ruth Clarke
fotografia: John Schwartzmen
direção de arte: Andrew Neskoromny



Greg e Pam estão preparando seu casamento, mas antes que isso aconteça resolvem levar os pais de Pam para conhecer os pais de Greg. Viajam então em um trailer super moderno juntos para unir mais a família. Mas Greg está preocupado com a situação pois, enquanto os pais de Pam são muito sérios e principalmente o pai, muito rígido; seus pais são muito sossegados e relaxados. Essas diferenças poderão causar alguns problemas.
Sabe o que acho mais bacana do que um filme original legal? Quando conseguem fazer uma continuação a altura! Quem sabe, até melhor.
O roteiro continua a mesma linha, talvez com alguns pontos mais para o apelo sexual, mas não perdendo a graça.
Robert De Niro e Ben Stiller estão muito engraçados, como no primeiro filme, mas que dá show nesse filme é Dustin Hoffman. Sério, ele está sensacional em cenas dignas de dar vergonha alheia.
Se divirtam e morram de rir com essa comédia.


CLASSIFICAÇÃO: BOM


Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Entrando Numa Fria

título original: Meet The Parents
gênero: Comédia
duração: 108 min
ano de lançamento: 2000
estúdio: Universal Pictures
direção: Jay Roach
roteiro: Greg Gliena, Mary Ruth Clarke
fotografia: Peter James
direção de arte: John Kasarda


Pam resolve levar seu namorado para conhecer seus pais, só que o pai na moça não simpatiza muito com o rapaz e resolve fazer do seu final de semana um inferno e, se ele aguentar até o final, poderá casar com sua filha.
O roteiro é muito bem trabalhado em cima daquela pressão que rola quando conhecemos os pais da pessoa amada, o medo da não aceitação, de não impressionar e agradar.
Aqui , finalmente, consegui ver Ben Stiller com bons olhos. E o Robert De Niro então? O cara já é bom em papéis sérios, em comédia então, dá um show.
Assistam e se preparem pra rir muito, principalmente nas cenas que incluem o bichinho de estimação do pai.


CLASSIFICAÇÃO: BOM


Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Ela É Demais


título original: She's All That
gênero: Comédia Romântica
duração: 95 min 
ano de lançamento: 1999
estúdio: Miramax Films
direção: Robert Iscove
roteiro: R. Lee Fleming Jr.
fotografia: 
Francis Kenny
direção de arte: Gary Diamond


O rapaz mais popular da escola namora, obviamente, a menina mais popular também. Mas ela o larga para ficar com um ator de quinta categoria. Precisando recuperar sua popularidade, aposta com um amigo que consegue transformar qualquer garota na rainha do baile. Escolhem então a garota mais estranha, nerd e inacessível da escola. Porém com o tempo ele começa a realmente conhecer a pessoa que há por trás daqueles óculos.
 É filme pra pré-adolescente que começou a ter suas primeiras "paquerinhas". Para terem idéia, vi esse filme com uns 11 ou 12 anos, e é lógico que na época adorei.
Trata-se de uma história bem americana, aquela escola clássica com os populares e os loosers, baile e a rainha e o rei. Hoje vejo que é um roteiro bem banal e previsível, com um romance mais do que batido, mas não fingirei que na época não gostei. A única coisa é que foi feito bem para um público específico, que na época em que foi lançado eu me encaixava.


CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb 

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Um Conto Chinês

título original: Un cuento chino
gênero: Comédia
duração: 93 min 
ano de lançamento: 2011
estúdio: Aliwood Mediterráneo Producciones,
direção: Sebastián Borensztein
roteiro: Sebastián Borensztein
fotografia:
Rolo Pulpeiro
direção de arte: Laura Musso

Roberto é um rabugento dono de uma loja de ferragens que se depara com um chinês que não fala uma palavra em espanhol e  resolve ajudá-lo.
Fui ver esse filme com um pé atrás, antes dele eu não gostava do Ricardo Darín por uma má experiência com "O Filho da Noiva", ainda bem que meu namorado insistiu em vermos e quebrei esse preconceito.
A convivência dos dois garante muitas gargalhadas, pois além do conflito cultural sem meios de se entenderem, o personagem principal é muito sistemático e solitário e vê seu filme virado do avesso quando passa a ter um colega de quarto.
O roteiro é dinâmico, fácil e divertido.
Vale muito a pena!

CLASSIFICAÇÃO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Ela É o Cara


título original: She's the Man
gênero: Comédia Romântica
duração: 105 min 
ano de lançamento: 2006
estúdio: DreamWorks SKG, lakeshore Entertainment
direção: Andy Fickman
roteiro: Ewan Leslie, Karem McCullah Lutz
fotografia: 
Greg Gardiner
direção de arte: John Burke, John R. Jensen


Viola é uma menina apaixonada por futebol. Quando o irmão resolve fazer uma viagem as escondidas, ela toma seu lugar na escola - disfarçada de menino - para poder jogar com os caras. O problema é que alguma meninas começam a se interessar por "ele" e ela se apaixona pelo colega de quarto.
Comédia de adolescente, até dá pra dar umas risadas e se distrair, mas o roteiro é super fraco e batido. 
O elenco é tipo Malhação.
Se você passou dessa faixa etária, não recomendo. Se não, pode ser uma boa opção de entretenimento.

CLASSIFICAÇÃO: REGULAR

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Doce Lar


título original: Sweet Home Alabama
gênero: Comédia Romântica
duração: 108 min 
ano de lançamento: 2002
estúdio: Touchstone Pictures
direção: Andy Tennant
roteiro: Douglas J. Eboch, C. Jay Cox
fotografia: 
Andrew Dunn
direção de arte: Jay Pelissier


Melanie é uma estilista que alcançou tudo o que desejava em Nova York: uma carreira de sucesso e um namorado a sua altura, filho da prefeita da cidade. O problema surge quando ele a pede em casamento e ela se vê obrigada a voltar para sua terra natal, Alabama, em busca do divórcio de seu marido e tendo de enfrentar o passado que abandonou.
Comédia Romântica, não espere nada de surpreendente e inovador. Mas o bacana desse filme em específico é que, apesar de seguir as regrinhas comuns, ele já começa no pós casamento e não quando o casal se conhece e se apaixona.
As piadinhas são boas e eu, particularmente, me identifiquei bastante com a menina do interior que vai buscar seu futuro na cidade grande.
É uma boa opção pra quem busca uma diversão adocicada.


CLASSIFICAÇÃO: BOM

Poster e Ficha Técnica: IMDb

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Má Educação


título original: La Mala Edicacíon
gênero: Drama
duração: 106 min 
ano de lançamento: 2004
estúdio: Canal + España, El Deseo S.A., 
direção: Pedro Almodóvar
roteiro: Pedro Almodóvar
fotografia: 
José Luis Alcaine
direção de arte: Antxón Gómez

Um cineasta, passando por um bloqueio criativo, encontra um ator a procura de emprego que se diz ser um amigo da época da escola, e primeiro amor de sua vida. Ele traz consigo um roteiro baseado na infância dos dois, época em que estudaram em um internato de padres e relata tendências pedófilas de um de seus professores. Mesmo estando muito interessado pelo roteiro, suspeita desse ressurgimento e vai em busca de informações sobre o rapaz.
Aqui Almodóvar foge de um padrão seu: o roteiro girando em torno de personagens femininas e seus conflitos. Com apenas uma personagem mulher, secundária, o roteiro não deixa de ter o toque feminino muito bem representado pelas travestis inclusas na história.
Um ponto muito interessante que sempre percebo nas histórias dele, é a possível inspiração em sua própria vida. Vejamos: cineasta com bloqueio criativo e relacionamentos homossexuais, como posso não imaginar que tenha alguma relação com sua própria vida? Que ele já não tenha passado pela situação de atores interesseiros que se mostram dispostos a fazer qualquer coisa para estar em uma produção sua?
A história pode até ser um pouco previsível, eu pelo menos, lá pela metade, já tinha previsto quase tudo que aconteceria. Mas isso não tira o mérito em nada dessa produção forte e pesada.
É muito emoção envolvida. Assuntos polêmicos jogados na cara do telespectador. A igreja e a pedofilia, homossexuais que caem no limbo pela não aceitação da sociedade, pessoas que se prestam a qualquer coisa para atingir seus objetivos.
O destaque fica para as atuações. Por exemplo, conheci Lluís Homar em "Abraços Partidos" e esse é o segundo filme que vejo com ele, mas já ganhou meu respeito. No papel de um padre que se apaixonou por um aluno e depois se envolve com um rapaz que só tem interesse por seu dinheiro, seu "enrustimento"é muito bem trabalhado.
Porém quem dá um show é Gael Garcia Bernal, de longe o melhor papel que já o vi interpretando. Golpista, ator dentro do ator ("A Origem", oi?), irmão desnaturado e travesti. Gente ele não é só um rostinho bonito, cada vez tenho mais certeza da capacidade dele como ator. Ou vocês acham que um ator superficial, que só quer ser galã e ficar famoso, se prestaria a fazer cenas beijando outro homem? Inclusive, nunca vi um travesti tão lindo nas telas, talvez nem na vida real. 
Até o momento nenhum filme dele superou "Fale Com Ela" pra mim, mas esse chegou perto. Com certeza um dos mais tocantes, chocantes e impressionantes filmes desse mestre. Só uma coisa, se você é homofóbico, ou "só não gosta de ver homens se beijando", melhor não assistir. 

CLASSIFICAÇAO: ÓTIMO

Poster e Ficha Técnica: IMDb