segunda-feira, 23 de novembro de 2009

500 dias com ela

  • título original:(500) Days of Summer
  • gênero:Comédia Romântica
  • duração:01 hs 36 min
  • ano de lançamento:2009
  • estúdio:Watermark
  • distribuidora:Fox Searchlight Pictures
  • direção: Marc Webb
  • roteiro:Scott Neustadter e Michael H. Weber
  • produção:Mason Novick, Jessica Tuchinsky, Mark Waters e Steven J. Wolfe
  • música:Mychael Danna e Rob Simonsen
  • fotografia:Eric Steelberg
  • direção de arte:Charles Varga
  • figurino:Hope Hanafin
  • edição:Alan Edward Bell
Vai ver esse filme esperando mais do mesmo, com milagres que fazem as pessoas ficarem juntas? Então não vá. Ou vá e veja como esse filme consegue ser superior a isso.
Tom conhece Summer, e se apaixona, a partir daí o filme é feito de idas e vindas na história do casal mostrando como foram felizes e como não foram felizes juntos. Como tudo terminou,e como tudo recomeçou para os dois.
Esse filme serve para mostrar como uma história pode ser romântica, bonita e alegre, sem necessariamente o casal ser feito um para o outro ou terem se encontrado porque o destino quis assim. A fila anda, a catraca gira, a vida continua e todos superam. Foi muito além das minhas espectativas.


Classificação: ÓTIMO

Ficha técnica e Poster: IMDb


Faça a coisa certa

  • título original:Do the Right Thing
  • gênero:Drama
  • duração:02 hs 00 min
  • ano de lançamento:1989
  • estúdio:40 Acres & a Mule Filmworks
  • distribuidora:Universal Pictures
  • direção: Spike Lee
  • roteiro:Spike Lee
  • produção:Spike Lee
  • música:Bill Lee
  • fotografia:Ernest R. Dickerson
  • figurino:Ruth E. Carter
  • edição:Barry Alexander Brown
Um ítalo-americano mantém a décadas uma pizzaria no Brooklin, bairro predominantemente negro. No dia mais quente do ano, após um cliente reclamar que em sua parede só haviam fotos de famosos italianos e de nenhum famoso negro a confusão começa. A partir da organização de um boicote, vários problemas vão surgindo, formando o caos quando um cliente é morto.
Vejo muitos pontos de crítitica social próximos entre esse filme e Um dia de fúria, sendo apenas a diferença que nesse todos vivem pacificamente até um pisar no calo do outro e todos ficarem contra todos. As desigualdades sociais e raciais, junto com um calor que atormentava a todos, fez com que o estress se implantasse no lugar. Dá para se divertir em várias partes, mas somente no final você entende porque o filme é classificado como drama.

Classificação: ÓTIMO

Poster e ficha técnica: IMDb

Um dia de fúria

  • título original:Falling Down
  • gênero:Suspense
  • duração:01 hs 53 min
  • ano de lançamento:1993
  • estúdio:Warner Bros. / Regency Enterprises / Alcor Films / Le Studio Canal+
  • distribuidora:Warner Bros.
  • direção: Joel Schumacher
  • roteiro:Ebbe Roe Smith
  • produção:Timothy Harris, Arnold Kopelson e Herschel Weingrod
  • música:James Newton Howard
  • fotografia:Andrzej Bartkowiak
  • direção de arte:Larry Fulton
  • figurino:Marlene Stewart
  • edição:Paul Hirsch
Em um dos dias mais quentes do ano um homem , que de uma hora para outra se viu sem sua família e sem emprego, larga seu carro no meio de um congestionamento e resolve "voltar" para casa. Porém seu descontrole emocional faz com que sobre para todos que atravessam seu caminho. A única chance de controle é um policial que está no último dia de trabalho antes de sua aposentadoria.
Esse filme extrapola a violência gratuita, ele faz uma crítica a essa perseguição pelo "sonho americano" que não aceita perdedores. Uma das melhores cenas, para mim, é durante o espancamento de um coreano em que Michael Douglas - realmente parecendo enlouquecido - diz para o rapaz "Você vem para o meu país, pega o meu dinheiro e nem para aprender a minha língua!"; é aí que mostra-se bem a falsa boa convivência dos grupos étnicos dentro de uma população muito defensora de suas raízes.
Pode parecer meio insano da minha pate, mas  esse filme pode tirar boas risadas do espectador também; se a pessoa tiver um humor um tanto quanto ácido como o meu.

Classificação: ÓTIMO

Pôster e ficha técnica: IMDb

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Fitzcarraldo

  • Direção:Werner Herzog
  • Ano: 1982 
  • País: Alemanha, Peru
  • Gênero: Aventura, Drama
  • Duração: 158 min. / cor
  • Título Original: Fitzcarraldo
Um alemão, apaixonado por ópera - principalmente Caruso, sonha em levar para o meio da Amazônia peruana um teatro de ópera. Para alcançar isso resolve fazer fortuna com a borracha, indo a um local ainda desocupado através de um barco, atravessando-o para tal região por uma área de mata sendo levado pelos índios.
Confesso que achei um tanto maluco esse filme, mas é incrível a clareza com que se vê a repercussão no exterior de que a Amazônia é terra de ninguém, e como a exploração dessa região e de sua população é demasiada. As cenas em que se mostram árvores centenárias sendo derrubadas para a passagem do barco são revoltantes, e sinceramente espero que tenham sido feitas através de montagem e maquetes, pois se foram derrubadas de verdade vou pensar bem antes de recomendar esse filme.
O melhor de tudo é ver participações de Milton Nascimento, Grande Otelo e José Lewgoy nessa obra que com certeza te proporcionará uma boa dose de loucura.

Classificação: BOM

Ficha técnica: IMDb

Um cão andaluz

  • Título original: Un Chien Andalou
  • Gêneros:  Curta, Fantasia
  • Tempo: 40min
  • Ano: 1929
  • Direção:Luis Buñuel
  • Roteiro:Luis Buñuel, Salvador Dalí
O que dizer sobre essa obra-prima? Bem, sinopse não terá pois não tem como, afinal a história é totalmente surrealista. Também não queira assistir esse filme em um momento em que pretende relaxar e descançar a cabeça; esse curta é impactante demais e necessita de um máximo de atenção para que seja apreciado da melhor maneira.
Odeio comentários sobre filmes que acabam tendo spoilers, mas nesse não há como, ainda mais por ter de falar de uma das cenas mais famosas do cinema: o olho da moça sendo cortado. Na verdade é um olho de cabra, mas na aflição do momento quase não há de se perceber que aquele definitivamente não é um olho humano.
Muitas pessoas podem "enxergar" nesse filme críticas as instituições, as comunidades, à sociedade. Diria até que vi em alguns momentos, mas como li em comentário do próprio Buñuel sobre esse filme, não há o que se entender desse filme, o processo de criação dele e Dali foi incrível - o que vinha na cabeça eles colocavam no roteiro, é surrealismo e ponto. Surpreendente e sensacional.

Classificação: MARAVILHOSO

Ficha técnica: CineMenu
Pôster: Google

O corajoso ratinho Despereaux

  • título original:The Tale of Despereaux
  • gênero:Animação
  • duração:01 hs 40 min
  • ano de lançamento:2008
  • estúdio:Universal Pictures / Relativity Media / Largen Than Life Productions / Framestore Feature Animation
  • distribuidora:Universal Pictures / Paramount Pictures / UIP
  • direção: Sam Fell , Robert Stevenhagen
  • roteiro:Gary Ross, baseado em livro de Kate DiCamillo
  • produção:Gary Ross e Allison Thomas
  • música:William Ross
  • fotografia:Brad Blackbourn
  • direção de arte:Olivier Adam
  • edição:Mark Solomon
  • efeitos especiais:Framestore Feature Animation
Em um reino muito distante, após uma confusão causada por uma ratazana, os ratos (que viviam como humanos) e as sopas são banidas da comunidade. As esperanças para que tudo volte ao normal são depositadas em um camundongo que foge dos padrões de sua família medrosa, sendo corajoso e aventureiro.
Já faz algum tempo que estamos nos acostumando a ver desenhos com "dupla personalidade", que divertem as crianças mas ao mesmo tempo tem temática e piadas adultas; Despereaux foge disso. É um desenho bem infantil, mas tão infantil que acredito chegar a um ponto que crianças acima de 9 anos já não terão interesse.
Não é o fato de ser infantil que estraga, mas o público mesmo sendo mirim merece um roteiro bem trabalho e que faça sentido; essa animação é fraca em sua história tendo muitos pontos desamarrados e mal explicados.

Classificação: RUIM

Ficha técnica: IMDb


segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Deus e o diabo na terra do sol

  • título original:Deus e o Diabo na Terra do Sol
  • gênero:Drama
  • duração:02 hs 05 min
  • ano de lançamento:1964
  • estúdio:Copacabana Filmes
  • distribuidora:Glauber Rocha
  • direção:Glauber Rocha
  • roteiro:Glauber Rocha e Walter Lima Jr., baseado em argumento de Glauber Rocha
  • produção:Luiz Augusto Mendes
  • música:Heitor Villa-Lobos
  • fotografia:Waldemar Lima
  • figurino:Paulo Gil Soares
  • edição:Rafael Justo Valverde
Após matar o patrão, um coronel explorador, o vaqueiro Manuel e sua esposa Rosa fogem pelo sertão afora primeiro seguindo um grupo de beatos fervorosos e depois se juntando a um grupo de cangaceiros, enquanto Antônio das Mortes segue matando a mando na Igreja.
Infelizmente o cinema nacional ainda sofre muito preconceito, eu já aprendi a admirar as obras brasileiras atuais, e venho tentando conhecer as obras antigas. Por ser um filme bem antigo esperava uma má qualidade de imagem, interpretação e som mas me surpreendi pois, para as possibilidades da época, o filme está e ótima qualidade (tirando o som que é algo que até hoje ainda tem o que ser melhorado no cinema nacional).
Incrível como com cenas as vezes um pouco exageradas é bem exibido o sofrimento do povo sertanejo, e como a revolta com isso os faz seguir por alguns caminhos - o do fanatismo religioso acreditando que só Deus pode salvá-los daquela situação, ou o caminho da violência contra as "autoridades" que nos os ajudam.

Classificação: ÓTIMO

Ficha técnica e poster: IMDb
 


Crepusculo

  • título original:Twilight
  • gênero:Romance
  • duração:02 hs 02 min
  • ano de lançamento:2008
  • estúdio:Maverick Films / Goldcrest Pictures / Temple Hill Entertainment / Summit Entertainment / Twilight Productions / Imprint Entertainment
  • distribuidora:Summit Entertainment / Paris Filmes
  • direção: Catherine Hardwicke
  • roteiro:Melissa Rosenberg, baseado em livro de Stephenie Meyer
  • produção:Wyck Godfrey, Greg Mooradian, Mark Morgan e Karen Rosenfelt
  • música:Carter Burwell
  • fotografia:Elliot Davis
  • direção de arte:Christopher Brown e Ian Phillips
  • figurino:Wendy Chuck
  • edição:Nancy Richardson
  • efeitos especiais:Amalgamated Pixels / Lola Visual Effects / Industrial Light & Magic / Rez-Illusion / CIS Vancouver / Gentle Giant Studios
Filme infanto-juvenil, que vem adquirindo fãs jovens-adultos também, sobre uma garota colegial que se apaixona por um vampiro que não se alimenta de sangue humano; sendo que essa relação trará alguns problemas exatamente pela diferença que há entre eles. Não gosto de assistir filmes baseados em livros sem lê-los primeiro, mas esse acabou sendo assim. Pelo  que vi fãs da série falando, o filme deixou muito a desejar em relação ao livro, como na maioria das adaptações.
Sinceramente, com base apenas no que assisti, achei a história fraca, comum, sem ação, com efeitos ruins, e os atores com uma interpretação bem medíocre. O único ponto que acredito ter dado muito certo foi a química entre o casal principal; duas opções: ou eles souberam interpretar pelo menos essa parte bem ou acontece alguma coisa entre os atores.

Classificação: PÉSSIMO

Poster e ficha tecnica: IMDb


domingo, 8 de novembro de 2009

Fale com Ela

  • título original:Hable con Ella
  • gênero:Drama
  • duração:01 hs 56 min
  • ano de lançamento:2002
  • estúdio:El Deseo S.A.
  • distribuidora:20th Century Fox / Sony Pictures Classics / Warner Bros.
  • direção: Pedro Almodóvar
  • roteiro:Pedro Almodóvar
  • produção:Agustín Almodóvar
  • música:Alberto Iglesias
  • fotografia:Javier Aguirresarobe
  • direção de arte:Antxón Gómez
  • figurino:Sonia Grande
  • edição:José Salcedo

Os filmes de Almodovar costumam gerar reações variadas nas pessoas, e pelo que costume perceber são reações de ódio ou amor - nunca meio termo. Já vi outros filmes dele, mas achei melho começar os comentários por esse, os anteriores mexiam comigo mas eu não saberia explicar qual o sentimento me gerava.
"Fale com ela" trata com muita sutileza sobre o drama do coma  que acomete duas mulheres, e por causa disso faz surgir uma grande amizade entre dois homens que já haviam se encontrado no passado mas não se conheciam. Junto com essa história, interliga a paixão psicótica de um dos homens por umas das moças em coma.
Com a costumeira delicadeza de Almodovar para mostrar a interação entre as pessoas, nesse filme ele foca mais o masculino do que o feminino. Com algumas pitadas de humor e sensualidade, posso dizer que estou descobrindo qual minha relação com esse diretor , e não é ódio.

Classificação: MARAVILHOSO

Poster e ficha técnica: IMDb


terça-feira, 3 de novembro de 2009

Hancock

  • título original:Hancock
  • gênero:Aventura
  • duração:01 hs 32 min
  • ano de lançamento:2008
  • estúdio:Blue Light / Relativity Media / Weed Road Pictures / Forward Pass / Overbrook Entertainment
  • distribuidora:Columbia Pictures
  • direção: Peter Berg
  • roteiro:Vincent Ngo e Vince Gilligan
  • produção:Akiva Goldsman, James Lassiter, Michael Mann e Will Smith
  • música:John Powell
  • fotografia:Tobias A. Schliessler
  • direção de arte:William Hawkins e Dawn Swiderski
  • figurino:Louise Mingenbach
  • edição:Colby Parker Jr. e Paul Rubell
  • efeitos especiais:Furious FX / Lidar Services / Sony Pictures Imageworks
Um super-herói problemático encontra em um relações-públicas a ajuda que precisava para lidar bem com a população.
Esse é um filme que tinha tudo para agradar o público: história de super herói (que costuma contar com uma super produção), o personagem principal sendo um anti-herói alcóolatra, e interpretado por Will Smith que vem mostrando seu valor como ator.
Pena que o filme andou exatamente para o caminho contrário, o filme, que em seus primeiros 30 minutos, passa bem o que a sinopse fala do filme, depois perde a linha e passa para um drama/romance bobo e sem graça.
Poderia render uma história engraçada, divertida e com ação e terminou em um filme bobo e sem seguir uma linha de raciocínio. Muito me decepcionou.

Classificação: RUIM

Ficha técnica e pôster: IMDb